BT

Anunciado Fórum de Testes para Web Services

por Mark Little , traduzido por Wagner R. Santos em 17 Dez 2008 |

Interoperabilidade tem sempre sido um dos fatores chave expostos pelos fornecedores para as necessidades de padrões em Web Services. Existe até uma organização preparada somente para tratar este tipo de assunto. Nos últimos anos os vários padrões para Web Services encabeçados por OASIS e W3C tem encorajado (mandado) demonstrações de interoperabilidade entre implementações heterogêneas dos fornecedores antes que algo possa ser declarado como padrão. Mas um dos problemas recorrentes é que estas implementações passam por mudanças depois que as especificações de interoperabilidade estão prontas e geralmente existe uma abordagem limitada (e ad hoc) para continuar a demonstrar interoperabilidade. Recentemente temos acompanhado algumas novas iniciativas criadas para resolver estes gaps. A primeira destas iniciativas foi o projeto Apache Stonehenge::

O objetivo do projeto Stonehenge é desenvolver um conjunto de aplicações de exemplo para demonstrar menor interoperabilidade através de múltiplas plataformas de tecnologia utilizando os protocolos padrões definidos atualmente pela W3C e a OASIS.

E agora existe o Web Services Test Forum (WSTF).

O Grupo de Testes WS é responsável por fornecer um ambiente na qual os membros da comunidade de Web Service possam desenvolver cenários interoperáveis, assim como testar estes cenários contra outras implementações de Web Service. O fórum fornece também um ambiente comum para a realização de testes de regressão que a comunidade pode utilizar durante o desenvolvimento de suas implementações de Web Service.

Como Paul Krill relata:

Clientes e fornecedores podem dinamicamente testar suas aplicações contra as implementações para assegurar a interoperabilidade. A intenção dos testes é ajudar a entregar produtos de maior qualidade e especificações de padrões aberto que simplifiquem a integração e aumente a interoperabilidade.

Um ponto adicional que mostra que WS-I, OASIS e W3C passam longe é a habilidade para os membros de publicar em um ponto central seus endpoints de interoperabilidade. Geralmente estas coisas existem para a duração dos eventos de interoperabilidade e depois desaparecem. Mas a questão óbvia é: como ele se relaciona com o WS-I? (Ignorando a sobreposição aparente com Stonehenge.) De acordo com Karla Norsworthy da IBM:

 

Nós achamos que WS-I nos serviu muito bem para definir alguns dos profiles e para focarmos no trabalho de interoperabilidade para alguns destes profiles básicos. [WSTF] é um tipo de evolução.

Os membros protestam de que o WSTF foi concebido para ser mais dirigido a cliente e dinâmico, com uma abordagem lightweight para definir o que é testado e por quem. Entretanto, eles também apontaram que o fórum não é de forma alguma um rival para WS-I e os membros que estão envolvidos tem sinalizado suas intenções para continuar levando a interoperabilidade através desta mesma linha. Doug Davis da IBM indicou em seu artigo que ...

Fornecer simplesmente um fórum para as pessoas perguntarem e discutirem idéias não irá ajudar a resolver os problemas relacionados a interoperabilidade. O fórum precisa ter foco e um propósito. Este é o valor retornado pelos clientes do WSTF que focam em cenários. Diferente de esforços anteriores de interoperabilidade, o WSTF foi projetado especificamente para verificar e examinar cenários e utilizar padrões que os clientes realmente irão utilizar. Os autores das especificações de Web service tem implicitamente pedido por isto, mas uma pesquisa nas atividades de várias autoridades que ditam os padrões revela que existe um grau muito baixo de envolvimento do cliente. Isto inevitavelmente leva a discussões muito longas (e algumas vezes calorosas) sobre como as especificações deveriam, ou não deveriam suportar. Desentendimentos sobre quais cenários eles deveriam se preocupar também são comuns. Tendo o envolvimento direto do cliente nas discussões poderiam cortam um grande caminho reduzindo a tensão e o tempo do processo .

Notavelmente entre os ausentes estão a Microsoft e a Sun, ambos escolheram não participar neste momento, indicando que seus esforços de interoperabilidade irá continuar sendo dirigido pelo envolvimento com a WS-I. Dado que Microsoft representa uma grande parte do mercado de Web Services para muitas necessidades de integração baseadas em Web Services, isto somente pode limitar a aplicabilidade do WSTF. É interessante notar, entretanto, que a Microsoft não parece ter um problema com o malabarismo com o Stonehenge e participação do WS-I então é provável que seu envolvimento com o WSTF esteja chegando, conforme Mike Champion da Microsoft disse:

Para ser mais claro, nós acreditamos que o Stonehenge pode nos ajudar a passar a "última milha" entre a infra-estrutura padronizada dos web services que agora é implementada em plataformas chaves, e uma nova geração de aplicações orientadas a serviço que vão expandi-los. Os trabalhos existentes de interoperabilidade WS-* de todo tipo feito com WS-I e essa nossa "festa de plugins" vai continuar amadurecendo o nível da plataforma de interoperabilidade. Este novo trabalho, exemplificado pelo Apache Stonehenge, deve atrair uma grande comunidade de usuários que poderão explorar essa padronização complexa e trabalhar na plataforma de interoperabilidade sem ter que remar contra estes detalhes complexos como no passado..

O que soa como algo similar ao objetivo do WSTF. Concluindo, Doug Davis torna claro que o WSTF não é limitado a Web Services baseados em SOAP:

[...] WSTF na verdade não é limitado somente a testes de Web services baseados em SOAP. Não há nada que impeça o WSTF de estender estes testes para outros tipos de Web service. Por exemplo, o WSTF poderia permitir, e até encorajar, testes de usos de SOAP/Web Services em domínios específicos. Testes em Web Services REST também serão permitidos e vão ter seu lugar em um futuro não muito distante. O WSTF não é somente sobre testes de interoperabilidade baseada em SOAP—é sobre testes de interoperabilidade em Web Services, e a própria comunidade irá decidir o que isto significa com o passar do tempo.

Partindo do princípio que os padrões e implementações de Web Service realmente vivem ou morrem em sua interoperabilidade, o anúncio do WSTF é uma boa notícia para os clientes, mas somente se todos os fornecedores concordarem em acatar a decisão do fórum, ou os clientes colocarem este item em seus check-lists de requisitos que "tem que ter" ao selecionar um fornecedor específico.

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Dê sua opinião

Conteúdo educacional

Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2014 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT