BT

Ponderações sobre Lean in Action no Japão

por Deborah Hartmann Preuss , traduzido por Henrique Gontijo em 24 Jul 2009 |

Nessa primavera, um grupo de agilistas de software, liderados por Mary and Tom Poppendieck, visitaram o Japão para ver em primeira mão como os princípios Lean são aplicados em muitos lugares, onde vem sendo utilizados há bastante tempo. Esse "Tour Lean Japonês" , vem sendo aplicado por gerentes e educadores desde 1990, sempre ligados ao aforismo do Lean: "Vá para o Gemba" (vá para onde o trabalho precisa ser feito). Esse tour, como sempre, foca primeiramente no desenvolvimento de sistemas, considerado por muitos agilistas como diferente dos processo das fábricas em que Lean foi primeiro desenvolvido. No tour estiverem presentes Henrik Kniberg da Crisp.se, Sune Gynthersen e Jesper Thaning da BestBrains.dk e Gabrielle Benefield do Yahoo.com. Considerando que o próposito de "indo para a gemba"" compreende observação e aprendizado, o tour inclui uma revisão diária do que foi visto e aprendido. Os participantes postaram em blogs muitas das descobertas - abaixo seguem várias observações de bloggers e participantes de newsgroups.

Apelidado como "Tour de Estudo das Origens do Lean (Roots of Lean Study Tour)," o tour inclui uma visita à fábrica da Toyota e encontros com

  • o gerente de sistemas embarcados para automóveis da Toyota
  • o CEO da Fujitsu Applications Ltd
  • representantes da comunidade ágil no Japão
  • Eiwa e Azzuri - pioneiros agile
  • Katyama-san - engenheiro chefe da Lexus e Supra
  • Kuriowa-san - formador de gerentes de TI da Toyota,
  • Kenji Hiranabe (Vencedor do prêmio Agile Alliance "Gordon Pask" 2009) e seus parceiros.

Na fábrica de automóveis da Toyota, os visitantes observaram em primeira mão muitas práticas e mecanismos frequentemente citados como exemplo em discussões sobre ágil e lean software: cartões kanban, quadro de status visual, poke-yoke (protegendo das falhas) e uma "linha de parada.". Gabrielle Benefield comentou, após a visita à fabrica:

As visões românticas que eu tinha foram dissipadas durante a visita. Foi difícil entender como o Kaizen (aprimoramento contínuo) realmente funciona na prática quando nós vimos luzes amarelas e vermelhas apagando, mas aquilo não era algo tão desesperador. Eles consertavam as coisas em movimento enquanto elas se moviam. A produção de carros era de 450/dia. Esse número caiu por causa da crise econômica. Aparentemente eles usam as brechas de tempo para fazer as melhorias, apesar de termos escutado que os trabalhadores deveriam realizar as melhorias dentro do seu próprio tempo, o que nos pareceu uma contradição com as regras.

Seguem algumas observações interessantes dos participantes:

Encontrei outra metáfora: Software é uma fábrica... Se software é uma fábrica, ele obtém a informação como entrada, realiza alguma operação produzindo uma informação como saída. ... Na visão como desenvolvedores de software, literalmente, são fábricas. Nós disponibilizamos ao nosso cliente uma fábrica de informação que poderá processar informação. Assim, arquitetura de software é um ato de planejar fábricas. Eu desejo explorar essa metáfora e encontrar algo mais sobre os métodos usados para construir fábricas ...
-- Jesper Thaning (2o. dia)
ANa visita à fábrica DaiNippon, nós vimos como milhões de cartões japoneses de anime são impressos, mas notavelmente vimos como são disseminados na cultura de utilização da gestão visual das fábricas. Mal tínhamos entrado na fábrica, e eu já tinha contado 13 cartões de 3 metros na parede. ... Depois de visitar a DaiNippon fomos para a Azzuri para ver como é realizado o desenvolvimento ágil. Eles estavam utilizado o termo Work Cell (proveniente do Lean) para organizar os desenvolvedores em pequenos times. As mesas era colocadas lado a lado para facilitar a programação em par - Como? Os braços da mesa eram posicionados de forma que os trabalhadores podiam mover com facilidade para ao lado!
-- Sune Gynthersen (4o. dia)
Todos fomos convidados para uma reunião com um grupo de ágil do Japão - onde participamos de um painel de discussão sobre o desenvolvimento de software ágil... Uma das coisas que eu percebi era como a definição fixa do escopo do software é algo comum - e não somente no Japão.
-- Sune Gynthersen (4o. dia)
Algo interessante é que eles eram lean em partes, mas não Agile, ao menos em muitas das definições das pessoas. ... eles mostraram isso na transição de "pessoas" para "processos". Esse é um debate em curso na comunidade lean, e uma área ainda ligeiramente obscura, pois pode um bom processo ajudar pessoas medíocres, ou pessoas boas com um processo falho conseguem ir adiante? O interessante é que eles estão ligando isso à um problema no sistema.
-- Gabrielle Benefield (1o dia)
.. empresas que utilizam desenvolvimento ágil são muitas vezes exceções aqui no Japão. Isso é algo interessante que ambos os processos [ágil e tradicionais] produzem sistemas com preços de contrato fixados.
-- Mary Poppendieck (4o dia)

Mattias Skarin encontrou na Toyota uma resposta totalmente diferente para essa crise, em relação aquilo que ele esperava das empresas ocidentais. Ele descreveu isso em um email:

Foi confortante escutar uma abordagem para a solução de problemas na linha de base. Aqui seguem algumas anotações da conversa com o chefe da engenharia:
  • ao invés de se direcionar para um corte de custo na gestão, a Toyota fez seu departamento de finanças migrar para os outros departamentos, para trabalhar com os gestores ajudando-os a realizar melhorias. Por exemplo, identificando o custo da produção de carros. Eles também conseguiram identificar o tempo excessivo consumido nos projetos.
  • ele também conseguiram tornar mais claro quais os projetos da linha de frente são mais conhecidos (prioridades claras e foco), e não considerando que "todo projeto é importante".
  • a declaração de rejeição dos gerentes era "faça o seu melhor, eu o fiz há 10 anos atrás" <- esse gerentes não conhecem a situação atual.

Para aqueles que querem apreciar uma maior abordagem visual, Henrik Kniberg recentemente postou umconjunto de mapas mentais em seu blog.

Foi interessante ver como o caminho Lean cresceu fora da cultura japonesa (ou isso é o inverso - a evidência do Lean se espalhando na cultura geral?)

Os participantes constantemente estão presentes em conferências. Se os tópicos te interessam, você poderá encontrar esses participantes em palestras sobre Lean e Agile, no Agile2009 em Chicago, em agosto.

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber menssagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber menssagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber menssagens dessa discussão

Dê sua opinião

Conteúdo educacional

Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2014 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT