BT

Partes não chegam a acordo sobre o HTML 5 Video Codec

por Abel Avram , traduzido por Victor Franzonatto em 10 Ago 2009 |

Ian Hickson, editor da especificação HTML 5, recentemente removeu os codecs necessários a partir das tags <video> e <audio> do respectivo projeto de norma citando dificuldades em chegar a um consenso entre as principais empresas envolvidas na distribuição de conteúdo de áudio e vídeo na web.

Existem dois principais padrões utilizados hoje: H.264 e Ogg Theora. H.264, ou MPEG-4, é um padrão proprietário de compressão de vídeo exigindo uma licença para uso comercial, e é considerado mais apropriado especialmente para grandes volumes. Ogg Theora é um padrão open source, mas a sua qualidade precisa de polimento e não é acompanhada por um número importante de players, de acordo com Hickson:

Apple se recusa a aplicar Ogg Theora no QuickTime por padrão (como utilizado pelo Safari), citando a falta de suporte e uma incerta visão de patente.

Opera e Mozilla são contra H.264:

Opera se recusa a implementar H.264, citando o custo obsceno pelas licenças.

Mozilla se recusa a implementar H.264, pois eles não seriam capazes de obter uma licença que cubra os seus distribuidores downstream.

O Google possui uma dupla abordagem:

O Google tem implementado H.264 e Ogg Theora no Chrome, mas não pode fornecer a licença do codec H.264 para distribuidores terceiros do Chromium, e manifestaram a convicção de que a qualidade-por-bit do Ogg Theora ainda não é adequado para o volume tratado pelo YouTube.

A Microsoft nem sequer comenta sobre a tag <video> da especificação HTML 5.

Philip Jägenstedt, desenvolvedor para a Opera Software, detalha sua posição:

Consideramos H.264 incompatível com a plataforma web aberta, devido à sua licença. Por enquanto vamos apoiar Ogg Vorbis/Theora, que é a melhor opção sensata de patente e está pário a pário com a concorrência na qualidade-por-bit (especialmente com as recentes melhorias no encoder). Gostaríamos muito de vê-lo como a base para o HTML5, mas na ausência de que espero que a comunidade web vai empurrar o suficiente para que ele se torne o padrão de fato.

Não parece existir uma solução razoável em um futuro tão próximo. Hickson vê duas opções:

  1. Ogg Theora encoders continuarem a melhorar. Hardware decoder Ogg Theora chips tornarem-se disponíveis. Google suportar o codec o bastante para que a Apple demonstre interesse e preocupação para a redução de patente. => Theora torna-se de fato o codec para a web.
  2. As demais H.264 baseline patentes detidas por empresas que não estão dispostas a licença isenta de royalties por eles expiram, o que leva a apoiar H.264 a estar disponível sem taxas de licenciamento.=> H.264 torna-se de fato o codec para a web.

Hickson considera o codec vencedor terá que satisfazer as seguintes condições:

- É implementável sem custo e distribuído por ninguém.
- Tem os chips "off-the-shelf" hardware decoder disponíveis.
- É usado amplamente e o suficiente para justificar o excesso de exposição de patente.
- Tem uma qualidade-por-bit alta o suficiente para grandes volumes.

Parece que, mais uma vez, diferentes partes não chegaram a acordo sobre uma norma comum, todos empurrando as coisas em seu próprio caminho, e uma vez mais o tempo e a realidade terá de escolher o vencedor ou os vencedores.

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber menssagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber menssagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber menssagens dessa discussão

Dê sua opinião

Conteúdo educacional

Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2013 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT