BT
x A sua opinião é importante! Por favor preencha a pesquisa do InfoQ sobre os seus hábitos de leitura!

Coaching em Agile: lidando com o desequilíbrio entre vida pessoal e profissional

por Todd Charron , traduzido por Adalberto Zanata em 22 Dez 2011 |

Viajar para outras cidades para atender clientes é algo comum no cotidiano de um Coach de Agile. Isso pode fazer com que o Coach tenha a sensação de estar trabalhando em tempo integral. É possível alcançar o equilíbrio entre a vida pessoal e a profissional nessa situação?

Ashish Mahajan levantou a questão na lista de discussão de apoio a coaching em Agile:

Trabalhar como um coach ágil requer viajar a diferentes lugares do mundo e interagir com várias pessoas, dando a impressão de ser uma atividade estimulante. Gostaria de ouvir do grupo as desvantagens de se ter um emprego nômade.

Mark Levison forneceu sua lista de desvantagens:

  • A maioria dos nossos clientes não estão localizados em uma parte agradável da cidade. Normalmente estão em subúrbios industriais.
  • Sinto falta de uma programação regular para praticar exercícios e dificilmente consigo chegar ao meu dojo a tempo.
  • Tempo passado em aviões: os aviões são pequenos e apertados.
  • Tempo longe da família: meus filhos têm quatro e sete anos.
  • Ser independente significa estar assoberbado de trabalho ou passando fome.

Apesar desses detalhes não consigo imaginar um trabalho melhor. Pessoas importantes solicitam a sua ajuda, ficam felizes em receber suas ideias/opiniões e o agradecem quando tudo termina.

Ao que Lanette Creamer adicionou:

Eu diria que o tempo que se fica longe da família é particularmente nocivo para os relacionamentos. Caso se tenha esposa ou filhos que o esperam em casa todos os dias, o trabalho de coach pode se tornar penoso. Coaches que obtiveram sucesso no longo prazo parecem ter resolvido antes essa questão com os seus companheiros, e ficado atentos a quando deveriam rever a situação.

Christopher Avery compartilhou o seu modo de lidar com a questão:

Aqui está o que resolve o problema [para mim]:
  • Não utilizo as viagens como pretexto para nada;
  • Trabalho em casa e vejo a minha família mais do que muitas pessoas que trabalham em seus escritórios;
  • Trabalho apenas naquilo em que eu tenha um grande interesse.

Isso cria o desafio de encontrar uma forma de ser remunerado por fazer coisas do meu interesse. Acredito que essa estratégia funciona, e ajuda a gerar valor e diferenciação .

Yves Hanoulle adicionou:

Sofro bastante para manter um ritmo sustentável e equilibrar os meus diferentes papéis. Uma coisa que combinei com a minha companheira há alguns anos foi fixar um dia da semana para almoçar ou jantar juntos. Isso foi diminuindo ao longo das minhas viagens e é uma pena que  já não é mais como antes.

Mark Kilby faz referência aos valores do Agile:

São aplicáveis os valores, princípios e práticas pelo Agile, especialmente o respeito e o prática de Ritmo Sustentável.

Tim Ottinger abordou a situação de forma contundente:

A vida é maravilhosa, desafiadora e difícil. Para se ter uma boa carreira prestando qualquer tipo de consultoria, é preciso viajar bastante em busca de pessoas que necessitam das suas ideias e que também permitam que você se aperfeiçoe como consultor. Não é diferente em coaching de Agile.

Mas a vida segue no seu próprio ritmo . Não se pode planejar os primeiros passos do bebê, acompanhar a primeira paixão que muda a todo instante, o primeiro acidente como motorista na adolescência ou o dia em que se recebe o primeiro carro. O porão inunda, o telhado vaza, o cachorro morre, um de seus pais já idosos sofre um derrame. Nada disso está sob o seu controle.

Negocia-se parte da sua disponibilidade com a família em troca de aprendizado, ensino e desenvolvimento da sua reputação. A família aceita porque acredita que você está se dedicando e trabalhando para sustentá-la.

Fique sabendo que você  inicialmente terá que mendigar (trabalhar em condições precárias e com baixa remuneração), mas ao se estabelecer terá opções melhores para gerenciar o seu tempo. Caso consiga se estabelecer localmente, terá uma vantagem real (veja o caso de Brandon Carlson, celebridade do grupo de usuários de Agile de Iowa). Com um “ritmo sustentável” quero dizer que uma longa noite de trabalho deixa você arrasado amanhã, mas a questão é se amanhã é o dia certo para estar arrasado. Do mesmo modo, hoje seria mesmo o dia certo para negociar o tempo reservado a sua família para estabelecer a sua reputação?

Don Gray finalizou, lembrando que:

Tudo passa a valer a pena quando um cliente diz: “Don, há dois anos vi você se juntar a uma equipe e ajudá-la a trabalhar melhor em conjunto; isso embora o seu contrato tenha sido simplesmente garantir a entrega. Não era seu papel 'consertar' a equipe, mas você terminou ajudando essa e uma outra equipe a trabalharem melhor juntas.”

Sendo um Coach de Agile, como você faz para alcançar o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal?

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Dê sua opinião

Conteúdo educacional

Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2014 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT