BT

Novos Planos da Adobe para o Flash, AIR e Flex

por Abel Avram , traduzido por Fernando Lozano em 27 Fev 2012 |

A Adobe anunciou detalhes sobre seus planos para o Flash, AIR, Flex e outros produtos relacionados. Entre as principais decisões citadas estão reorientação do Flash para jogos e vídeos premium.

O Flash vem sendo utilizado principalmente como uma plataforma de multimídia, provendo animação, vídeo e interatividade em uma grande quantidade de dispositivos. Como se sabe, o Flash é utilizado para anúncios, jogos e Aplicações Internet Ricas (RIAs). Mas o crescimento das plataformas móveis e a evolução do HTML5 levaram a Adobe a reposicionar o Flash, focando somente jogos e vídeos premium. A empresa também interrompeu o desenvolvimento do Flash para navegadores móveis.

No plano anunciado, a Adobe começa advertindo que o planejamento abrange os próximos um a dois anos e que poderá mudar com o tempo. A empresa reconhece que o crescimento do HTML5 provavelmente vai tomar uma fatia importante do mercado do Flash:

Cada vez mais, gráficos e animações ricas serão geradas diretamente pelo navegador, usando HTML5, CSS3, JavaScript e outras tecnologias web mais modernas.

Por isso, continua o documento, foi decidido reorientar o Flash para "criar jogos ricos e expressivos com qualidade de consoles, bem como prover vídeo de alta qualidade". Há um impacto direto sobre o desenvolvimento do próprio Flash: "quando priorizarmos futuros desenvolvimentos e correções de bugs, terão prioridade casos de uso relacionados com jogos e vídeo."

Com relação a jogos, a Adobe irá oferecer um programa formal para desenvolvedores da área, além de serviços de jogos e pacotes de suporte para auxiliar no uso de código e bibliotecas escritos em C e C++ nos seus jogos baseados em Flash.

Para vídeos, a Adobe pretende levar suas "tecnologias de streaming de vídeo e proteção de conteúdo para mais plataformas, nos seus formatos nativos", fornecer suporte aos provedores de conteúdo premium e colaborar com fornecedores de hardware para melhorar o desempenho.

Outras APIs do atual núcleo do runtime do Flash serão disponibilizadas no AIR, mas APIs específicas para desktop e plataformas móveis não serão o foco primário da Adobe:

Desenvolvedores necessitando de funcionalidades não fornecidas diretamente pelas APIs do Adobe AIR devem considerar incluir esta funcionalidade utilizando a API nativa de extensibilidade.

Em relação ao plug-in Flash para navegadores web, a Adobe está trabalhando em três versões para este ano: a 11.2 virá com aceleração de hardware para iOS e Android via AIR, além de suporte a maior variedade de placas de vídeo aceleradas. As outras duas versões têm codinome Cyril e Dolores, e terão aperfeiçoamentos específicos para jogos.

Depois disso, a Adobe planeja refatorar o núcleo do runtime do Flash e reescrever a máquina virtual do ActionScript, de modo a melhorar o desempenho na execução de scripts. A empresa planeja suportar o Flash e o AIR no MacOS X e está trabalhando para suportar "aplicações Adobe AIR que possam ser distribuídas na Mac App Store, atendendo as novas exigências de isolamento (sandboxing) de aplicações".

Em relação ao Windows, a empresa afirma que está "trabalhando conjuntamente com a Microsoft para finalizar detalhes sobre configurações suportadas para o Flash Player e o AIR no Windows 8", mas não especifica o que isso significa (considerando-se que a Microsoft já anunciou que o IE10 para Metro não irá suportar plug-ins e que o Windows 8 não irá suportar o Flash sobre processadores ARM).

No Linux, melhorias futuras serão feitas via o Google Chrome, que irá embutir um plug-in Flash baseado no Pepper em todos os SOs de desktop suportados pelo Google. (O suporte ao AIR 3 em Linux foi descontinuado.)

Na área de tecnologias móveis, a Adobe encoraja desenvolvedores a usar o AIR na criação de aplicações nativas para smartphones e tablets.

Já quanto ao Flex, um SDK para a construção de Aplicações Internet Ricas (RIA) rodando sobre o runtime do Flash, a Adobe pretende "continuar a fornecer uma equipe em tempo integral de engenheiros do SDK do Flex, contribuindo para o projeto Apache". (O Flex foi tornado Open Source e doado à Fundação Apache no ano passado.) A Adobe irá contribuir para a Apache os seguintes componentes:

  • O núcleo do SDK do Flex
  • Bibliotecas de automação
  • Binários para o SDK do AIR
  • Documentação e especificações
  • Componentes Spark: ViewStack, Accordion, Datefield, DataChooser, Datagrid
  • Falcon, um novo compilador ActionScript
  • Falcon JS, um protótipo de compilador JavaScript
  • Mustella, um framework de testes
  • BlazeDS, tecnologia de chamadas remotas e serviços web baseada em Java.

Não será contribuído o SDK do AIR para Linux, o LCDS nem o LCCS. E a empresa ainda está analisando se irá contribuir ou não o TLF, BlazeDS.NET, Gravity, FXG, Squiggles e OSMF.

Por fim, a Adobe irá continuar desenvolvendo o Flash Builder e Professional, mas não o Flash Catalyst.

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber menssagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber menssagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber menssagens dessa discussão

Dê sua opinião

Conteúdo educacional

Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2013 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT