BT

Programas Agile: 5 dicas de gerenciamento

por Paulo Rebelo em 20 Fev 2013 |

Johanna Rothman, articuladora respeitada na comunidade ágil e autora de livros sobre gestão, publicou recentemente o artigo "Pense pequeno: cinco dicas para um gerenciamento ágil de programas, que traz dicas sobre para a gestão de programas dentro da filosofia ágil.

Segundo Rothman, um programa é um conjunto de projetos que têm um objetivo em comum. Um programa também é composto por várias equipes, sendo cada uma responsável por um conjunto de funcionalidades específicas. Rothman fornece cinco dicas para a gestão ágil de programas:

1) Mantenha suas iterações curtas: quanto maior for a equipe envolvida em um programa, maior será a inércia. Por exemplo, se ocorrer problemas em uma iteração de três semanas, em um programa composto por cem profissionais, o custo e o desperdício serão altos. Como forma de gerenciar essa situação, recomenda-se que quanto maior for a equipe envolvida, menor seja a duração da iteração.

2) Mantenha o planejamento curto: se houver iterações curtas, não há a necessidade de tempo longo para o planejamento; é preciso apenas o suficiente para discutir as funcionalidades a serem entregues pela equipe dentro daquela iteração. É de responsabilidade do Product Owner a função de dividir as funcionalidades em partes pequenas, para facilitar o consumo das mesmas dentro das iterações.

3) Torne a arquitetura uma atividade sob demanda, trabalhando nela apenas no momento que for necessário. Cada equipe responsável por uma funcionalidade deve estar responsável por incrementalmente refinar a arquitetura, e os arquitetos precisam trabalhar dentro das equipes. Não ter o arquiteto na equipe traz grande risco para o programa, visto que as equipes não têm o tempo necessário para aguardar o arquiteto realizar o seu trabalho e elaborar uma arquitetura grandiosa antes que o desenvolvimento do código ocorra.

4) Integre continuamente o código transversalmente por todo o programa: quanto maior o tamanho do programa, mais complexo será integrar o código. Portanto, a prática ágil referente à Integração Contínua deve ser realizada desde o início do programa, quando pouco código ainda estiver escrito. Todas as equipes do programa devem fazer uso dessa prática e entrar em consenso sobre uma Definição de Pronto, que esclareça como os itens em todo o programa serão integrados.

5) Incentive as equipes a se comunicarem como uma rede e não por meio de uma hierarquia: as equipes não precisam aguardar por uma reunião diária de outras equipes para conversarem, ou até mesmo escalarem os problemas para seus gerentes. Elas devem ser "empoderadas" a se comunicar, atuando como uma rede. Como as equipes têm enfoque em determinadas funcionalidades e são multidisciplinares, possuem o necessário para entregar uma parte do programa. Portanto, não precisam de hierarquia para realizar seu trabalho.

 

Como se vê, o gerenciamento ágil de programas precisa de muita cautela, já que estamos falando de múltiplas equipes trabalhando em funcionalidades diferentes. E o risco aumenta à medida que o programa cresce, exigindo decomposição em múltiplas funcionalidades menores e com tamanhos curtos de iterações.

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Dê sua opinião

Conteúdo educacional

Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2014 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT