BT

Principais etapas para construir e gerenciar um marketplace de API efetivo

| por Mifan Careem Seguir 0 Seguidores , traduzido por Poliana Reis Seguir 2 Seguidores em 10 abr 2018. Tempo estimado de leitura: 13 minutos |

Para melhorar a experiência das pessoas que acessam o InfoQ Brasil, nós criamos uma série de funcionalidades que te permitem ficar por dentro das últimas tendências e das novidades de seu interesse, sem que você seja incomodado por coisas irrelevantes. Receba e-mails periódicos e notificações sobre seus tópicos favoritos!

Pontos Principais

  • Geralmente, um marketplace de API é constituído por vários componentes. Em um cenário típico, as APIs são primeiramente publicadas, catalogadas e exibidas através de um portal para os desenvolvedores de API.
  • O sistema de gerenciamento de APIs fornece um link para qualquer API do marketplace e permite que a API funcione de forma eficaz. Implementar com êxito um marketplace de API requer uma abordagem avançada para implementar alguns aspectos do sistema de gerenciamento de APIs como o portal dos desenvolvedores e os mecanismos de análises das APIs.
  • O primeiro item necessário é a implementação de um portal eficaz para desenvolvedores . Em um marketplacede API o portal do desenvolvedor deve fornecer uma experiência intuitiva para apoiar a comunidade de desenvolvedores, procurando atrair desenvolvedores profissionais, usuários de empresas ou desenvolvedores long-tail.
  • Além de criar um portal, as empresas também precisam incorporar incentivos que promovam a reutilização da API. Existem incentivos monetários e não financeiros para impulsionar a adoção. As ferramentas de análise desempenham um papel importante no suporte à monetização da API.
  • Ao gerenciar um marketplace de APIs, as empresas precisam manter o controle sobre quem pode publicar o que e onde, além de garantir que as APIs corretas sejam publicadas de acordo com padrões organizacionais, como padrões de URL, convenções de nomenclatura e regras de controle de acesso.

Empresas de todos os setores do mercado estão buscando maneiras de moldar seus negócios digitais, estendendo seus serviços através de APIs externas. Para obter os benefícios de uma API, no entanto, as organizações precisam avançar além do gerenciamento básico da API para a criação de um marketplace de API efetivo, ou seja, criar um modelo especial de plataforma que se concentre na conexão de produtores e consumidores da mesma. À medida em que mais empresas analisam as plataformas empresariais para obter vantagens competitivas, o marketplace de APIs traz os benefícios do modelo de negócios de plataforma para o gerenciamento das APIs.

Como tal, um marketplace de APIs normalmente aborda não apenas o portal do desenvolvedor e aspectos de tecnologia de gerenciamento de API, como também aspectos empresariais e humanos para garantir que as APIs alcancem o que eles pretendem, em primeiro lugar: promover o consumo e uso de suas APIs. Nas próximas seções, exploraremos com mais detalhes as considerações tecnológicas e de negócios importantes em um ecossistema de API e discutiremos as principais etapas para criar e gerenciar um marketplace de API efetivo.

Âncoras do gerenciamento de marketplace de APIs

Geralmente, um marketplace de API é composto por vários componentes. Em um cenário típico, as APIs são primeiramente publicadas, e estas são catalogadas e exibidas através de um portal para desenvolvedores. Isso encoraja os consumidores das APIs a acessar o portal do desenvolvedor, direta ou indiretamente (por meio de APIs do sistema, por exemplo) para encontrá-las, descobri-las e explorá-las. O portal do desenvolvedor exibe diferentes tipos de APIs, agrupadas por divisão, categoria, tipo etc. Com APIs específicas, os usuários podem testar e subscrever-se. A Figura 1 ilustra como os componentes de um marketplace de API se interagem.

O sistema de gerenciamento de API fornece um link para qualquer API do mercado e permite que a API funcione de forma eficaz. Geralmente o sistema de gerenciamento de API é composto por cinco componentes principais:

  • O gateway de API funciona como uma API em tempo de execução, servindo como porta única de entrada e sendo responsável também pela limitação de taxas e pelas políticas de segurança.
  • A segurança da API pode ser fornecida pelo gateway ou através de uma solução integrada de gerenciamento de identidade e acesso (IAM).
  • O portal do desenvolvedor da API atua como um catálogo e fornece um local centralizado para os desenvolvedores encontrarem, assinarem e testarem as APIs.
  • O portal de publicação de API oferece a capacidade de projetar APIs a partir de serviços de backend.
  • A análise da API oferece um snapshot do uso da API e dos dados do feed para a monetização da API.

Para que a implementação de um marketplace de APIs seja bem sucedido é necessário haver uma abordagem mais avançada através da implementação de alguns aspectos do sistema de gerenciamento de API, mais notavelmente sobre as análises métricas das APIs e o portal do desenvolvedor. Ao mesmo tempo, as práticas organizacionais também tem um papel importante no estabelecimento de um marketplace altamente funcional. Abaixo, examinamos os cinco elementos essenciais para a construção de uma comunidade robusta para promover o uso de APIs para criação de aplicações que visam impulsionar mais pessoas para o negócio, aumentar os fluxos de receita e aumentar a fidelização.

Figura 1: Componentes-chave de um marketplace de APIs

Portal do desenvolvedor de APIs

O primeiro item é a implementação de um portal eficaz para os desenvolvedores de APIs. Em um marketplace de APIs, o portal do desenvolvedor deve oferecer uma experiência intuitiva para apoiar a comunidade de desenvolvimento, para que a empresa possa atrair desenvolvedores profissionais, usuários de empresas ou desenvolvedores long-tail. Os desenvolvedores long-tail referidos aqui são desenvolvedores que não são parte imediata dos clientes corporativos ou parceiros do fornecedor da API; e sim o conjunto de desenvolvedores independentes (que podem ser parte de organizações maiores e, portanto, clientes potenciais) que buscam a documentação da API para criar aplicações em torno da API.

O provedor da API pode optar por hospedar a documentação e todos os recursos em uma página que necessite autenticação ou optar por ser mais transparente ao público geral. Esses consumidores podem vir direta ou indiretamente para o portal do desenvolvedor (por exemplo, através da comunicação ponto a ponto) para encontrar, descobrir e explorar as APIs. O portal do desenvolvedor deve exibir diferentes tipos de APIs, agrupadas por divisão, categoria, tipo, etc. Os usuários podem então testar e assinar APIs específicas.

Um bom exemplo é um de nossos clientes, um grande provedor de serviços de telecomunicações, que criou um ecossistema de criação de serviços orientados a API, que promove a criação rápida e fácil de serviços digitais, over-the-top (OTT) que são executados na plataforma de comunicação móvel da empresa. Os portais específicos para desenvolvedores e não desenvolvedores oferecem experiências intuitivas para que os usuários revejam os termos e condições, se inscrevam e comecem a se envolver com os serviços de telecom em poucos minutos.

Os serviços criados para a plataforma por desenvolvedores profissionais e "comunitários" são publicados na loja de aplicativos da empresa de telecomunicações. A abordagem do portal adaptado permitiu que a empresa oferecesse aplicações de uma ampla gama de desenvolvedores, desde empresas iniciantes até grandes empresas, agências governamentais e não governamentais, pequenos negócios e varejo, escolas, igrejas e instituições de caridade. Somente nos primeiros 18 meses, mais de 2.500 criadores de aplicações publicaram mais 3300 serviços com base nas APIs desta empresa de telecomunicações.

Em um ambiente de gerenciamento de API típico, os proprietários da organização publicam um conjunto de APIs, que são então consumidas pelos desenvolvedores de aplicações. No entanto, para tornar este conceito verdadeiramente sustentável, o desenvolvedor precisa ter uma opinião da forma e do tipo de APIs publicadas. Isso pode variar de uma solicitação para adicionar um campo em uma API até uma solicitação para minimizar o número de APIs diferentes para atender às restrições e requisitos de um determinado dispositivo.

A maneira mais simples de conseguir isso é fornecer fóruns e sistemas de emissão de tickets que acompanhem solicitações de recursos e facilitem as comunicações entre os consumidores e produtores de APIs. Uma abordagem mais orientada para o futuro é onde o próprio portal do desenvolvedor da API oferece uma plataforma de sandbox de autoatendimento para os consumidores combinarem as APIs e criarem suas próprias APIs privadas. Por final, a empresa pode optar por oferecer uma plataforma perfeita para que os consumidores criem suas próprias APIs privadas que atendam aos requisitos exclusivos da aplicação, mantendo as APIs oficiais publicadas pelo provedor,

Incentivos para promover a reutilização

Além de criar um portal, as empresas também precisam incorporar incentivos no marketplace que promovam a reutilização da API. Existem incentivos monetários e não financeiros para impulsionar a adoção. Dentro das organizações, os incentivos geralmente não têm um valor monetário. Por exemplo, as empresas podem manter uma tabela de classificação que destaca os principais editores e desenvolvedores de APIs. As empresas também podem acompanhar quais APIs têm o maior número de assinantes e exibi-las em painéis no portal do desenvolvedor. Workshops e hackathons que permitem aos desenvolvedores aprender e aplicar habilidades também podem servir como incentivos.

Ao procurar fornecer incentivos para partes externas, as organizações mais frequentemente aplicam alguma forma de incentivo financeiro. Por exemplo, o provedor de serviços de telecomunicações discutido anteriormente permite que os usuários criem aplicações rapidamente usando modelos pré-definidos e, em seguida, os permite compartilhar a receita gerada com as aplicações que publicaram na loja de aplicativos da empresa. O modelo de compartilhamento de receita para cada serviço é de 70% para o criador do serviço e 30% para a empresa. Isso levou o negócio a perceber um crescimento de 20% no mês em relação às receitas derivadas dos aplicativos criados usando suas APIs.

Monetizando APIs

As APIs estão rapidamente se tornando produtos vendidos ou disponibilizados para desenvolvedores, gerando receitas em várias unidades de negócios ou organizações de terceiros que as consomem. Portanto, os marketplaces de APIs exigem mecanismos de monetização direta ou indireta das APIs.

Com a monetização indireta, as empresas reconhecem que o uso mais amplo de APIs traz mais clientes e transações para seus principais negócios, além de estender o seu ecossistema. Um ótimo exemplo é StubHub, um dos principais vendedores de ingressos para eventos. O objetivo do seu sistema de API é permitir que o ecossistema de empresas de viagens, hotéis e outros no setor de hospedagem ofereçam os ingressos para seus clientes. Sempre que um cliente do hotel usa o StubHub API no site do hotel, o StubHub ganha dinheiro.

Enquanto isso, existem dois tipos de monetização direta que as organizações podem querer empregar. Através da monetização interna direta, um departamento costuma pagar outro pelo o uso de API específicas. Como os fundos são alocados internamente pela contabilidade corporativa, não há nenhuma taxa de cartão de crédito ou transferência bancária. Em um cenário externo de monetização direta, uma empresa vende um serviço, onde os clientes são empresas externas cujas soluções são aprimoradas através do uso das APIs. Por exemplo, o Twilio vende APIs que permitem que o Uber ofereça mensagens de texto e chamadas de telefone dentro do aplicativo móvel da Uber.

A utilização de ferramentas para a realização de inteligência analítica desempenha um papel importante na monetização, ajudando as empresas a entender como o programa está desempenhando, quais APIs estão em uso e o quão bem o portal do desenvolvedor interage e gerencia os parceiros. Através do uso de analytics, as empresas podem obter informações sobre em que momento os consumidores da API estão atingindo os limites de seus contratos e utilizar as informações para promover esses usuários para planos superiores.

As organizações que implementam modelos diretos de monetização da API precisam rastrear o uso da API em um nível mais incremental se o objetivo for cobrar por utilização, além de precisarem também lidar com o faturamento. Além disso, a monetização externa direta requer a integração de um mecanismo de cobrança e, provavelmente, um gateway de pagamento que cumpra o padrão de segurança de dados da indústria de pagamentos (PCI DSS - Payment Card Industry Data Security Standard). As soluções baseadas em nuvem já possuem cobrança compatível com PCI, livrando a organização da necessidade de se preocupar com conformidade ou certificações. Portanto, mesmo que a maior parte da implantação do gerenciamento de API esteja na empresa, a parte de cobrança provavelmente será terceirizada para um serviço em nuvem.

Governança abrangente

Ao gerenciar um marketplace de APIs, as empresas precisam manter o controle sobre quem pode publicar o que e onde, além de garantir que as APIs corretas sejam publicadas de acordo com padrões organizacionais, como padrões de URL, convenções de nomenclatura e regras de controle de acesso. Para este fim, elas precisam garantir a inclusão de um modelo de governança abrangente que ajude a cumprir os requisitos estratégicos e de conformidade.

As APIs podem ser gerenciadas de forma centralizada através da publicação em um portal do desenvolvedor. No entanto, para evitar a sofisticação da criatividade, as empresas podem querer considerar uma estratégia de governança de baixo para cima em vez de uma abordagem de cima para baixo. Por exemplo, a empresa pode optar por um modelo descentralizado de publicação de API, dando autonomia de design e publicação de APIs para cada unidade de negócios.

Embora o principal objetivo seja aplicar estrutura ao gerenciamento de APIs, uma abordagem de baixo para cima atende este requisito ao permitir que cada unidade de negócios da empresa gerencie de forma independente suas respectivas APIs, incluindo atualizações ou aprimoramentos de design para essas APIs publicadas. Quebrar esta tarefa permite que cada filial da empresa seja criativa na forma como os membros da equipe criam e expõem suas APIs, assegurando o gerenciamento eficiente delas.

API Analytics

Conforme já discutido, o analytics desempenha um papel importante no suporte à monetização da API. Mais amplamente, a análise da API oferece às empresas informações atualizadas sobre problemas com desempenho, disponibilidade e possíveis problemas de segurança, bem como análises ao longo do tempo para apoiar a tomada de decisões. Normalmente, as organizações que implementam um marketplace de APIs dependerão de uma combinação de recursos de análise, que podem ser fornecidos como uma plataforma completa ou como produtos individuais, dependendo de seus requisitos específicos.

As empresas geralmente são mais familiarizadas com a análise de um conjunto de dados, que pode ser incorporada para identificar as tendências de longo prazo nas APIs que foram publicadas ao longo do tempo. Algumas dessas tendências incluem chamadas defeituosas, tempo de latência, uso por localização geográfica, inscrições ao longo do tempo, solicitações aceleradas, alertas de resposta anormais e alertas de disponibilidade da API.

No entanto, é importante incorporar softwares de análise, que tipicamente incorporam tecnologia de processamento de eventos complexos para obter informações em tempo real sobre uso, desempenho e outras métricas chave. As opções de código aberto incluem os motores Esper e Siddhi CEP juntamente com os projetos de análise do Apache Storm e Apache Spark. Significativamente, as análises preditivas através da aprendizagem por máquina podem ser aplicadas a uma combinação de dados em tempo real e históricos (lote) para identificar questões como potenciais fraudes, limites da taxa de assinantes, limites de capacidade iminente ou outros fatores, a fim de tomar apropriadas ações de forma antecipada.

Finalmente, os painéis de dados permitem que empresas e usuários de TI visualizem as tendências tanto da transmissão como da análise por lotes de forma significativa para obter informações sobre os dados disponíveis. Através do uso de painéis, as empresas podem rastrear um conjunto de tendências comuns e, em seguida, especificar alertas diferentes conforme necessário. Por exemplo, as empresas podem querer acompanhar o uso geral da API por aplicativo, os principais usuários que fazem a maioria das chamadas da API e o caminho do recurso utilizado por uma API .

As organizações também podem querer utilizar um painel para monitorar o número de invocações da API com defeito. Por exemplo, em uma invocação defeituosa, a mensagem é mediada através da seqüência de falhas e, por padrão, o sistema de gerenciamento de API irá considerar esta invocação como defeituosa quando o serviço de backend não estiver disponível. Outros painéis de amostra incluem tempo de latência da API, usos da API com localizações geográficas, inscrições de desenvolvedores ao longo do tempo e alertas anormais de tempo de resposta.

Tal como acontece com qualquer negócio, o sucesso depende da contribuição e da participação de todas as partes interessadas para um mercado de API funcional. Ao incorporar estas tecnologias e estratégias discutidas, as empresas estarão bem posicionadas para desenvolver suas iniciativas de gerenciamento de APIs e criar marketplaces de APIs que impulsionam a expansão, promovam novas oportunidades de negócios e criem novos fluxos de receita.

About the Author

Mifan Careem é diretor sênior de arquitetura de soluções da WSO2. Ele trabalha próximo aos clientes lidando com as equipes de engenharia e vendas da WSO2, analisando e definindo arquiteturas de soluções específicas de acordo com os requisitos dos clientes.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Dê sua opinião

Faça seu login para melhorar sua experiência com o InfoQ e ter acesso a funcionalidades exclusivas


Esqueci minha senha

Follow

Siga seus tópicos e editores favoritos

Acompanhe e seja notificados sobre as mais importantes novidades do mundo do desenvolvimento de software.

Like

Mais interação, mais personalização

Crie seu próprio feed de novidades escolhendo os tópicos e pessoas que você gostaria de acompanhar.

Notifications

Fique por dentro das novidades!

Configure as notificações e acompanhe as novidades relacionada a tópicos, conteúdos e pessoas de seu interesse

BT