BT

Início Artigos Métodos ágeis e utilização de dados são as tendências para desenvolvimento de produto em 2020

Métodos ágeis e utilização de dados são as tendências para desenvolvimento de produto em 2020

Favoritos

Pontos Principais

  • Apesar da maioria das empresas declarar interesse em utilizar dados para a tomada de decisão, poucas ainda conseguem fazê-lo com sucesso. A tendência é que as empresas diminuam esta lacuna em 2020 com mais investimentos na criação de uma cultura de dados.
  • A partir da cultura de dados, é fundamental fazer o acompanhamento de pelo menos cinco métricas básicas relacionadas a produto: aquisição, ativação, retenção, receita e referência.
  • O desenvolvimento de produto é sobre pessoas. Nenhuma empresa desenvolve produtos; ela desenvolve pessoas para que possam desenvolver produtos. Desta forma, o foco no time é fundamental e vencer os gargalos de comunicação deve ser uma prioridade.
  • Uma tendência do uso de métodos ágeis em 2020 é a crescente adoção ao Kanban, trabalhando o processo evolucionário do produto e permitindo aperfeiçoar a comunicação, a visualização das tarefas, as prioridades e a melhoria contínua.

A crescente velocidade no desenvolvimento de produtos exige dos profissionais da área a dedicação de seus esforços em três eixos fundamentais: estratégia de produto, priorização de produto e comunicação. Para 2020, a atividade traz duas tendências em destaque. A primeira delas, apesar de não ser uma novidade, será intensificada: a adoção de métodos ágeis. O uso de dados para tomada de decisões relacionadas ao produto é a segunda tendência para o ano.

Abordagem ágil para mais eficiência

À medida que os times precisam buscar cada vez mais eficiência no seu trabalho, os métodos ágeis se mostram como a melhor forma de conseguir trabalhar a comunicação, a visualização das tarefas, as prioridades e a melhoria contínua. Dentre os métodos, o uso de Kanban como um processo evolucionário do produto - em alternativa ao SCRUM, com características mais revolucionárias - é o principal deles.

O Kanban tem sido bastante adotado por novos times, justamente por oferecer todos os princípios mencionados no manifesto Agile, incluindo o fato de ser incremental, graças ao WIP Limit (Limite de Trabalho em Andamento). Em um momento onde times de desenvolvimento atuam em novas funcionalidades, bugs, experimentações e débitos técnicos, o Kanban traz uma forma de trabalho mais cadenciada, dando liberdade para que indivíduos de um time possam iniciar tarefas a qualquer momento, desde que haja capacidade disponível para isso.

Assim, o processo evolucionário não impõe nenhuma definição rígida de função, como também flexibiliza a necessidade de iterações formais. Em outras palavras, a flexibilidade da função torna o Kanban cada vez mais atraente para times de produto e inovação.

Uso de dados para tomar decisões de produto

O que se vê hoje é um hiato entre a vontade de usar dados para tomada de decisões e de fato fazê-lo. Uma pesquisa da Forrester mostrou que embora 74% das empresas busquem se tornar orientadas a dados (data-driven), apenas 29% avaliam que conseguem fazer isso de forma efetiva. Nesse ambiente onde duas de cada três empresas não sabem tomar decisões a partir de dados, existe bastante espaço para mudança.

Os investimentos para criar uma cultura de dados estão se tornando prioridade para as companhias que já perceberam que isso é fundamental para descobrir o que é mais importante para seus clientes, além de trazer mais eficácia para sua estratégia de produto.

Nessa perspectiva, os times de produto que pretendem usar dados para a tomada de decisões devem ficar de olho em pelo menos cinco métricas principais:

 

  1. Aquisição

Essa métrica mostra como os clientes estão chegando até seu produto, de onde vêm, por quais canais. Ajuda a aperfeiçoar o produto para conseguir mais clientes a um custo menor.

 

  1. Ativação

Essa métrica mostra a qualidade da primeira experiência do usuário ou cliente com o produto. É uma métrica de análise recorrente, sendo fundamental para trazer melhorias buscando acelerar o processo de engajamento no produto ou serviço.

 

  1. Retenção

Quantos clientes estão usando o produto de forma recorrente? Se não estão usando, qual a razão? É muito mais barato reter os clientes do que trazer novos para seu produto ou serviço, por isso ter dados sobre retenção é muito importante na hora de tomar decisões em relação ao desenvolvimento do produto. A melhor forma da empresa crescer, de uma forma enxuta e estratégica, é dar atenção para os usuários para não perdê-los.

 

  1. Receita

Como posso aumentar a receita? Essa pergunta é muito simples, mas poucas empresas se dedicam a se debruçar sobre essa métrica. As duas principais formas para aumentar receita exigem um monitoramento constante dos dados. A primeira delas é aumentando o CLV (Valor do Tempo de Vida do Cliente), pois à medida que o usuário usa seu produto ou serviço por mais tempo, mais aporte financeiro está realizando. A segunda é reduzindo o CAC (Custo de Aquisição do Cliente), ou seja, tornar mais barato trazer um novo cliente para sua empresa e aumentar o ROI (Retorno do Investimento).

 

  1. Referência/referenciação

Outra métrica muito importante para o crescimento do produto é sobre o quanto os clientes/usuários estão indicando e defendendo sua marca para outras pessoas. Gerar dados sobre o quanto seu produto é referenciado ajuda a visualizar o crescimento orgânico que acontece a partir da recomendação dos clientes.

Desenvolvimento de produto é sobre pessoas

Por fim, vale ressaltar que nenhuma empresa desenvolve produtos, mas sim, desenvolve pessoas para que estas possam desenvolver produtos. Para além das tendências, esta é uma disciplina que deve se preocupar primeiro com o desenvolvimento e a motivação de talentos. Para tanto, a comunicação efetiva é primordial.

Assim, a comunicação se mostra como o principal desafio, mais evidente em times que trabalham cada vez mais remotos. Uma comunicação eficiente trata não apenas do que será desenvolvido, mas sim do processo como um todo, riscos envolvidos, hipóteses que se deseja validar. Sobretudo, a comunicação no time deve tratar do porquê algo está sendo feito.

Sobre o Autor

 Bernard De Luna é Gerente de Produtos Sênior da Liferay Cloud Inc, possui mais de 19 anos de experiência com produtos digitais em grandes empresas e startups, certificado pela Kanban University, e nos últimos anos realizou centenas de palestras e mentorias em aceleradoras sobre Gestão de Produto, Integração e Construção de Times, e Inovação.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

BT

Seu cadastro no InfoQ está atualizado? Poderia rever suas informações?

Nota: se você alterar seu email, receberá uma mensagem de confirmação

Nome da empresa:
Cargo/papel na empresa:
Tamanho da empresa:
País:
Estado:
Você vai receber um email para validação do novo endereço. Esta janela pop-up fechará em instantes.