BT

Pareamento como forma de aprendizado

| por Ben Linders Seguir 20 Seguidores , traduzido por Andrea Mussap Seguir 6 Seguidores em 12 mar 2018. Tempo estimado de leitura: 8 minutos |

O pareamento pode ser usado para aprender novos tópicos que podem ser utilizados no local de trabalho para mostrar as suas conquistas e desta forma celebrar o sucesso juntos. Os parceiros de aprendizagem podem encorajar um ao outro a fazer coisas ousadas, a que se comprometam a fazer juntos, e assim dar um empurrãozinho um ao outro para que aconteça.

Toyer Mamoojee, líder técnico de QA, e Elisabeth Hocke, testadora ágil sênior, falaram sobre encontrar um parceiro de aprendizagem na comunidade de testes durante a Conferência Européia de Testes 2018. Esta conferência foi realizada entre os dias 19 e 20 de fevereiro em Amsterdã, Holanda:

O teste é importante. Esta conferência é sobre reunir especialistas e profissionais para conversar, aprender, e praticar a arte de testar. Estamos buscando novos métodos avançados para tornar nossos testes mais efetivos, além de enriquecer nossa compreensão de métodos fundamentais para que a comunidade cresça mais forte.

O InfoQ entrevistou Mamoojee e Hocke sobre como eles usaram o pareamento para aprender, e que lições tiraram disso.

InfoQ: O que fez vocês decidirem parear para aprender?

Toyer Mamoojee: O trato que a Lisi e eu fizemos no Agile Testing days, em 2016. Uma vez que fizemos um pacto para apresentar na conferência nos anos seguintes, decidimos que deveríamos manter uma conexão mais próxima. Foi aí que organizamos sessões regulares para compartilhar informações sobre aspectos de testes. Isso abriu muitas portas para conversas que nunca sequer pensamos. Então, continuamos evoluindo e aprendendo a medida que seguíamos em frente.

Elisabeth Hocke: O Agile Testing Days de 2016 teve um Keynote de abertura maravilhoso, da Abby Fichtner, "Pushing the Edge on What's Possible" (Indo ao limite até onde for possível). Ela citou Eleanor Roosevelt aconselhando que "Todos os dias faça uma coisa que te assusta". A apresentação realmente inspirou as pessoas a pensarem e falarem sobre seus medos. Toyer e eu nos encontramos no dia seguinte durante o almoço e fizemos o mesmo - compartilhando nossos medos. E adivinhe: falar em público estava entre os nossos principais medos. De repente, Toyer me propôs um acordo: se ele submetesse uma apresentação para a conferência do próximo ano, eu também teria que fazê-lo; e se eu o fizesse, ele também deveria fazê-lo. Numa situação normal, eu nunca teria concordado com esse tipo de pacto. Mas, nesse caso, eu me senti tão inspirada que decidi arriscar e aceitar o acordo. Isso nos levou longe, e ficamos entusiasmados em contar nossa história na Conferência Européia de Testes este ano, com a esperança de inspirar os outros a parear para aprender também!

InfoQ: Quais tópicos escolheram para aprender, e por quê?

Hocke: Nosso principal tópico foi o nosso pacto, é claro: retornar ao Agile Testing Days, mas desta vez para falar. Então, uma das primeiras coisas que aprendemos juntos foi como elaborar uma boa proposta de apresentação para enviar. Isso incluiu encontrar os tópicos que gostaríamos de falar, criar um resumo cativante para vender o tópico para o comitê do programa, bem como mais tarde na conferência para os participantes, conseguir que várias pessoas revisassem nossos trabalhos, e depois revisá-los de acordo com os comentários de feedback. As lições que aprendemos só nesta parte da nossa jornada de oradores foram inestimáveis.

Quando finalmente apresentamos nossas primeiras propostas, foi a hora de celebrar! E, novamente, quando soubemos que, de fato, ambos foram selecionados para conversas individuais. Agora, tínhamos mais coisas para aprender juntos: criar bons slides, como contar nossas histórias no palco, o que esclarecer com os organizadores, como superar o medo do palco, e muito mais. Mas, além de falar em público, descobrimos que compartilhamos vários outros tópicos também, onde podemos aprender um com o outro.

Mamoojee: Um grande tópico tangível que vem à mente, que eu poderia usar no meu local de trabalho, foi usar mapas mentais para elaborar cenários / casos de teste. Isso provou ser um enorme sucesso no meu local de trabalho e eu pude realmente mostrar o benefício que o pareamento trouxe para mim e para a minha equipe. Anteriormente, nós usávamos ferramentas de gerenciamento de teste, ou o Excel para documentar casos de teste, mas no ambiente Ágil queríamos algo mais rápido para ajudar na entrega. A Lisi sugeriu os mapas mentais que eles usaram com sucesso no projeto dela. Foi só por causa desse conselho de um parceiro de aprendizagem que eu pude implementar algo tão único no meu local de trabalho. Alguns outros tópicos incluíram mentorar testadores júnior, substituição de férias, desafios de promoção, Mob Programming, estimativas T-Shirt Size, e envolvimento da comunidade.

InfoQ: Que dicas daria para quem quer parear remotamente para aprender?

Mamoojee: O mundo é seu quintal, então deixe seu aprendizado florescer sob esta declaração também. Há uma infinidade de ferramentas e recursos incríveis disponíveis para as pessoas hoje em dia, não tirar proveito desses recursos seria uma pena. Então, meu conselho seria encontrar esse parceiro de aprendizado, independentemente de onde ele esteja, e simplesmente compartilhar informações com regularidade de preferência através de um bate-papo ou reunião com vídeo. Quando você encontrar essa combinação perfeita de um parceiro de aprendizagem, vocês se encontrarão inspirando um ao outro em seus objetivos, independentemente de esses objetivos serem iguais ou diferentes. Durante as primeiras sessões de pareamento, tomem notas e tenham em mente as áreas onde vocês gostariam de aprender um com o outro, e também aspectos que vocês gostariam de compartilhar. Essa mentalidade de "dar e receber" faz com que o relacionamento valha a pena.

Hocke: Às vezes, a distância geográfica é usada apenas como uma desculpa para não ter esse tipo de parcerias de aprendizagem. Mas, não estar no mesmo local pode ser um benefício. Por exemplo, vivendo em dois continentes diferentes, dificilmente você vai pensar no outro como um concorrente, o que torna realmente seguro ajudar um ao outro a crescer. Ainda assim, esse tipo de parceria é muito mais pessoal do que pedir ajuda na internet de forma geral, como em fóruns, no Twitter, ou mesmo em um dos times Slack. Conhecemos o contexto de trabalho um do outro, nosso histórico pessoal. Isso nos une. e não tem preço.

InfoQ: Quais benefícios conseguiram ao aprender juntos?

Hocke: Descobrimos que a nossa parceria de aprendizagem nos trouxe muitos benefícios. Uma das principais vantagens que sinto é que vemos um ao outro como um tipo de "amigos de responsabilidade". A gente encoraja um ao outro a fazer coisas ousadas, a comprometer-se a fazer algo até nossa próxima chamada. Algo do tipo, escrever uma postagem no blog sobre as experiências com nossas equipes da semana passada. Por exemplo, isso me fez escrever sobre a primeira sessão de Mobbing da nossa equipe. Mesmo que não tenhamos certeza de que vamos conseguir, podemos dar um empurrãozinho suave no outro para que isso aconteça. Você fica com o outro em mente, esperando sua postagem no blog! E você não quer decepcionar seu amigo de responsabilidade, certo? Isso faz maravilhas e encontramos um bom equilíbrio entre incentivar e empurrar, mas não empurrar demais.

Outro benefício inestimável para mim foi que, juntos, fizemos nossas realizações realmente visíveis para nós mesmos e pudemos celebrá-las juntos. Antes disso, muitas vezes eu sentia que isso era se gabar, não me deixando me orgulhar. Ao ver nossas conquistas claramente, e parabenizar um ao outro por isso, aprendi a reconhecê-los para mim.

Mamoojee: Para mim, o principal benefício foi o outro fornecendo conselhos objetivos (a Lisi agora entende a minha situação de trabalho desde número de testadores, ferramentas que usamos, e os processos que seguimos) para empurrar um ao outro para alcançar objetivos de curto, médio e longo prazo; nós alcançamos todos. Nós também obtivemos acesso às redes de amigos um do outro, pessoas a quem nunca teríamos acesso, dessa forma vivenciamos a frase "o mundo é um lugar pequeno". Aproveitamos essa rede estendida e criamos novas conexões em todo o mundo.

InfoQ: O que aprenderam sobre aprender juntos?

Mamoojee: Eu sou muito grato à Lisi por empurrar minha carreira para uma nova dimensão. Havia certas coisas que eu sempre quis fazer na minha carreira, mas sempre tive aquela dúvida em mente. Quando eu começei a parear, aprendi que não estava sozinho com esses medos e que ambos podíamos enfrentar nossos medos juntos. Motivação, inspiração, e direcionamento são o que nós dois obtivemos durante esta aprendizagem. Nós provavelmente sempre tivemos isso em nós, mas a outra pessoa era necessária para botar isso para fora e permitir que compartilhasse-mos com o mundo. Eu também aprendi muito sobre mim mesmo do meu estilo de aprendizagem, meus pontos fortes (e fracos) e como responder ao feedback. Uma coisa enorme que eu aprendi foi "como seu ambiente ou tudo o que você faz no seu trabalho diário" pode ser uma história inspiradora que alguém mais gostaria de fazer essa mudança em seu ambiente. Portanto, não tenha medo de compartilhar, compartilhar e compartilhar!

Hocke: Eu tenho que admitir que eu era um aprendiz solo antes disso, e ainda posso ser em alguns aspectos. Curiosamente, era a mesma coisa com a forma como contribuía no trabalho. Eu sempre amei o trabalho em equipe, mas fazia as "minhas tarefas" sozinha. O ano passado mostrou-me de muitas maneiras quanto mais eu posso aprender ao aprender junto com os outros. A parceria de aprendizagem com o Toyer me fez conseguir coisas que eu nunca pensei serem possíveis, e começar com o Mob e pareamento no trabalho me fez perceber o quão inestimável o aprendizado conjunto pode ser. Isso inclusive me empurrou para a minha parte do nosso novo pacto para este ano: fazer uma turnê de testes, visitar outros testadores e fazer testes práticos juntos para ajudar uns aos outros a crescer. Estou ansiosa com o que poderei compartilhar depois disso! E a melhor coisa: eu sei que o Toyer me apoiará para me manter na pista; E eu também o apoiarei em seus esforços.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Dê sua opinião

Faça seu login para melhorar sua experiência com o InfoQ e ter acesso a funcionalidades exclusivas


Esqueci minha senha

Follow

Siga seus tópicos e editores favoritos

Acompanhe e seja notificados sobre as mais importantes novidades do mundo do desenvolvimento de software.

Like

Mais interação, mais personalização

Crie seu próprio feed de novidades escolhendo os tópicos e pessoas que você gostaria de acompanhar.

Notifications

Fique por dentro das novidades!

Configure as notificações e acompanhe as novidades relacionada a tópicos, conteúdos e pessoas de seu interesse

BT