BT

Início Notícias Katherine Kirk sobre como lidar com o trabalho em uma equipe infernal

Katherine Kirk sobre como lidar com o trabalho em uma equipe infernal

Favoritos

Problemas nas equipes pode realmente fazer você sentir como "estar no inferno", de acordo com Katherine Kirk, co-fundadora do movimento de colaboração inclusiva. Em sua palestra Como navegar fora do inferno na conferência Aginext.io, ela descreve o trabalho-infernal como um sentimento de confinamento dentro de um círculo infinito de infelicidade, sentindo-se fora de controle, e não sendo capaz de influenciar nosso próprio destino por algum tempo.

A partir de seus estudos em antigas práticas filosóficas orientais, ela aconselha equipes e indivíduos a: deliberadamente procurar e ver a situação como um todo, gerenciar ativamente sua própria resposta a situações estressantes, manter sua própria integridade e padrões éticos, e diligentemente dar pequenos passos ao invés de tentar abordar todos os aspectos da situação de uma só vez.

A conferência da Aginext acontece em Londres, de 21 a 22 de março, e foca no futuro das transformações ágeis, enxutas, CI/CD, e DevOps.

O InfoQ conversou com Kirk sobre sua palestra e as ideias práticas que ela apresentará para lidar com a disfunção em equipes.

InfoQ: Por que algumas situações no escritório parecem ser o inferno?

Katherine Kirk: O inferno é quando você se sente confinado dentro de um ciclo infinito de infelicidade

  • Dificuldade não é necessariamente o inferno. Em geral, os seres humanos não se importam com situações que são difíceis, desde que acreditemos que estamos capacitados a fazer algo a respeito para torná-lo melhor, ou podemos ver que, eventualmente, podemos obtê-lo da maneira que gostaríamos que as coisas fossem.
  • A razão pela qual algumas situações parecem um inferno e outras não é principalmente sobre se nos sentimos presos indefinidamente ou não.

Há, na verdade, um padrão de como o inferno surge - o que geralmente é útil para entender se você está tentando sair dessa situação. Aqui está um trecho do livro que estou escrevendo que explica um pouco:

  • Considere que a natureza do negócio é que tudo o que está dentro dele (por exemplo, projetos, produtos, e programas) acabará se degradando, causando disfunção, e expirando. Assim como os seres humanos envelhecem, adoecem e morrem, é a natureza do nosso universo (confira os conceitos científicos de entropia e a flecha do tempo).
  • Fundamentalmente, seres humanos não gostam de perder o controle disso. Às vezes, queremos que as coisas "durem para sempre" ou "permaneçam como estão" por mais tempo do que elas.
  • Em vista disso, os seres humanos são especialistas em trabalhar arduamente para evitar a degradação, a disfunção e a expiração, para que consigam o que querem. Até aprendemos a transformar isso em uma vantagem. Se um produto expirar, nós criamos um novo, se um projeto degrada nós o transformamos, se somos uma disfunção de situação, nós inovamos. Essa é a base do sucesso da humanidade.
  • Assim, com projetos, produtos e programas, podemos resistir à entropia e com frequência obtemos sucesso. Ficamos satisfeitos com nós mesmos, nossas equipes, nossas divisões e nossa empresa - por um tempo.
  • Mas, eventualmente, a degradação, a disfunção, e a expiração começam a incomodar-nos novamente. Porque essa é a natureza dos negócios. E a entropia parece estar "ganhando". Considere que projeto, programa, ou produto não irá eventualmente degradar, causar disfunção e expirar? Não queremos que isso aconteça, então ficamos chateados.
  • Exemplos de entropia que nos incomodam são coisas como querer que o lucro aumente como estávamos acostumados mas num contexto de negócios que mudou. Querer que um produto que já teve seu tempo durasse apenas mais um ano; ou, que um projeto que já foi bem-sucedido continue a ser produtivo mesmo quando os principais indivíduos e demandas do cliente mudaram.
  • Se não há nada que possamos fazer para evitar o que não queremos que aconteça ou é muito mais difícil do que imaginamos fazer com que nossos desejos se tornem realidade, então nossa reação humana de desapontamento, ansiedade e frustração aumenta.
  • Durante esse processo, começamos a descontar uns nos outros com comportamentos como culpa, vergonha, hierarquia, regras e manipulação. Tudo porque estamos tentando impedir o que não gostamos: a degradação, a disfunção e a expiração.
  • Isso ainda não necessariamente criará um inferno de trabalho se eventualmente sentirmos que podemos mudar a situação em algo que preferimos, mas que se torna um inferno quando parece que não pode ser mudado - não importa o que façamos ... e esse ciclo continua muito além da nossa capacidade de lidar.
  • É quando nos sentimos intensamente estressados, fatigados e arrogantes - e, com o passar do tempo, isso transforma situações no escritório que poderiam ter sido apenas difíceis em um inferno horrível.

InfoQ: Quais são alguns exemplos de situações que causam os comportamentos que colocam as pessoas nesse espaço infernal?

Kirk: Situações de trabalho-infernal são criadas quando se põe as pessoas na mesma dificuldade (não importa o que você faça) durante períodos prolongados de tempo, tais como:

  • Constantemente empurrando além da capacidade e aptidão - criando stress e exaustão.
  • Prevenindo continuamente os indivíduos de serem capacitados para influenciar e participar - criando a sensação de estar preso.
  • Pântano político persistente - criando a sensação de ser manipulado.
  • Sempre forçando a mesmice - criando facções, fronteiras e monoculturas exclusivas e rígidas.

InfoQ: Além de simplesmente desistir e encontrar outro emprego, quais são algumas maneiras pelas quais as pessoas podem lidar e mudar a situação em que se encontram?

Kirk: Eu encontrei cinco maneiras que nunca me falham (ou, pelo que eu vi, nem a equipes, divisões, empresas e líderes) - especialmente quando você as faz todas juntas ao mesmo tempo:

  • Desenvolva continuamente sua compreensão contextual - o quadro maior ajuda a criar uma ação muito mais eficaz.
  • Utilize sua reação para determinar o resultado - dificuldade "judô" - você pode não ser capaz de mudar o que está sendo feito para você, mas certamente pode mudar sua reação.
  • Crie um sentido de dificuldade através de ciclos de aprendizagem - use situações difíceis para construir um nível mais profundo de sabedoria sobre si mesmo, os outros e as alternativas ao seu redor - isso o levará a tomar decisões mais sábias.
  • Perseverança diligente e perspicaz - pequenos passos por um longo período preservarão sua preciosa energia e durarão mais tempo.
  • Mantendo a ética e os princípios - não torne a situação pior do que tem que ser; não deixe que os outros o façam se comportar de forma que se arrependa.

InfoQ: De onde você tirou sua inspiração para essas ideias?

Kirk:

  • Mais de 10 anos de adaptação e aplicação de antigos padrões filosóficos orientais em maneiras de reduzir a dificuldade e aumentar a eficácia nos negócios e na tecnologia.
  • Especializando-se em transformar cenários 'infernais' em quase toda a minha carreira.
  • Sendo uma estudante da dificuldade, não uma vítima dela.

 

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

BT

Seu cadastro no InfoQ está atualizado? Poderia rever suas informações?

Nota: se você alterar seu email, receberá uma mensagem de confirmação

Nome da empresa:
Cargo/papel na empresa:
Tamanho da empresa:
País:
Estado:
Você vai receber um email para validação do novo endereço. Esta janela pop-up fechará em instantes.