BT

Início Artigos Codefirst: O futuro do UI design

NOVIDADE: QCon.ai - Inteligência Aritificial aplicada para profissionais do desenvolvimento. De 15 a 17 de Abril de 2019 em São Francisco. Saiba mais!

Codefirst: O futuro do UI design

Favoritos

Pontos Principais

  • O Design Thinking está no cerne dos aplicativos e sites móveis altamente responsivos, e isso transformará os artistas do produto em estrategistas do produto;
  • Imagens grandes e design de fontes continuarão a dominar UI e UX;
  • O aumento da IoT em todos os setores irá acelerar o crescimento de VUIs (Voice User Interface), as interfaces de usuário baseadas em voz;
  • AR e VR aumentaram a demanda por designers 3D;
  • IA e dados vão mudar e direcionar o futuro do design das interfaces.

O design de interface do usuário (UI) tem desempenhado um papel crítico na computação por décadas. O conceito de design de interface do usuário apareceu pela primeira vez quando os sistemas operacionais (SO) com interface gráfica do usuário, como Macintosh e Microsoft, entraram no mercado.

No início, as UIs assumiram a forma de ícones digitais associados a arquivos ou programas que abriam sempre que o usuário clicava duas vezes. Nesse cenário, essas imagens simples eram skeumórficas e usadas para comunicar a funcionalidade (de uma maneira facilmente reconhecível e memorável).

O que é UI design?

Hoje, a interface do usuário é descrita como tudo o que é projetado em um dispositivo inteligente, no qual os usuários podem interagir perfeitamente com a tecnologia. A UI pode assumir a forma de desktops, telas de exibição e teclados. Também é um termo que representa a maneira pela qual o usuário interage com um aplicativo ou site.

Com o crescimento exponencial dos aplicativos móveis e web e a proliferação de dispositivos móveis inteligentes, a interface do usuário agora desempenha um papel vital no aprimoramento geral da experiência do usuário (UX). O design da interface do usuário também pode funcionar como um diferenciador chave que ajuda as marcas a se manterem competitivas.

Desde seus primórdios como ícones e imagens independentes de linguagem, o UI design evoluiu para incorporar conceitos como menus, janelas e ponteiros, o que facilitou muito a navegação pelo sistema operacional. Hoje, as mesmas ideias nos ajudam a navegar por smartphones e tablets.

Nos últimos anos, UI e UX design se entrelaçaram intimamente e exercem forte influência um sobre o outro. Por exemplo, tanto UI quanto UX tiveram um impacto considerável no design thinking em equipes de desenvolvimento de produto que criam aplicativos e websites móveis altamente responsivos.

Esse cenário transformou o papel do designer de artista do produto para o estrategista do produto.

Qual é o estado atual do UI design?

Se olhar para o seu laptop, tablet ou celular, perceberá que a última moda percorrendo a indústria é o flat design. O flat design foi uma partida dramática do skeumorfismo onipresente da Apple para um estilo que celebrava o minimalismo (focado em áreas planas de cor e linhas claras).

Essa tendência se orgulhava de uma interface do usuário que aproveitava a simplicidade, superfícies planas, bordas mais limpas e gráficos discretos. A tendência do flat design evidencia uma mudança dentro da indústria para fazer os designs escalarem em muitos formatos diferentes.

Os sites, por outro lado, incorporaram formas poligonais, camadas geométricas simples e linhas arrojadas que chamam a atenção do público.

O design tátil (tactile design) também cresceu em popularidade nos últimos meses. Essa tendência de design faz com que os objetos pareçam hiper-reais. Além dessas tendências atuais, há muitos exemplos de sites sem bordas, sem camadas múltiplas, com animação intencional e imagens grandes.

No futuro, será possível, sem dúvidas, podemos esperar que o nível seja elevado nos mundos web e de aplicativos para garantir que a UI e a UX funcionam perfeitamente juntas para melhorar as interações do usuário.

Então, qual é o futuro do UI design? Vamos dar uma olhada.

Imagens grandes e design de fontes estão aqui para ficar

Pelo menos a curto prazo, sites e aplicativos com imagens grandes e design de fontes serão fortalecidos. Quando se trata de imagens grandes, em particular, a popularidade dessa abordagem de design pode ser atribuída à necessidade de atrair rapidamente a atenção do público usando imagens indutoras de emoção enquanto se sobrepõe informações essenciais (o site mobile do BuzzFeed é um excelente exemplo disso).

Ao mesmo tempo, muitos designs baseados em tipografia mais simplistas geralmente desempenham o papel de elemento primário na UI. Esses designs baseados em tipografia devem ser mais populares entre os sites e aplicativos baseados em conteúdo que se esforçam para chamar a atenção para o conteúdo e não para o design.

No entanto, nenhuma dessas abordagens é tão simples quanto adicionar uma imagem de alta resolução ou textos grandes. Essas decisões precisam ser feitas encontrando-se o equilíbrio certo entre os dados da pesquisa e a estética do design.

Podemos esperar por muitas imagens e textos grandes nos próximos meses, mas não espere que esses elementos de design sejam estáticos. À medida que os codecs de vídeo melhoram, podemos esperar ver mais vídeos substituindo imagens estáticas em planos de fundo e cabeçalhos.

A ascensão da interface do usuário baseada em voz (VUI) e acessibilidade

Siri e Alexa prepararam o palco para o que está por vir! De agora em diante, podemos esperar que todos os aplicativos móveis e websites permitam o uso de VUI para aumentar o engajamento.

Em muitos casos, é muito mais fácil fazer uma pergunta do que pegar o dispositivo e clicar nele até encontrar a resposta certa. Como resultado, as experiências sem tela devem crescer exponencialmente, levando os aplicativos a serem mais integrados às nossas vidas e fazer parte do que estamos fazendo (seja cozinhando, limpando ou dirigindo).

A ascensão da Internet das Coisas (IoT) ajuda a tornar as VUIs onipresentes. De acordo com o Gartner, os assistentes pessoais virtuais (como Alexa e Siri) irão dominar até 20% das interações com usuário até 2019. No ano seguinte, também podemos esperar que 30% das sessões online não apresentem uma tela enquanto assistentes virtuais comunicam a informação necessária.

Pode parecer um pouco estranho quando falamos de design sem a presença de uma tela. No entanto, se abordarmos as UIs em termos de funcionalidade e UX, o processo de pensamento aqui será mais ou menos o mesmo. No entanto, isso não significa o fim das interfaces gráficas.

Realidade Aumentada (AR) e Realidade Virtual (VR) irão aumentar a procura por habilidades de design 3D

As tecnologias de AR e VR estão passando por um período de aceleração rápida. Ambas levaram ao crescimento exponencial da demanda por habilidades de design 3D. Atualmente, AR e VR (e até mesmo XR - uma mistura dos dois) estão sendo adotadas em vários setores, de viagens a manufatura, mas o impacto mais significativo ocorre no design e modelagem industrial.

A AR e VR em design e modelagem industrial significa que tudo, do design de carros, navios, aviões e máquinas de ressonância magnética, seja impulsionado pelo UI/UX design. No entanto, em breve, devemos esperar uma escassez de designers capazes de modelar e construir mundos 3D.

Os seres humanos deveriam desempenhar algum papel na indústria nos próximos anos, porque há uma necessidade de ser altamente criativo, pensar fora da caixa e desenvolver novas realidades para projetos comerciais. Também é destacada a importância do "design thinking", que ainda é uma característica muito humana.

IoT vai exigir UI designers para repensar sua abordagem

Um por um, tudo em nosso mundo físico está se tornando digital e inteligente. Até agora, a IoT tem sido limitada por uma interface digital "encaixotada" para conectar o mundo físico e digital. No entanto, como a IoT se torna rapidamente a norma, isso está lentamente começando a mudar.

As interfaces IoT não são as mesmas que outros dispositivos inteligentes, como o seu celular. Essa tecnologia cria um conjunto de novos paradigmas para os designers contemplarem e reimaginarem. Por exemplo, os UI/UX designers começaram a conceituar o que ainda precisamos considerar.

IoT no design da interface do usuário significa que os designers farão perguntas como:

  • Como esses sensores invisíveis otimizam a funcionalidade e a experiência do usuário?
  • Como o dispositivo inteligente deve ser projetado?
  • Como o usuário espera interagir com ele?

Essas perguntas são apenas uma ponta do iceberg. Com a grande quantidade de perguntas dos designers, as respostas que encontram levam a "coisas" inteligentes altamente personalizadas, ao mesmo tempo se obscurecem as linhas entre o mundo físico e o mundo digital.

A Inteligência Artificial (IA) vai mudar o UI design

Desde que a IA começou a dar passos significativos, houve muitos murmúrios em vários setores sobre como isso iria substituir os seres humanos. Enquanto a maioria das notícias se concentra em trabalhos de fábrica e funções administrativas como entrada de dados, a IA também está prestes a mudar o mundo do design .

A IA vai mudar UI e UX significativamente quando se trata de Design de Interação e Design Visual. Logo, muitas interfaces não serão projetadas por humanos. Em vez disso, o design é feito pelo próprio software.

Duas ideias principais que impulsionam essa mudança: Perfeição do Design de Interação e Design Responsivo à Personalidade.

A perfeição do design de interação

A perfeição do design de interação se concentra em não "reinventar a roda" a cada nova iteração de projeto. Por exemplo, não há necessidade real de alterar o date picker a cada atualização.

Websites e aplicativos existem há muitos anos e nosso crescente conhecimento sobre testes de usuários cresceu exponencialmente. Então agora podemos reduzi-lo ao que é melhor para uma variedade de casos de uso. Portanto, a menos que haja uma significativa mudança de paradigma no conteúdo do usuário ou na natureza da interface, não haverá necessidade de alterá-lo.

À medida que a IA se torna mais inteligente, as interfaces de aplicativos são geradas rapidamente para otimizar a interação do usuário, mas já não são projetadas por humanos. O design de interação tem tudo a ver com componentes e gráficos interativos armazenados em bibliotecas UI/UX dentro do sistema e aproveitados pela IA sempre que pode otimizar experiências individuais.

A perfeição do design de interação sugere que a abordagem de IA para o design de interface do usuário deve se concentrar no paradigma de interação em tempo real e se esforçar para não entregar grandes designs, mas o design certo, na maioria das vezes.

Design Responsivo à Personalidade

O design moderno e as estratégias digitais têm tudo a ver com personalização, e espera-se que a IA leve isso para o próximo nível com IAs fluidas. Por exemplo, com base no comportamento do usuário, as camadas da interface de qualquer produto digital podem renderizar novamente em tempo real para acomodar as preferências exclusivas do usuário.

O design responsivo à personalidade muda a forma como planejamos e desenvolvemos aplicativos, softwares e sites, porque não se concentra no que o usuário pode querer ou precisar, mas sim no tipo de relação que uma marca deseja desenvolver com seu público-alvo.

Dados vão impulsionar o futuro do UI/UX design

Com a entrada da IA dentro do espaço de UI/UX design, é seguro dizer que o design agora é orientado pelos dados. Assim, a percepção do design como uma forma de arte precisa se transformar em algo mais científico, como o material design do Google.

Os designers já estão trabalhando como cientistas de dados, executando experimentos controlados para coletar dados para determinar a melhor abordagem para apresentar informações. E também aproveitam dados para identificar a melhor maneira de ajudar os usuários a navegar por uma variedade de interações nos aplicativos.

Hoje, temos analistas de dados e estrategistas digitais analisando websites e aplicativos para medir o sucesso e identificar oportunidades. Nos próximos anos, esse aspecto do design de interface também será automatizado, e toda a pesquisa e implementação serão executadas pela IA.

Com dados e IA prestes a desempenhar um papel significativo no UI/UX design, o que o futuro reserva aos designers? Embora seja difícil fazer previsões confiáveis, podemos dar um palpite.

Se observarmos a evolução do UI design, fica bastante claro que esse campo muda continuamente, então os designers precisavam ser altamente adaptáveis ​​para atender às demandas da empresa e dos usuários. Podemos esperar mais do mesmo nos próximos anos e talvez o surgimento de designers que também são programadores.

Embora títulos como "UI designer" e "UX designer" (ou Designer de Interação) não mudem tão cedo, seus papéis devem evoluir para se tornar altamente fragmentados e especializados. E dados no design significam que eles se tornam mais adaptáveis ​​e versáteis para pesquisar, testar, codificar e adaptar wireframes e MVPs.

Os designers também devem se tornar mais detalhistas para diferenciar produtos digitais e ficar um passo à frente da concorrência. Os dados no design também levam aos dados desempenharem um papel proeminente na maneira como a interface se adapta ao comportamento do usuário, quão bem pode antecipar as necessidades do usuário e com que rapidez pode ser entregue.

Os designers orientados ao detalhe nesse espaço também devem começar a fornecer continuamente aprimoramentos de produtos em um nível micro com base em dados de aplicativos e tendências gerais do mercado. O mesmo acontece quando se trata de interfaces AR, VR e VUI.

À medida que a IA se concentra em projetos de design tático, alguém precisa projetar os sistemas de IA e seus modelos de personalidade. Projetar para esses tipos de personalidade pode levar os designers ao caminho da programação.

Com todas essas tecnologias acionadas por IoT e IA desempenhando um papel de rápido crescimento em nossas rotinas, os UI/UX designers devem abordar interfaces com segurança na vanguarda de suas mentes.

Como você vê o design de interfaces nos próximos cinco anos? Compartilhe seus pensamentos na seção de comentários.

Sobre o Autor

Graham Church é especialista em desenvolvimento de software com mais de 25 anos de experiência em projetos de software para clientes como Pfizer, Sony Ericsson, Prudential, ABB e Lycos. É diretor administrativo da CodeFirst, uma empresa britânica de desenvolvimento de software especializada na criação de soluções personalizadas para empresas em todo o mundo.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

BT

Seu cadastro no InfoQ está atualizado? Poderia rever suas informações?

Nota: se você alterar seu email, receberá uma mensagem de confirmação

Nome da empresa:
Cargo/papel na empresa:
Tamanho da empresa:
País:
Estado:
Você vai receber um email para validação do novo endereço. Esta janela pop-up fechará em instantes.