BT

Entrevista com Warley Noleto - Desenvolvimento com Interfaces Ricas

Postado por Alberto Barcelos em 04 Jun 2009 |

Engenharia AbertaA XIII Semana de Engenharia Elétrica e da Computação, aconteceu nos dias 18 à 22 de maio no auditório da Faculdade de Educação e na Escola de Engenharia Elétrica e de Computação (EEEC) da UFG. Alberto Barcelos, um dos editores da InfoQ Brasil, esteve lá para cobrir o evento e entrevistou Warley Noleto, sobre desenvolvimento com interfaces ricas. Warley foi palestrante do minicurso “Desenvolvimento com interfaces ricas” na semana de engenharia da Universidade Federal de Goiás.

InfoQ Brasil: Qual a comparação de Flex a outras tecnologias como SilverLight?

Warley Noleto: Dentre as tecnologias voltadas a interface rica creio que as mais atuantes são GXT (baseada em javascript e java), SilverLight e Flex. Eu nunca fui muito fã de soluções baseadas em javascript para esse tipo de desenvolvimento porque javascript é de certa forma dependente de browsers o que exige um esforço maior no desenvolvimento de aplicações multibrowser. Flex é uma solução que roda na plataforma Flash que já está no mercado a cerca de 10 anos (estima-se que 99% dos computadores pessoais possuem flash player instalado). É possível aproveitar a experiência de designers que trabalham com Flash no desenvolvimento em FLEX, não se prende a uma só tecnologia de back-end (pode-se utilizar FLEX como front-end de uma aplicação feita em JAVA, em PHP, em .NET ou qualquer outra tecnologia que disponibilize serviços baseados em HTTP). Já o Silverlight é a proposta da Microsoft nessa área. Ainda não está tão difundida quanto o Flash mas a Microsoft está investindo pesado e creio que vai crescer bastante. Existe também o JavaFX para brigar por esse mercado. Não trabalhei com essa tecnologia ainda e o que comenta-se é que demorou muito para ser lançada. Ainda tem que provar seu valor.

InfoQ Brasil: O uso de aplicações ricas com Flex ainda está muito preso nas intranets ou você acredita em uma expansão ainda maior nos anos seguintes?

Warley Noleto: Não pensando nessa classificação entre intranet ou internet, mas considerando a utilização em sistemas corporativos eu imagino um crescimento muito bom. A tendência é de aplicações com interfaces cada vez mais trabalhadas e mais dinâmicas. Aplicações feitas em Flex têm uma desvantagem comparado com o tradicional HTML. Grosso modo, uma aplicação Flex é um único arquivo SWF que é carregado no computador do usuário para ser executado. Dependendo do tamanho da aplicação ou da rede pode ser ruim (imagine o acesso a uma aplicação ERP em uma conexão de 600k compartilhada), mas nada que não possa ser resolvido com a modularização da aplicação,ou seja, separar a aplicação em vários módulos que podem são carregados sob demanda. Em se tratando de web pages ou sites institucionais, acredito bastante na integração entre Flash e Flex.

InfoQ Brasil: Você acredita que a comunidade do Flex já está madura dentro de arquiteturas propostas pelos frameworks estruturais como Mate e CairnGorm?

Warley Noleto: Mate eu não conheço, mas CairGorm é uma espécie de framework MVC. Seu objetivo é promover a separação de conceitos. Diferentes de outras tecnologias, o FLEX já promove isso. Já que seu foco é na interface com o usuário, deixando a parte de regras de negócio para as aplicações backend. Talvez por isso a utilização desses frameworks ainda seja vista com preconceito. Mas eu acho uma boa idéia a utilização desses frameworks para encapsular os acessos ao backend. Atualmente eu utilizo o CairnGorm com Spring ActionScript e não tenho do que reclamar.

InfoQ Brasil: A conexão com um backend em Java pode ser relativamente fácil com o uso de tecnologias open source disponibilizadas pela Adobe como o BlazeDS em contrapartida a solução proprietária oferecida pela mesma empresa com o LCDS (LiveCycle Data Service). Você acredita que o BlazeDS é uma tecnologia madura para ser usada em grandes projetos?

Warley Noleto: BlazeDS contempla apenas alguns dos recursos disponibilizados pelo LCDS, mas para acessos ao servidor através de RemoteObject, WebService ou HttpService o desempenho do BlazeDS é tão bom quanto. O LCDS leva vantagens em outras funcionalidades que ele disponibiliza, como PUSH, Messagins, sincronização de acessos, e outros.

InfoQ Brasil: Em relação a criação de uma nova interface para sistemas legados. Qual a solução que o Flex propõe para conectar-se a serviços REST? 

Warley Noleto: REST pode ser entendido como uma máquina de estados virtual entre recursos HTTP disponíveis. É possível trabalhar com serviços REST com a utilização do objeto HTTPService do flex. Com ele é possível acessar qualquer serviço http disponibilizado pelas aplicações legadas.

InfoQ Brasil: Quais suas recomendações para uma empresa que decide criar uma RIA. O Flex seria sua primeira recomendação? Quais os passos iniciais para uma adoção de sucesso na empresa?

Warley Noleto: A primeira coisa ao se começar a trabalhar com RIA é ter alguém criativo na equipe. Do contrário o resultado não vai ser nada além de um conjunto de formulários em Flash simulando os tradicionais formulários HTML. RIA é oferecer uma experiência nova ao usuário. Saber aproveitar recursos multimídia (audio, video, 3D, até mesmo webcam), drag & drop, reconhecimento de voz e outros, mas não para simplesmente impressioná-lo e sim para facilitar sua vida. Flex seria minha recomendação porque assim daria para tirar proveito do conhecimento de designers em Flash e aproveitar o conhecimento da equipe na tecnologia legada já utilizada na empresa.

Sobre os autores

Warley NoletoWarley Noleto é graduado em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Goiás com especialização em Gestão de Software pela Uni-Anhanguera. Trabalha com Java desde 2003 e também com tecnologia .NET desde 2007. Atuando, de 2005 até hoje, como desenvolvedor na Politec Global IT Services. Antes disso, trabalhou com desenvolvimento de mídias interativas de treinamento utilizando Flash e Director. Também um entusiasta da área de animações gráficas com Flash, Blender e outros. Atua também como instrutor de minicursos e treinamentos na plataforma JAVA.

Alberto BarcelosAlberto Barcelos atualmente trabalha no "Grupo de Pesquisa Aplicada à Internet e Sistemas Distribuídos" da Universidade Federal de Goiás. Atualmente trabalha no grupo LBS(Location Based Services) desenvolvendo uma aplicação de rastreamento veicular usando como backend um servidor em Grails e frontend uma RIA em Flex. Já trabalhou em vários projetos ágeis e ajudou a implantar a metodologia em outros. Trabalhou em algumas empresas de desenvolvimento de Goiás dentre elas LG e Fibonacci Soluções Ágeis. Cursando o curso de Engenharia de computação vêm ao mesmo tempo construindo sua própria empresa.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Dê sua opinião
Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
Marketing
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2016 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT

We notice you’re using an ad blocker

We understand why you use ad blockers. However to keep InfoQ free we need your support. InfoQ will not provide your data to third parties without individual opt-in consent. We only work with advertisers relevant to our readers. Please consider whitelisting us.