BT
x Por favor preencha a pesquisa do InfoQ !

MuleSoft no Brasil: integração, tendências e planos para o país

Postado por Leonardo Galvão em 03 Dez 2013 |

A MuleSoft, uma das principais empresas voltadas à integração de sistemas, com forte tradição open source, está aportando no Brasil. Isso significa novas contratações no país e acesso mais fácil por aqui às tecnologias criadas pela empresa. O lançamento oficial da MuleSoft Brasil acontece em 5 de dezembro (esta quinta feira), em um evento em São Paulo que conta com a presença do fundador Ross Mason e vários outros líderes e engenheiros.

Entrevistamos Edgar Silva, primeiro funcionário da MuleSoft brasileira e responsável pelo estabelecimento e crescimento da empresa no Brasil. Edgar é engenheiro de software por formação e nos fala não só da empresa e o mercado, mas também sobre conceitos de integração de sistemas e tendências tecnológicas na área de ESBs, serviços e APIs.

O que é a Mulesoft, quais são os principais projetos e produtos da empresa?

A MuleSoft é a empresa por trás de vários projetos open source focados em Integração/SOA e APIs. O mais famoso deles é o MuleESB, um dos primeiros softwares de Enterprise Service Bus do mercado. A empresa também investe no padrão RAML (http://raml.org/) usado para especificação, desenho e implementação de APIs baseadas em REST. O objetivo do RAML é apoiar a criação de um mundo de APIs conectadas, permitindo a interação de sites, empresas, comércio eletrônico e até máquinas da chamada "Internet das Coisas".

Para clientes corporativos, a MuleSoft oferece o suporte de produtos via assinaturas. A empresa também disponibiliza seus produtos de forma Community/Open Source. Nesse caso, o suporte vem da comunidade de desenvolvedores que já soma mais de 150 mil mundialmente.

Fale-nos um pouco mais sobre integração e ESBs...

Integração é a peça chave no mundo conectado. Muitas empresas têm a necessidade de fazer um sistema conversar com outro ou com vários. É aí que surge a necessidade de usar um barramento de serviços e orquestração (ESB ou Enterprise Service Bus). O ESB funciona essencialmente como mediador. Imagine um serviço em um site de compras, que mostra o catálogo de produtos mas que precisa se integrar com o meio de pagamentos rodando num mainframe ou web service. É um exemplo de de necessidade comum hoje. Além da mediação, um ESB oferece serviços como transformação de dados, envio e roteamento de mensagens e várias outras funções.

Outro fator determinante para evolução deste tipo de tecnologia é o consumo de serviços externos através de APIs, que vem chamando atenção do mercado. Existem empresas hoje que fazem mais negócios com suas APIs que com seus sites originais. É uma tendência apontada pela Gartner, Forrester e outros institutos de pesquisa. E com a explosão do mobile e da Internet das Coisas, as demandas por APIs, colaboração e agilidade nunca foram tão grandes.

Poderia citar alguns exemplos de APIs que podem ajudar alavancar negócios?

Claro. APIs para Dados Abertos, e-commerce, serviços de pagamento e de viagens, entre outros. Estas são sérias candidatas a terem parte do seus negócios, criados usando modelos baseados em REST/URIs e implementações que podem ser camadas sobre sistemas que já existem e funcionam.

O que fez a MuleSoft aportar no Brasil?

O Brasil respira open source, inovação e desafios! Então a MuleSoft tinha que estar estabelecida aqui. Temos certeza de que o Brasil em muito pouco tempo terá representatividade marcante para a empresa e para o mercado de integração como um todo.

Qual o seu papel na MuleSoft Brasil e os planos para a empresa no país?

Sou o primeiro funcionário no Brasil e fui contratado para ser o responsável em trazer a operação para o país. Desde o início de dezembro já temos escritório em São Paulo, e o primeiro grupo de funcionários deve estar todo contratado até o final do ano. Está em nossos planos ir muito em breve para Brasília; também haverá atendimento ao Rio, BH, Porto Alegre, Salvador, Recife e outras capitais, através de parceiros locais.

A demanda por soluções de integração passou por certa estagnação no início nos anos 2000, mas agora está voltando com toda a força. O que você acha que explica isso?

Em 2000 vivíamos o início das aplicações na web de forma efetiva, as primeiras ASPs (Application Services Providers), que evoluíram e hoje são chamadas de SaaS. Como exemplos temos a SalesForce.com se tornou uma empresa gigante, e nem precisamos comentar do Google, Amazon Web Services e outras.

Nessa linha, as integrações deixaram de ser apenas ponto a ponto, indo muito além de (por exemplo) receber arquivos XML via Web Service ou FTP, transformar esses arquivos, publicar num CICS e gravar num banco de dados. Apesar de esses cenários ainda existirem, torna-se cada vez mais importante conectar o mundo externo (a nuvem) com o interno (às vezes chamado "on-premises software"). As empresas estão buscando uma visão global de seus consumidores e clientes, e continuam na busca de fornecer maior agilidade e de integrar seus sistemas antigos ou legados com soluções novas.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Interessante by Mauricio Magnani Jr

O Edgar é uma pessoa bem inteligente e um profissional já reconhecido.

Estou curioso para ver o futuro da Mulesoft.

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

1 Dê sua opinião
Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
Marketing
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2016 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT

Percebemos que você está utilizando um bloqueador de propagandas

Nós entendemos porquê utilizar um bloqueador de propagandas. No entanto, nós precisamos da sua ajuda para manter o InfoQ gratuito. O InfoQ não compartilhará seus dados com nenhum terceiro sem que você autorize. Procuramos trabalhar com anúncios de empresas e produtos que sejam relevantes para nossos leitores. Por favor, considere adicionar o InfoQ como uma exceção no seu bloqueador de propagandas.