BT

Início Artigos Reaprendendo a aprender

Reaprendendo a aprender

Favoritos

Pontos Principais

  • Somente a leitura e a compreensão não são suficientes, é preciso se lembrar do que se está lendo;
  • Faça uma leitura ativa - na qual o cérebro participa elaborando o conceito e tornando-o seu;
  • Reduza a velocidade, faça notas criativas e saiba que, enquanto a releitura não funciona, o questionamento sim;
  • Reflita sempre sobre o que acabou de ler e aplique-o ao seu contexto imaginário ou real;
  • Assuma o controle de sua fila de aprendizagem e de seu armazenamento off-line (como marcadores, Evernote e wikis).

"Ele se esquece mais do que aprende?" Esse sou eu. Tenho sido um desenvolvedor há mais de três décadas e tenho esquecido um pouco. Mas, aqui está o ponto: "Sei - isto é, me lembro - tanto quanto um Millenial ou alguém da geração X? Minha base de conhecimento é realmente comparável?" Competindo com essas gerações mais jovens, mais inteligentes, que são preparadas para a tecnologia, fiz muitas coisas bem. O que provavelmente fiz melhor é aprender continuamente. Mas preciso fazer isso melhor ainda. Preciso parar de esquecer tanto o conhecimento antigo quanto o novo.

E aqui estão mais auto-dúvidas: o modelo Dreyfus de aquisição de habilidades diz que existem cinco níveis: novato, iniciante avançado, competente, proficiente e especialista. A maioria dos desenvolvedores permanece no estágio iniciante avançado na maior parte de sua carreira. Realizei o suficiente na minha carreira para pensar que sou, pelo menos, competente. Mas o que preciso fazer para chegar ao proficiente e especialista? Para um olhar detalhado sobre os níveis de habilidade do programador, leia "7 Ranks de Coderhood: Coder, Programador, Cientista de Computadores, Desenvolvedor, Engenheiro, Arquiteto".

Tenho usado aproximadamente a mesma abordagem para aprender durante a maior parte da minha carreira, mas agora que tenho alguns anos de idade na casa dos sessenta e a competição em breve incluirá a geração Z, estive fazendo um olhar crítico à minha estratégia de aprendizado. Para esse fim, li uma meia dúzia de livros e um monte de publicações de blog e artigos sobre aprendizagem. Este artigo detalha minha estratégia revitalizada para aprender.

Classifiquei minha estratégia de aprendizagem reformada em três áreas:

  • Gerenciamento de fila;
  • Leitura e audição ativa;
  • Catálogo.

Gerenciamento de Fila

Até recentemente, minha fila era uma pilha de livros na minha mesa de escritório, uma lista em expansão no meu Kindle e uma massa de publicações de blogs apressadamente marcadas. Estava usando o bom e antigo método LIFO (last-in-first-out - último a entrar, primeiro a sair) para tirar coisas da fila. Precisava, e talvez você também precise, gerenciar ativamente essa fila. Por favor, não visualize a fila como alguém na fila do Detran. Ao invés disso, visualize como um segurança musculoso de um desses clubes de festa exclusivos. Artigos, publicações de blog e livros permanecem na fila à medida que ele passa seus olhos e pula alguns poucos primeiros e então escolhe um que pareça intrigante. Então, para limpar a fila, ele aponta para alguns dos chatos ali e diz "Vocês, vença-os". Essa fila, depois de tudo, representa o seu conhecimento futuro, e nada menos do que uma pessoa do tipo agente de serviço secreto deve gerenciá-lo.

Livros

Para os livros, cortei minha pilha para, em média, três livros diferentes. Deixaria esses três livros na minha mesa (ou na pasta raiz do Kindle) e colocaria os outros na prateleira. Seu dispositivo de leitura favorito, sem dúvida, tem alguma facilidade de gerenciamento de pastas (no Kindle é chamado de coleções). Então, coloque suas bibliotecas de referência em coleções nomeadas e coloque alguns livros atuais na raiz. Gosto de ter três livros diferentes, como: um sobre Ruby, um sobre JavaScript e outro sobre um tema inspirador como O Programador Apaixonado. Quando tenho um momento para ler, escolho o que atrai minhas atuais energias mentais.

Publicações de blog e artigos

Na verdade, agora coloco menos ênfase nos livros. Por causa do meu estilo de aprendizagem pré-Internet, por uma década ou duas, praticamente ignorei coisas de blog e de artigos na web. Sim, claro, usei a proverbial IDE do Google para soluções instantâneas, mas obtive o conhecimento mais novo dos livros. Isso foi incongruente quando se considera que fui pago para escrever dezenas de artigos técnicos da web e comecei meu próprio blog em 2007. Acordei e senti o aroma do café quando percebi que:

  1. As tecnologias em que trabalhava avançavam tão rápido que os livros não tinham informações atuais;
  2. Costumava usar uma tecnologia muito especializada para garantir um livro;
  3. Meus colegas de trabalho da geração Millenial estavam aprendendo mais em menos tempo com as publicações de blogs.

Mas quais publicações de blog devo ler? Como elas devem ser examinadas? Minha solução era se inscrever em uma variedade de newsletters de e-mail que, semanalmente ou mensalmente, listavam artigos e recomendações de publicações em blogs. Também comecei a prestar atenção, ou de certa forma, passei a aceitar recomendações de outros desenvolvedores em meus vários canais Slack. Também usei sites como dev.to e medium.com que têm classificação de artigos de uma infinidade de leitores.

Por algum tempo estava deixando as listas de links de artigos no meu compartimento de e-mail. Faria a estratégia LIFO para alguns artigos, em seguida, excluiria o email quando os emails subsequentes da mesma fonte fossem empilhados. Mas então um colega me atentou para o getpocket.com. O Getpocket (e as alternativas como instapaper.com e flipboard.com) permite que adicione rapidamente um artigo ou um vídeo do Youtube ao seu próprio índice privado.

Quando recebo uma lista de e-mail, visito cada link do artigo, cuja descrição me chama a atenção e, se um olhar de 20 segundos sugere que valha a pena ler, coloco no Getpocket. E, dentro de alguns minutos, posso apagar o e-mail. Agora, quando estou em intervalo de treinos na academia ou entre tarefas no trabalho - e quero ir sentar no balcão e ler, vou para o Getpocket no meu iPhone, Kindle Fire ou iPad e leio um post ou assisto a um vídeo. Quando termino de ler um artigo, faço o gerenciamento de filas e o removo.

Ritos de leitura

Sou um leitor de livros. Quando era adolescente, durante o verão, lia tudo, uma história por dia. Quando comecei minha carreira em tecnologia, consumia livros técnicos nesse mesmo estilo de leitura voraz, de capa a capa. Uma das minhas regras era ler pelo menos 100 páginas na primeira vez que abria um livro técnico. Não abriria um livro até que estivesse pronto para me focar nele. Mas estava fazendo isso errado - por 35 anos. Sim. Aprendi muito, mas não retive nada próximo do que deveria ter retido.

Como ler sobre tecnologia

Se já trabalhou com uma daquelas pessoas que parecia ter memória fotográfica? E leu os mesmos livros que eles leram, mas eles foram os únicos que, durante as sessões conjuntas, emitiam técnicas desses livros. Seja como for, essas pessoas eram mais inteligentes e talvez tivessem essa coisa de memória fotográfica. Desculpe por dizer-lhe isso, mas a memória fotográfica é em grande parte um mito. O que esses cérebro-maníacos fazem de forma diferente é simplesmente algo chamado de leitura ativa (ou escuta ativa, no caso de aprendizado em sala de aula ou seminário). Eu, por outro lado, estava lendo errado. Estive trabalhando em livros e, apesar de, em sua maior parte, estar entendendo o que estava lendo, estava esquecendo demais.

Leitura e audição ativa

A seguinte lista resume minha estratégia revitalizada para ler ou ouvir:

  • Antes de começar, considere o que deseja aprender;
  • Visualize por meio da associação o que está aprendendo enquanto lê ou escuta;
  • Faça notas criativas a respeito;
  • Não leia as seções sobre as quais não se importa;
  • Depois de ler, reflita sobre o que leu ou ouviu;
  • Revise suas anotações pelo menos 5 vezes.

Elaboração

Meu estilo de leitura tinha sido o oposto de ativo. Estava lendo procurando entender o que estava lendo. E isso funcionou ou quase isso. Entenderia um conceito ou técnica, mas nem sempre me lembraria disso. Quando se usa um estilo de leitura ativa, associa o conceito a algo que já viu ou fez antes ou coisas que gostaria de fazer. Envolve ativamente suas partes criativas do cérebro no processo de aprendizagem. Andy Hunt, em seu livro "Pragmatic Thinking and Learning", separa o cérebro em duas áreas: L-Mode e R-Mode para modo linear e modo rico. Andy preferiu esses termos sobre o cérebro esquerdo/direito, pois nossos "processos mentais não estão estritamente separados hemisfericamente". Mas o ponto é: quanto mais associações o cérebro faz, mais ele se lembra. Engajar os processos mentais exige que procure o artigo ou postagem no blog ou apresentação e elabore criativamente o conceito ou técnica que acabou de ler ou ouvir.

Notas criativas

Parte da aprendizagem ativa é tomar notas. Sem leitura ativa, as coisas lidas ficam longe do cérebro, como sonhos. O simples processo de tomar notas pregam o conceito às paredes do cérebro. Posteriormente, utilizo essas notas como índices para locais da memória. Minhas notas são muitas vezes curtas e enigmáticas, mas sempre tento torná-las criativas. Um caso em destaque: um dos meus filhos está na faculdade de medicina e ele desenha imagens para os conceitos. Esses desenhos rabiscados não significam nada para outros alunos, mas, para ele, os desenhos associam uma memória visual ao conceito.

As notas manuscritas são melhores para reforçar a memória, mas se estiver lendo enquanto estiver na esteira ou ouvindo um podcast durante a condução, as notas escritas não são uma opção.

Deixe-me fazer uma pergunta: esse dispositivo em seu bolso, o que é isso? É um dispositivo social? É uma câmera? É um reprodutor de MP3 de alta qualidade? Para esta multidão de tecnologia, a última coisa que ele seria é um telefone. História real: recentemente mudei de Droid para o iPhone (depois de esmagar meu Droid em uma queda de monociclo). Fiquei com meu iPhone várias semanas antes de ele tocar - e não tinha ideia de como responder. Meu iPhone é um dispositivo de aprendizagem. Uso o Kindle, Audible, Podcasts, GetPocket, Youtube e Chrome para ler, assistir e ouvir tecnologia. Para tomar notas, o iPhone vem com dois aplicativos que agora uso o tempo todo: Notes e Voice Memos. Digito no Notes quando minhas mãos estão disponíveis e, em seguida, crio notas de voz no Voice Memos quando elas não estão disponíveis. Por exemplo, escuto podcasts e livros ao mesmo tempo que estou no monociclo; quando ouço algo que quero lembrar, crio um Voice Memo.

Compreenda que apenas o processo de tomar uma nota fortalece as sinapses em seu cérebro. Sim, haverá um questionário, mas falarei mais sobre isso mais tarde.

Reflexão

Quando era adolescente, duas vezes por semana dirigia 25 milhas de York para Harrisburg, na Pensilvânia, para trabalhar com um instrutor de karatê formado em Okinawa (Japão). A turma era composta em grande parte por homens adultos em seus 20 e 30 anos. Mas eu, o adolescente, parecia ter memória fotográfica porque aprendi o complexo Isshinryu katas mais rápido do que qualquer um. Agora, certamente não tinha, e não tenho, memória fotográfica. Meu "truque" foi que, durante os 25 minutos de viagem para casa, relembrava mais uma vez na minha cabeça o que aprendi naquela noite sobre um kata. O tempo levado para aprender os principais katas geralmente determinava se estava pronto para o teste de faixa preta. Mas aprendi o kata tão rápido que me disseram para adiar meu teste. (Alguns anos depois, tive um teste bem sucedido depois de experimentar um número apropriado de narizes quebrados, olhos roxos e costelas trincadas).

O processo em que tropecei como adolescente é chamado de reflexão no livro de Robert C. Brown, "Make It Stick: The Science of Successful Learning". Mas embora tenha usado a reflexão efetivamente como um artista marcial, negligenciei seu uso na minha técnica de aprendizado. Lia um artigo ou um capítulo em um livro, entendia, e então - puf - já havia desaparecido do meu cérebro consciente, escondido em algum cubículo obscuro que talvez nunca mais fosse visto novamente. Agora, na minha estratégia de aprendizagem reestruturada, sempre reflito sobre o que li. Por exemplo, depois de ler artigos durante uma hora de intervalo no ginásio, reflito ativamente as informações recém-adquiridas durante o banho e depois volto ao trabalho.

Cinco vezes

Agora leio ativamente (ou assisto ou escuto) a uma publicação (ou vídeo ou podcast) enquanto faço notas criativas. E depois reflito sobre o que acabei de aprender. Mas o processo de aprendizagem para as notas não acabou. Ainda preciso revisar minhas anotações. As escolas chamam isso de interrogatório. Provas são horríveis, mas toneladas de pesquisas mostram que o questionário regular é uma tremenda ajuda para aprender e lembrar. Quanto mais cedo depois de aprender, melhor. E então algumas vezes após isso. Quando reviso minhas notas, fico impressionado com a forma como traz os conceitos que entendi, mas quase esqueci. O número mágico para quantas vezes ver suas notas é cinco, mas o que normalmente faço é apagar as notas quando estou confiante de tê-las absorvido. Olho as notas quando estou na fila em uma loja, ou esperando para sentar em um restaurante, ou durante comerciais de TV - a qualquer hora ou lugar que de outra maneira ficaria entediado por alguns minutos. A coisa legal é: agora me incomoda quando meu compartimento de notas está quase vazio - reforçando assim a leitura ativa e a tomada de notas criativas.

Deixe-me dizer um grande ponto: a releitura é em sua maioria inútil. Quando você relê, seu cérebro mente para você e diz que toda a informação é familiar. São as suas anotações criativas realizadas durante a participação ativa no processo de leitura que permite fortalecer as sinapses da memória. Aqui está uma observação pessoal: comecei a me ensinar italiano há cinco anos e ouvi dezenas de romances no Audible. Ouvia muitos e depois admitia que não estava seguindo a história. Então ouvia novamente e meu cérebro me dizia que ouviu isso antes e proclamava que estava entediado. Mas aquele cérebro estúpido não poderia te contar o enredo. Não estava ouvindo ativamente. A verdadeira questão era, enquanto estava ouvindo, quando não conhecia uma palavra ou uma frase, o resto da história saía como blá, blá, blá. Agora, se não conheço uma palavra, clico no botão de reprodução de 30 segundos uma ou duas vezes, então falo a palavra no aplicativo Voice Memo do iPhone (que a salva com uma referência numérica e, finalmente, vejo a palavra e mudo a gravação de voz para o equivalente em inglês. Mais tarde, me questiono no Voice Memos.

Catálogo

Em casa, costumávamos ter uma gaveta de lixo que estava cheia de diversas e variadas coisas: canetas, facas X-Acto, Super Bonder, fitas métricas, e assim por diante. Regularmente, nos perguntávamos se um item estava naquela gaveta e mexemos nos conteúdos sem saber o que encontrar. A maioria lança novos conhecimentos encontrados em gavetas de tranqueiras: marcadores de livros, textos preenchidos apressadamente em pastas esquecidas, rabiscos manuscritos em vários cadernos. Pense sobre suas gavetas de tranqueiras de conhecimento. Elas são tão desagradáveis quanto a minha gaveta de tranqueiras (e meu conhecimento) a alguns meses atrás?

Alguns meses atrás, nossa cozinha tinha um vazamento insidioso de água sob a pia. Toda a cozinha teve que ser esvaziada - incluindo o armário que abrigava nossa gaveta de tranqueiras. Quando os armários reconstruídos foram instalados, minha esposa organizou essa gaveta.

Seu conhecimento precisa ser tão organizado quanto a nossa gaveta de várias coisas (não pode mais ser chamado de uma gaveta de tranqueiras). Esse conhecimento é seu ímpeto, seu tesouro. Organize-o. Catalogá-lo. Revise-o regularmente e jogue fora as coisas que não são mais úteis. Jogue coisas como a cola que está seca ou links para uma infinidade de artigos que nunca lê, muito menos relê.

Marcadores

Se está usando marcadores para coisas que não lembra, então é preciso se lembrar onde as coloca. Imagine estar em uma sessão de emparelhamento e diz "você sabe, acho que tenho uma chave de fenda magnetizada em miniatura na minha gaveta que funcionaria muito bem aqui." Então vai olhando em torno de sua gaveta de tranqueiras cheia de marcadores, procurando a coisa. Agora pense em ir a uma lista organizada com links claramente nomeados e encontrá-la instantaneamente. O seu par ficará impressionado porque os seus marcadores funcionaram como extensões do seu cérebro.

Apenas o simples ato de passar por seus marcadores fortalece as sinapses da memória. Se não leu uma postagem, coloque-a no Getpocket (ou ferramenta similar) e exclua. Se leu e a absorveu, exclua. Artigos que são "muito bons e podem ser divertidos para reler ou recomendar", coloque no GetPocket - não na fila, mas na seção de favoritos. Não deixo mais de uma dúzia de links em uma pasta. Se for necessário mais, isso sugere a criação de outra pasta ou subpasta. Também classifico os melhores links para o topo da pasta.

Meus marcadores são extensões da minha memória. São resumos de tecnologias. Listas de pesquisa se preferir. Tutoriais de instalação, folhas de atalhos ou dicas (cheat sheet), guias de estilo. Por exemplo, acabei de adicionar uma folha de dicas para o ES6. Além disso, olhe isso. É uma lista com curadorias de ferramentas e linguagens populares, como CSS, JavaScript e Bootstrap. Remova os marcadores para coisas que já estão no devdocs.io e deixe-os atualizados.

Evernote (e concorrentes)

Até recentemente, minha lista do Evernote poderia ter estado no programa de TV Hoarders. Por um lado, estava colocando notas em cadernos nomeados para vários clientes, quando eles deveriam estar sob uma nomenclatura para uma tecnologia. Algumas das minhas anotações eram longas e longas páginas, quando deveria ter sido várias notas. Assim como com a limpeza do meu marcador, passar pelo meu Evernote e mover, renomear e excluir foi uma tarefa agradável. Foi divertido por dois motivos: 1) Estava lembrando conhecimentos perdidos, e 2) Sabia que estava otimizando índices de extensões para o meu cérebro.

Wikis

Acredito que as notas que fazemos, inicialmente para nós mesmos, pelo fato que elas nos ajudam a fazer nossos trabalhos, não pertencem aos nossos PCs. Essas notas pertencem ao seu cliente ou empregador. Eles pagaram por essa aquisição de conhecimento. Todo projeto de TI requer uma base de conhecimento. O meu favorito é o recurso wiki que está empacotado em cada projeto Github. Tenho usado essa estratégia há vários anos e houve muitas vezes que a alta administração pede comentários sobre o valor acrescentado a equipe em que trabalho e sempre ficaram satisfeitos quando ouviram (e viram) os volumes de conhecimento compartilhado na wiki.

Também acredito que, quando chegarmos a um entendimento ou a uma ideia que vale a pena, essa inteligência precisa ser rastreada. Talvez em uma wiki no github. Seja como for, coloque-a em um recurso compartilhado. Quando não coloco esse pensamento em uma área compartilhada, chamo isso de "Inteligência Perdida", porque sem dúvida, não vou lembrar disso e então o cliente nunca se beneficiará do trabalho cerebral que eles pagaram.

Emparelhamento

No projeto atual, estou assumindo o gerenciamento de nove (ou talvez seja uma dúzia) de aplicativos Rails de IA, um dos princípios de SimpleThread. Nas minhas sessões de emparelhamento remoto com IA, sinto que estou tentando seguir um Lamborghini em um Ford Fairlane. Ele gira por meio das telas rapidamente descrevendo processos e às vezes faz uma pausa dizendo "Você conseguiu isso". "Sim", é minha resposta típica. Mas o que "consegui" era uma captura de tela e algumas notas mal-intencionadas no meu jornal baseado em markdown. Minha esperança é que meu subconsciente "tenha absorvido". Mais tarde, depois que saio do Fairlane e recupero minha respiração, reviso as capturas de tela enquanto as corto e renomeio. Em seguida, crio uma pasta com um nome que descreva o processo e faço as capturas de tela. Então vou por meio do meu marcador, limpo, corto e colo no wiki do projeto da empresa. Nesse ponto, minha consciência, muitas vezes, finalmente, "absorve". E assim categorizei e cataloguei o conhecimento.

Reflexão

O subtítulo do meu artigo é chamado apropriadamente de reflexão. Um resumo de artigo é basicamente a fila do autor para te coagir a refletir sobre as informações cobertas. Reduza a velocidade do seu cérebro enquanto aprende, participe ativamente do processo. Elabore à medida que consome informações para convertê-las em conhecimento e compreensão. Gere notas criativas, murmure para si mesmo, olhe pela janela e considere o que acabou de ler ou ouvir. Faça-o seu. A leitura ativa leva tempo. Mas enquanto agora leio metade do que lia, lembro duas vezes mais. Reflita depois que a apresentação acaba (lendo, ouvindo ou assistindo). E reveja suas notas em algum lugar em torno de cinco vezes. Catalogue seu conhecimento em marcadores, software de notas e wikis e trate esses catálogos como uma recompensa intelectual.

Recomendações de livros

  • Make It Stick: The Science of Successful Learning, Peter C. Brown
  • Pragmatic Thinking and Learning, Refactor Your Wetware, Andy Hunt
  • Moonwalking with Einstein, Joshua Foer
  • Unlimited Memory: How to Use Advanced Learning Strategies to Learn Faster, Remember More and Be More Productive, Kevin Horsley
  • Quantum Memory Learn to Improve Your Memory with The World Memory Champion! Dominic O'Brien

Sobre o autor

Don Denoncourt é um desenvolvedor da simplethread.com. Ele codifica desde antes do Windows e Linux, e da própria Internet. No início dos anos noventa, mudou-se de RPG e Cobol para C e C ++. Adotou Java antes que fosse real: 1996. Depois de codificar seu caminho por meio da proliferação de frameworks Java (incluindo Struts, Spring e EJB), sofreu com a estrutura Convention-over-Configuration de Ruby and Rails. Fez Groovy e Grails antes de finalmente se mudar para Rails em 2011. Gosta de escrever; publicou alguns livros e centenas de artigos técnicos. Vem trabalhando de casa desde o século passado. Quando não está trabalhando, adora passar o tempo com seus 3 netos. Para manter sua mente jovem, lê e ouve novelas em italiano. E, para manter seu corpo jovem, é um ávido monociclista off-road de rua.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Comentários da comunidade

  • Ótimo artigo!

    by Renan Moreira Santos /

    Seu comentário está aguardando aprovação dos moderadores. Obrigado por participar da discussão!

    Muito útil este artigo!
    Recomendo fortemente para organização dos estudos!

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

BT

Seu cadastro no InfoQ está atualizado? Poderia rever suas informações?

Nota: se você alterar seu email, receberá uma mensagem de confirmação

Nome da empresa:
Cargo/papel na empresa:
Tamanho da empresa:
País:
Estado:
Você vai receber um email para validação do novo endereço. Esta janela pop-up fechará em instantes.