BT

Partes não chegam a acordo sobre o HTML 5 Video Codec

por Abel Avram , traduzido por Victor Franzonatto em 10 Ago 2009 |

Ian Hickson, editor da especificação HTML 5, recentemente removeu os codecs necessários a partir das tags <video> e <audio> do respectivo projeto de norma citando dificuldades em chegar a um consenso entre as principais empresas envolvidas na distribuição de conteúdo de áudio e vídeo na web.

Existem dois principais padrões utilizados hoje: H.264 e Ogg Theora. H.264, ou MPEG-4, é um padrão proprietário de compressão de vídeo exigindo uma licença para uso comercial, e é considerado mais apropriado especialmente para grandes volumes. Ogg Theora é um padrão open source, mas a sua qualidade precisa de polimento e não é acompanhada por um número importante de players, de acordo com Hickson:

Apple se recusa a aplicar Ogg Theora no QuickTime por padrão (como utilizado pelo Safari), citando a falta de suporte e uma incerta visão de patente.

Opera e Mozilla são contra H.264:

Opera se recusa a implementar H.264, citando o custo obsceno pelas licenças.

Mozilla se recusa a implementar H.264, pois eles não seriam capazes de obter uma licença que cubra os seus distribuidores downstream.

O Google possui uma dupla abordagem:

O Google tem implementado H.264 e Ogg Theora no Chrome, mas não pode fornecer a licença do codec H.264 para distribuidores terceiros do Chromium, e manifestaram a convicção de que a qualidade-por-bit do Ogg Theora ainda não é adequado para o volume tratado pelo YouTube.

A Microsoft nem sequer comenta sobre a tag <video> da especificação HTML 5.

Philip Jägenstedt, desenvolvedor para a Opera Software, detalha sua posição:

Consideramos H.264 incompatível com a plataforma web aberta, devido à sua licença. Por enquanto vamos apoiar Ogg Vorbis/Theora, que é a melhor opção sensata de patente e está pário a pário com a concorrência na qualidade-por-bit (especialmente com as recentes melhorias no encoder). Gostaríamos muito de vê-lo como a base para o HTML5, mas na ausência de que espero que a comunidade web vai empurrar o suficiente para que ele se torne o padrão de fato.

Não parece existir uma solução razoável em um futuro tão próximo. Hickson vê duas opções:

  1. Ogg Theora encoders continuarem a melhorar. Hardware decoder Ogg Theora chips tornarem-se disponíveis. Google suportar o codec o bastante para que a Apple demonstre interesse e preocupação para a redução de patente. => Theora torna-se de fato o codec para a web.
  2. As demais H.264 baseline patentes detidas por empresas que não estão dispostas a licença isenta de royalties por eles expiram, o que leva a apoiar H.264 a estar disponível sem taxas de licenciamento.=> H.264 torna-se de fato o codec para a web.

Hickson considera o codec vencedor terá que satisfazer as seguintes condições:

- É implementável sem custo e distribuído por ninguém.
- Tem os chips "off-the-shelf" hardware decoder disponíveis.
- É usado amplamente e o suficiente para justificar o excesso de exposição de patente.
- Tem uma qualidade-por-bit alta o suficiente para grandes volumes.

Parece que, mais uma vez, diferentes partes não chegaram a acordo sobre uma norma comum, todos empurrando as coisas em seu próprio caminho, e uma vez mais o tempo e a realidade terá de escolher o vencedor ou os vencedores.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Dê sua opinião
Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
Marketing
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2016 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT

We notice you’re using an ad blocker

We understand why you use ad blockers. However to keep InfoQ free we need your support. InfoQ will not provide your data to third parties without individual opt-in consent. We only work with advertisers relevant to our readers. Please consider whitelisting us.