BT

Desacelere para Acelerar Lucros

por Vikas Hazrati , traduzido por Paulo Henrique em 24 Ago 2009 |

Geralmente, sugere-se que, se todos na equipe trabalham no topo da capacidade, então, a equipe seria mais produtiva. Ao contrário disso, Steve Bockman mencionou que esta suposição pode não ser sempre verdadeira. Em alguns casos, pode ser necessário desacelerar e trabalhar menos que a capacidade superior a fim de aumentar a produtividade e a rentabilidade.

Steve discute um exercício que ele realizou em suas equipes. As etapas do exercício foram,

  • Operação 1 - Obter material (uma folha de papel).
  • Operação 2 – Dobre para dentro, longitudinalmente, em seguida, desdobre.
  • Operação 3 – Dobre as extremidades do topo para dentro.
  • Operação 4 – Dobre os lados para dentro, dobre ao meio e dobre os flancos.

Uma equipe trabalhou no topo da capacidade e a outra equipe foi convidada a desacelerar para coincidir com a taxa da operação mais lenta.

Ambas as equipes produziram o mesmo número de aviões em 5 minutos, no entanto, a perda devido a trabalhos em curso pela equipe trabalhando no topo da capacidade foi significativamente maior que a segunda equipe, que correspondeu ao ritmo mais lento da operação. A segunda equipe não teve trabalhos em progresso construídos, reduzindo assim o montante gasto com materiais e laboratório.

Steve citou adiante a ficção de negócios A Meta, na qual descreve o seguinte processo para melhorar a produtividade:

  • Passo 1 - Identificar os gargalos do sistema.
  • Passo 2 - Decidir como explorar os pontos de gargalo (por exemplo, não deixe que um gargalo seja ocioso).
  • Passo 3 – Escale as responsabilidades à direção (por exemplo, reduza o ritmo contra as operações).
  • Passo 4 - Eleve os obstáculos do sistema (por exemplo, acelere uma operação lenta).
  • Passo 5 - Se, em uma etapa anterior, um ponto de obstáculo foi quebrado (ou seja, um gargalo já não é um gargalo) volte ao passo 1.

Assim, a recomendação é para abrandar todas as operações não-impeditivas antes de tentar acelerar o obstáculo.

Combinando as recomendações acima com os aprendizados de sua experiência, Steve chamou uma analogia ao processo de desenvolvimento de software, que resume-se a criação e troca de conhecimentos. Ele sugeriu a seguinte ideia para melhorar os lucros:

  • O conhecimento é o inventário de desenvolvimento de software
  • Pessoas consomem conhecimentos em sua própria taxa de produtividade
  • Criação de conhecimentos mais depressa do que ela pode ser consumida provoca excesso de inventário
  • O excesso de inventário reduz lucros

Baseado acima, pode-se tirar uma conclusão de que não é benéfico para o trabalho no início, se houver capacidade de obstáculos no sistema que estão operando a um nível inferior. A chave é manter uma capacidade semelhante ao obstáculo e acelerar o obstáculo primeiro a chegar mais perto do topo da capacidade. Isso resultaria em menos trabalhos em curso e, desse modo, fazer o ponto principal saudável e rentável.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Dê sua opinião
Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
Marketing
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2016 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT

We notice you’re using an ad blocker

We understand why you use ad blockers. However to keep InfoQ free we need your support. InfoQ will not provide your data to third parties without individual opt-in consent. We only work with advertisers relevant to our readers. Please consider whitelisting us.