BT

Detalhes sobre o novo Google Chrome OS

por Abel Avram , traduzido por Carlos Mendonça em 27 Nov 2009 |

O Google abriu o código-fonte do Chrome OS um ano antes do lançamento planejado, que deve acontecer algum tempo antes dos feriados de inverno (no hemisfério norte) de 2010. O Google está trabalhando com fabricantes de hardware em um novo protótipo de referência que acomodaria seus requisitos de velocidade e segurança, que são funcionalidades chave para o novo sistema operacional.

Uma vez que todo mundo sabe como utilizar um browser, o Google quer que o Chrome OS se pareça com e se comporte como um browser. Na prática, o que os usuários recebem é um browser Chrome rodando em cima de um sistema operacional Linux customizado, que é completamente escondido do usuário por questões de simplicidade. Todos os dados ficam na nuvem e não são permanentemente gravados localmente. Uma cópia dos dados nos quais o usuário trabalha é guardado localmente como um cache por questões de velocidade. Uma implicação é que editar um documento pressupõe copiá-lo logo depois no cloud.

O Google está planejando o lançamento de fato para o mercado daqui a 1 ano. A UI proposta atualmente mudará com o tempo. A ideia é usar abas de browser fixas que comportam-se como abas de aplicações e elas não se moverão contanto que estejam fixadas de forma que pode-se acessar e-mail, calendário, documentos ou outras aplicações escolhidas. Elas são as 5 abas a esquerda na figura abaixo:

image

Ao se clicar no logotipo do Chrome localizado no canto esquerdo superior, pode-se acessar o menu de aplicações mostrado abaixo. É uma página web que mostra todas as aplicações que o usuário pode acessar. Além disso, ele pode adicionar outras nesta página:

image

A UI deta página está sujeita a mudanças. As aplicações são iniciadas como janelas leves chamadas “painéis” e elas podem ficar em cima das outras mesmo que o usuário escolha outra aba do browser. Elas também podem ser minizadas ou fechadas.

O Chrome OS é um SO totalmente aberto e não-proprietário. Por exemplo, ao se acessar um arquivo Excel através de um dispositivo de armazenamento (SD card), o Chrome OS acessará o Windows Live da Microsoft, e abrí-lo-a se esta for a aplicação configurada para processar estes arquivos:

image 

Netbooks que rodarem o Chrome, não precisam ter discos rígidos convencionais. Ao invés deles, eles utilizariam soluções baseadas em memória ou discos solid-state (SSD). Isso aumenta em muito a velocidade de boot, que hoje é cerca de 7 segundos, mas que se promete ser ainda mais rápido. O firmware verifica a assinatura do kernel otimizado e, se é OK, ele carrega o kernel que, por sua vez, carrega o browser. Se uma das assinaturas estiverem incorretas por causa, por exemplo, de vírus, o firmware irá baixar um kernel e OS padrões e seguros, sendo que todo este processo é automático. Esta restauração é feita sem se perder dados do sistema ou das aplicações, sem se perder configurações e até mesmo sem se perder o cache. Além disso, o Chrome OS se atualiza com novas versões quando elas estiverem disponíveis.

A segurança do Chrome OS envolve uma completa separação de aplicações web rodando em abas separadas umas das outras e separadas do sistema. O sistema de arquivos do SO é configurado como somente-leitura por questões de proteção. Todos os dados do usuário são sincronizados com a nuvem, de forma que o armazenamento local é usado apenas como cache. Desta forma, se o SO é infectado ou o computador é perdido, o usuário pode obter outro e, utilizando suas credenciais, ele carregará todo o SO, aplicações e configurações em muito pouco tempo.

O Google está trabalhando com fabricantes de hardware para elaborar um novo conjunto de hardwares para netbooks que deverão acomodar os requerimentos de velocidade e segurança. Além disso, o Google requisita que os netbooks sejam feitos um pouco maiores para acomodar um teclado de tamanho padrão e para ter mouse pads melhores. Além disso, o hardware de referência irá incluir informações sobre a resolução da tela, provavelmente especificando resoluções maiores do que aquelas usadas nos netbooks de hoje.

á existem várias aplicações para edição de mídia e documentos suportadas. Executar vídeos, carrega fotos, editar documentos já estão funcionando e qualquer pode acessar inúmeras aplicações online. O Chrome OS não é proprietário de forma alguma.

O código é open source, pode ser baixado, está no projeto chamado Chromium OS e o Google vai usar o mesmo trunk que todo mundo, mas o produto será chamado, provavelmente, Chrome OS. O Google também abriu seus documentos de projeto divulgando, com isso, seus planos para o futuro e estão aceitando qualquer contribuição.

Referências: Vídeo introduzindo o Chrome OS, Código-Fonte, UI Experiments, Documentos do Projeto.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Dê sua opinião
Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
Marketing
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2016 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT

We notice you’re using an ad blocker

We understand why you use ad blockers. However to keep InfoQ free we need your support. InfoQ will not provide your data to third parties without individual opt-in consent. We only work with advertisers relevant to our readers. Please consider whitelisting us.