BT

Google Deseja Criar um Novo Padrão de Vídeo Baseado no Codec VP8

por Abel Avram , traduzido por Pedro Mariano em 21 Mai 2010 |

O Google liberou o WebM como Open Source, um formato de media livre de royalties para compressão e enconding de vídeo. Mesmo isso sendo uma boa notícia para vários players indústria que já mostraram suporte ao novo padrão, existem algumas preocupações em torno do licenciamento e da qualidade.

O Google divulgou seu plano para comprar a On2 Technologies por aproximadamente $100M em agosto do último ano, que foi aprovado em fevereiro de 2010 por $133M. O propósito da compra foi para adquirir a tecnologia de compressão e enconding de vídeo da On2's conhecida como VP8. VP3, uma versão antiga, foi liberada como open source em 2002 e é a base para o codec open-source Theora.

O Google anunciou recentemente o WebM, um formato de arquivo de media open-source, royalty free (livre de royalties) constituido dos seguintes componentes: VP8 vídeo codec, Vorbis áudio codec, e o Matroska como container de media. O WebM atualmente é suportado nos nightly builds do Chromium, Mozilla Firefox e no Opera Labs, o suporte será adicionado ao Chrome Dev dia 24 de Maio. O Google anúnciou que suporte do WebM para o Android será incluído no release denominado Gingerbread, agendado para o 4 trimestre deste ano, nesse mesmo período é esperado que o Google també lançe novos aplicativos com suporte ao WebM. O Youtube já inicou a utilizar o VP8 com alguns vídeos em seus experimentos com o HTML 5.

A Microsoft anúnciou que o Internet Explorer 9 e o Silverlight conseguirão rodar vídeos WebM se o PC possuir o codec VP8 instalado, se ele será incluído diretamente no Windows ainda é uma questão aberta. Muitas outras companhias já indicaram suporte ao WebM incluindo provedores de software como o Skype, Adobe e Oracle, e provedores de hardware como a AMD, ARM, Logitech, NVIDIA, Qualcomm, MIPS e Texas Instruments. O Google anunciou que "está trabalhando com alguns manufaturadores de hardware para trazer o WebM a um amplo número de dispositivos" além de estar "trabalhando juntamente com várias empresas de placas de vídeo e silício para adicionar aceleração de hardware do VP8 em seus chips". Até agora, não existe nenhuma notícia sobre a Apple a respeito da adição do WebM no Safari.

Um codec de vídeo grátis e open source pode fazer com que a adoção do HTML5 cresca, além de ter potencial para se tornar de fato o padrão de vídeo da Internet. Entretanto, desde o anúncio do Google, questões surgiram sobre o licenciamento e a performance do codec VP8.

O Google licenciou o VP8 utilizando uma licença BSD modificada. O que significa que tanto o código quanto o codec estão disponíveis para praticamente qualquer uso, com a ressalva de que se você processar o Google, você imediatamente perde sua licença VP8.

Jason Garrett-Glaser, um desenvolvedor independente que trabalha no X264, uma biblioteca open source para trabalhar com vídeos baseados no H.264, deu uma olhada na especificação e no código e disse:

O VP8 possui uma abordagem muito similar ao H.264, uma descrição não precisa do VP8 poderia ser: "H2.64 Baseline Profile com mais entropia". Embora eu não seja um advogado, eu simplesmente não posso acreditar que eles irão conseguir prosseguir com isso. Mesmo o VC-1 se diferenciando mais do H.264 do que o VP8, o VC-1 não conseguiu escapar das garras das patentes de software. Até que nós tenhamos uma forte evidência de que o VP8 é seguro, eu seria extremamente cauteloso. Dado que o Google não irá indenizar os usuários por processos decorrentes da patente do VP8, isso agrava ainda mais a situação.

Parece que existe um grande risco de processos sobre a patente, em particular pela MPEG LA, entidade por trás do H.264, e esse incerteza pode esfriar a adoção inicial do VP8. Uma solução para isso seria o Google oferecer indenizações para qualquer usuário do WebM que sofrer processos sobre a patente, porém não existe nenhuma indicação de que isso será feito.

O outro problema é sobre a qualidade. Garrett-Glased concluiu que o codec está muito longe do H.264:

O VP8, como especifição, pode ser um pouco melhor do que o H.264 Baseline Profile e o VC-1. Mas não é, nem de perto, um competidor a altura do H.264 Main ou High Profile. ...

O VP8, como codificador, está em algum lugar entre o Xvid e o Microsoft VC-1 em termos de qualidade visual. Isso definitivamente pode ser melhorado, mais não através de meios convencionais. ...

O VP8, como decodificador, decodifica mais lentamente do que o ffmpeg H.264. Isso provavemente não pode ser muito melhorado. ...

O VP8 não está pronto para o lançamento; a especificação é uma pilha de copy-paste de código C e a interface do codificador sofre com a falta de funcionalidades e está infestada de bugs. Eles nem sequer estão prontos para finalizar o formato bitstream, e muito menos mudar o mundo para o VP8.

As observações de Garret-Glaser devem ser vistas com cautela. Ele é um desenvolvedor do H.264 acima de tudo. Em contrapartida, o Google tem a noção de que as especificações são finais mais que a implementação precisa de melhorias:

Embora estejamos orgulhosos da nossa atual qualidade e performance, existe trabalho a ser feito. O VP8 bistream é final, mais algumas funcionalidades do formato WebM ainda não estão completas. Nós esperamos trazer mais qualidade e performance no lançamento oficial além disso também estamos fazendo mais uma série de testes. Você pode nos ajudar a chegar lá contribuindo com o nosso roadmap.

A presença de uma licença open source e livre de royalties pode modificar, dramaticamente, a visão que temos sobre vídeo online, porém levará meses senão anos para que a adoção chegue a um patamar onde o VP8 poderá estar, com segurança, nos clientes web. Qual a sua opinião sobre esse debate? O que você acha que isso significa, tanto hoje quanto no futuro, para o desenvolvimento de aplicações web?

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Dê sua opinião
Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
Marketing
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2016 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT

We notice you’re using an ad blocker

We understand why you use ad blockers. However to keep InfoQ free we need your support. InfoQ will not provide your data to third parties without individual opt-in consent. We only work with advertisers relevant to our readers. Please consider whitelisting us.