BT

Cloud Computing precisa de uma Virtualização de Servidores?

por Jean-Jacques Dubray , traduzido por Anderson Duarte Vaz em 27 Jul 2010 |
Simeon Simeonov, ex-arquiteto chefe da Allaire, quem trouxe o Cold Fusion para o mercado, um dos primeiros Servidor de Aplicação Web, escreveu um experiemento sobre o futuro da virtualização e após isso o CTO da VMWare, Steve Herrod comentou:
Estamos comprometidos em tornar o Spring a melhor linguagem para aplicações nas núvens, mesmo se a núvem não for baseada no VMWare vSphere.
Simeon declara, como muitos, que:
Virtualização de servidores criou a computação nas núvens. Sem a habilidade de executar múltiplas instâncias de servidores lógicos em um mesmo servido físico, a economia da computação nas núvens que conhecemos hoje em dia não seria possível.
No entando, ele diz:
Virtualização de servidores como conhecemos hoje em dia [...] é somente um suporte que precisamos até que as plataformas para aplicações nas núvens amadureçam ao ponto onde as aplicações serão construídas e instaladas sem nenhuma referência para as noções correntes de servidores e sistemas operacionais. Quando isso acontecer, o valor da virtualização de servidor vai cair substancialmente.
O CEO da VMWare, Paul Maritz, explica que:
Cloud computing na camada de insfraestrutura é o novo hardware. A unidade de escala da cloud hoje é o servidor virtual. [...] Isso irá mudar na próxima fase da evolução da computação nas núvens. Nós já começamos a perceber o primeiros sinais dessa transformação com o Google App Engine, o qual possui escabalidade automática embutida, e o Heroku com sua noção de dynos e workers como unidades de escalabilidade. Desenvolvedores trabalhando com o Google App Engine e Heroku nunca precisam se preocupar com servidores, virtuais ou físicos. [...] computação nas núvens na camada de aplicação será o novo hardware.
Simeon alega que:
Em primeiro lugar, virtualização de servidores geram um custo adicional. Testes de desempenho do VMWare mostram que o custo adicional é de 8 a 12 porcento. Entretanto, quando várias máquinas virtuais executam no mesmo servidor e começam a competir por recursos de hardware e de rede, esse custo é substancialmente maior.
Ele explica que não existe nenhuma razão para pagar tal custo como:
aplicações mais modernas, [...] dependem de acessibilidade de recursos de rede tais como banco de dados e serviços Web ao contrário de recursos locais como arquivos e processos. [Esse é o motivo de as] startups estão construindo camadas virtuais customizadas de aplicações que livram as aplicações dos servidores, obviamente necessitam da virtualização do Windows e sistemas operacionais Linux completos. [...] Isolação para alocação múltipla será alcançada na camada plataforma-como-serviço (PaaS) e não na camada da máquina virtual.
Simeon explica depois de uma conversa com Werner Vogels, CTO da Amazon:
O grande obstáculo em instalar esses tipos de Plataforma-como-Serviço em nuvens públicas é a confiabilidade. Agora mesmo, o AWS (Amazon Web Services) confia na camada de virtualização do servidor o fornecimento de segurança e isolamento. Técnicamente, isso não é díficil de se fazer na camada PaaS. De fato, isso é bem fácil - você só tem que remover as APIs perigosas - mas eu imagino que isso ainda vai levar ao menos um ou dois anos até que o volume de uso de PaaS se torne vantajoso para grandes fornecedores públicos de computação nas nuvens façam um esforço para eliminar o custo adicional de uma virtualização de servidores.
Ele prevê que:
Computação nas Nuvens de empresas privadas irão precisar de virtualização de servidores por enquanto, [mas a virtualização de servidores e os sistemas operacionais servidores tradicionais] terão um pico em três anos e então irão começar um contínuo declínio.
Ele conclui:
A VMWare está vendo claramente o futuro e está se preparando para aproveitar as vantagens da Plataforma-como-Serviço. [...] Logo será possível se livrar de problema da virtualizaçao de servidores e, como no memorável momento do Forrest Gump, será possível executar aplicações mais leves e escaláveis nas núvens na próxima geração da PaaS. Por enquanto, minha sugestão é para os desenvolvedores de aplicação pararem de escreverem código que acessam o hardware ou qualquer objeto do sistema operacional e pensar no futuro, a PaaS.

Aplicações com Arquitetura Inchadas (desde o hypervisor, o sistema operacional, a máquina virtual até os vários serviços, dados e containers) necessitam de uma maior transformação. Depois de um início tímido da IaaS ( Infraestrutura como serviço) e do SaaS (Software como Serviço), PaaS pode ser a nova grande coisa na computaçao das núvens. Qual sua opinião sobre isso?

 

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Dê sua opinião
Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
Marketing
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2016 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT

We notice you’re using an ad blocker

We understand why you use ad blockers. However to keep InfoQ free we need your support. InfoQ will not provide your data to third parties without individual opt-in consent. We only work with advertisers relevant to our readers. Please consider whitelisting us.