BT
x Por favor preencha a pesquisa do InfoQ !

Qual O Real Papel do Arquiteto de Software?

por Pedro Mariano em 01 Set 2010 |

"Arquiteto de Software" é um dos cargos mais desejados por diversos profissionais da área de TI. Hoje em dia é cada vez mais comum vivênciar situações onde o próprio time define a arquitetura do projeto, frameworks, tecnologias, entre outros. Dado o cenário atual, onde o papel do Arquiteto de software se enquadraria? Ele é o responsável por escolher as tecnologias e estruturas de todos os projetos de uma empresa? O arquiteto deve ser um programador?

Foi com uma indagação desse tipo que se iniciou uma discussão sobre o que o arquiteto faz hoje em dia. Guilherme Silveira, diretor técnico da Caelum e criador do Restfulie disse:

Históricamente, o arquiteto começou sendo aquele que definia quantas máquinas, quais as tecnologias, etc, mas não colocava a mão no código – ou nos diagramas de sequência, na época. A desvantagem dessa abordagem é a pessoa se distanciar cada vez mais dos problemas e das soluções que cada estilo arquitetural e ferramenta implicam no dia a dia da equipe, e começar a considerar somente aspectos facilmente visiveis de suas escolhas.

[...]

Ainda historicamente, o mercado viu a necessidade de ter alguém conectando os projetos de uma empresa, afinal uma pessoa era responsável pela arquitetura de seu projeto, mas ninguém alinhava arquiteturalmente a empresa. Daí surgiu o “enterprise architect”, alguém com uma preocupação maior.

Guilherme complementa defendendo a idéia  sobre a  teoria do Ditador Benevolente, que é aquela pessoa que tem o voto final e que muitos  confudem com o "Arquiteto 2.0".

Com o XStream aprendi sobre o ditador benevolente, que é uma pessoa (ou duas) que tem a decisão final. A arquitetura, o design, o código, o método podem evoluir pelo desejo da própria equipe, mas por fim possuem uma pessoa guia; alguém que, com mais experiência, saiba conectar melhor os planos da empresa, do produto, da equipe, da arquitetura e guiar todos para o mínimo de conflitos técnicos. Esse é o líder da equipe (não arquiteto 2.0).

[...]

Resumindo, na minha visão, os arquitetos somos nós, mas sempre em contato com as outras equipes dentro da empresa. E o líder (ou 2 líderes) é fundamental para manter o caminho em momentos de discórdia.

David Lojudice tem um ponto de vista diferente, onde o papel do arquiteto é manter a coêrencia entre as partes envolvidas em um projeto. Ele defende que a decisão de incluir ou não tal papel depende do tamanho do time e do projeto.

O seu pet project [projeto de fim de semana com 1 pessoa] precisa manter coerência entre as pessoas? Só tem uma pessoa pensando nas classes, suas responsabilidades, acoplamento e comunicação. O arquiteto é o desenvolvedor que mantêm a coerência entre essas classes. E é só olhar o código que é possível encontrar um “estilo arquitetural”, ou seja, um jeitão de implementação. Esse “jeito” é a coerência e mantida pelo desenvolvedor.

No time de 4 pessoas a arquitetura normalmente é colegiada. Precisa de arquiteto? Precisa. Só que nesse caso todo mundo é arquiteto tb. A coerência é mantida pelo time.

Já no sistema coorporativo, envolvendo muitas pessoas, muitos times, a solução do colegiado fica difícil. Precisa de arquiteto? [...] Precisa! :) Manter a coerência de integração e responsabilidades dos sistemas é o que o arquiteto(s) vai tentar fazer. Existem varias maneiras de fazer isso e depende muito do sistema sendo desenvolvido. A abordagem que usamos atualmente é a criação de um ecossistema, com regras simples, onde cada time pode criar um sistema para fazer parte desse ecossistema ao mesmo tempo que tem liberdade para usar a melhor ferramenta e a melhor arquitetura daquele sistema para resolver o problema.

Uma das coisas mais importantes para o arquiteto é que ele deve, sempre que possível, oferecer liberdade para os desenvolvedores escolherem tecnologias, framework,  não engessando totalmente o software, visto que isso faz com que seu time aprenda mais e fique mais motivado. Uma outra atitute interessante é incluir os desenvolvedores em reuniões arquiteturais, pois os mesmos podem agregar com expriências vivênciadas entre outros conhecimentos adquiridos.

E você leitor o que acha? O que o arquiteto de fato faz? Você já passou em algum projeto onde o arquiteto "engessou" o projeto? Como foi a experiência?

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Opinião by Renan Oliveira

Na minha opinião, o papel arquiteto é o "cara" que conhece diversas tecnologias e possui uma vasta experiencia em projetos. Terá um grau de responsabilidade em definir qual a melhor solução para um certo problema na empresa. Mas acredito que é super importante a experiencia dos membros da equipe, pois eles podem influenciar na escolha da solução.

experiência no desenvolvimento.. by Paul .

Gostaria de dividir minha experiência em uma equipe de desenvolvimento.
Apesar de ser um cara legal, a maior dificuldade que encontrei, foi a falta de humildade do arquiteto.
Ele, "aposentado", tudo estava bom do jeito que estava, porém a empresa triplicou de tamanho, e continuamos a criar softwares legados (já nasciam legados).
E quando o desenvolvedor dava uma solução que não estava nesta "arquitetura", vinha a parte fácil, dizer "-Não!" ou apontar erros. Isto é fácil, mas quem disse que ele daria outra solução.
A soberba desmotivava a equipe inteira.

Hoje trabalho em um lugar onde damos a solução, explicamos o porque que vamos usar ela (indiferente de tecnologia) e ela é bem vinda. Por que os arquitetos sabem que convivemos com os problemas do dia a dia e que solucionamos eles.
Enfim, espero ter contribuido.
[]'s

experiência no desenvolvimento.. by Paul .

Gostaria de dividir minha experiência em uma equipe de desenvolvimento.
Apesar de ser um cara legal, a maior dificuldade que encontrei, foi a falta de humildade do arquiteto.
Ele, "aposentado", tudo estava bom do jeito que estava, porém a empresa triplicou de tamanho, e continuamos a criar softwares legados (já nasciam legados).
E quando o desenvolvedor dava uma solução que não estava nesta "arquitetura", vinha a parte fácil, dizer "-Não!" ou apontar erros. Isto é fácil, mas quem disse que ele daria outra solução.
A soberba desmotivava a equipe inteira.

Hoje trabalho em um lugar onde damos a solução, explicamos o porque que vamos usar ela (indiferente de tecnologia) e ela é bem vinda. Por que os arquitetos sabem que convivemos com os problemas do dia a dia e que solucionamos eles.
Enfim, espero ter contribuido.
[]'s

Opinião 2 by Paul .

Concordo com a exposição do colega Pedro.
Gostaria de acrescentar a importância do arquiteto
oferecer uma solução técnica alinhada ao negócio da empresa, além de ser um facilitador técnico para a equipe de desenvolvimento.
um abraço.

Opinião 2 by Paul .

Concordo com a exposição do colega Pedro.
Gostaria de acrescentar a importância do arquiteto
oferecer uma solução técnica alinhada ao negócio da empresa, além de ser um facilitador técnico para a equipe de desenvolvimento.
um abraço.

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

5 Dê sua opinião

Conteúdo educacional

Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
Marketing
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2016 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT

Percebemos que você está utilizando um bloqueador de propagandas

Nós entendemos porquê utilizar um bloqueador de propagandas. No entanto, nós precisamos da sua ajuda para manter o InfoQ gratuito. O InfoQ não compartilhará seus dados com nenhum terceiro sem que você autorize. Procuramos trabalhar com anúncios de empresas e produtos que sejam relevantes para nossos leitores. Por favor, considere adicionar o InfoQ como uma exceção no seu bloqueador de propagandas.