BT

Qual o futuro do Android após a compra da Motorola pelo Google?

por Abel Avram , traduzido por José Filipe Neis em 16 Ago 2011 |

O Google anunciou a compra da Motorola Mobility por US$ 12,5 bi, tornando-se dono de 17 mil patentes mais outras 7.500 que estão em processo de concessão, na maior parte relacionadas à comunicação. Com isso o Android ganha mais proteção contra processos legais, mas o Google se torna um fabricante de hardware, abalando o equilíbrio da Open Handset Alliance, a organização que promove o Android. Será que outras empresas que utilizam o Android moverão para outros sistemas operacionais?

Em janeiro deste ano, a Motorola foi dividida em duas empresas separadas: Motorola Solutions e Motorola Mobility (a decisão já havia sido tomada em março de 2008, segundo a Wikipedia). A Motorola Solutions teve faturamento de US$ 2 bilhões no segundo trimestre de 2011; a Motorola Mobility faturou US$ 3.3 bilhões no mesmo período. O Google anunciou a compra da Motorola Mobility em 15 de agosto, por um total de US$ 12,5 bilhões, que foi a maior compra da história do Google.

A aquisição certamente muda o cenário mundial de dispositivos móveis, gerando uma série de consequências para o ecossistema Android e seus competidores. O Google não só ganha acesso às 17 mil patentes da Motorola, além das 7.500 em processo de concessão; entra também em um mercado de conversores para TV, estendendo o alcance do Android a novos segmentos ou a segmentos em que não teve sucesso, como aconteceu com o Google TV.

Ao mesmo tempo, algumas pessoas alertam que, ao entrar no mercado de hardware, o Google está quebrando o equilíbrio da Open Handset Alliance (OHA), uma organização criada para promover o Android. Especula-se também se outros fabricantes de hardware que utilizam o Android ainda confiarão no Google. Ao começar a vender telefones, o Google teria vantagem sobre outros fabricantes, conhecendo com antecedência a especificação de hardware e software de dispositivos futuros. Alguns até mesmo questionam se alguns fabricantes  abandonarão o Android. A Nokia espera que esta aquisição possa representar um catalisador para a plataforma Windows Phone, ao representar uma porta para a migração de fabricantes insatisfeitos, do Android para o Windows.

Uma coisa é certa: assim que o acordo estiver terminado após as verificações regulatórias, provavelmente em algum momento ao longo do segundo trimestre de 2012, o Google possuirá 17 mil patentes a mais relacionadas à comunicação, já que a Motorola é uma das primeiras empresas do ramo e a criadora do StarTAC, o primeiro telefone wireless, introduzido há 30 anos.

O Google sempre sofreu por não possuir grande número de patentes como outras companhias tais como Microsoft e Apple, e os fabricantes que usam o Android foram processados diversas vezes por violação de patentes; o caso mais famoso (e recente) foi o banimento do tablet Samsung da Europa por um juiz alemão após acusação da Apple. As patentes da Motorola certamente irão fortalecer a posição do Android, dando ao Google uma maneira de fechar os processos com outros fabricantes de sistemas operacionais e de telefones.

Durante conferência por telefone com analistas financeiros (publicada posteriormente na internet), após uma breve introdução, a primeira coisa dita por Larry Page, CEO do Google, foi:

A Motorola oferece aos usuarios um forte portfólio de patentes para ajudar a proteger o Android de estratégias anticompetitivas da Microsoft, da Apple e de outras empresas.

Outras empresas parceiras viram positivamente a aquisição do Google, incluindo Samsung, Sony-Ericsson, HTC, LG, Marvell e ZTE, todas expressando sua confiança que a aquisição irá fortalecer a posição do Android. Larry Page também tentou garantir a seus parceiros que o Android permanecerá aberto como plataforma e a Motorola será apenas outro licenciado. Mas será que o Google irá abrir mão de sua vantagem em detrimento de seus parceiros no futuro? Irão outros fabricantes de Android migrar para outras plataformas?

Somente o tempo irá dizer o que exatamente ocorrerá, mas por enquanto os fabricantes de Android não têm opções reais. Devem eles migrar para o Windows Phone? Alguns deles já vendem dispositivos Windows Phone, mas as vendas sao pequenas. Mais precisamente 1,6% do mercado de sistemas operacionais móveis no segundo trimestre de 2011; o percentual da MS era 4,9% um ano antes, de acordo com o Gartner. Até mesmo o Bada, o sistema operacional produzido pela Samsung, tem fatia de mercado maior, com 1,9%. A nova versão do Windows Phone (Mango) tem expectativas de melhores vendas (chegando-se a projetar 20% do mercado até 2015, segundo Gartner e IDC), mas neste momento o Windows Phone não é uma opção real. E caso a Microsoft compre a RIM ou a Nokia no futuro, haveria novas incertezas.

Outra solução para os fabricantes Android é criar seu próprio sistema operacional, ou fazer um fork do Android e estabelecer uma nova aliança talvez envolvendo a Mozilla, mas isto requer muito tempo e recursos – e quais seriam as vantagens em relação à situação atual? Ficarão numa posição melhor que estão agora? É muito tarde para criar um novo sistema operacional para celulares neste momento, e não existe vantagem real em criar um fork do Android.

A Samsung poderia investir mais no Bada, mas será que é isso que os consumidores querem? Hipoteticamente, a melhor opção é ter seu próprio sistema operacional, mas  não possuem um SO ou o que possuem não é suficientemente atrativo, ou os custos para criá-lo são muito altos. A única possibilidade é usar um SO já existente, mas todos eles já estão sob controle de fabricantes de hardware. Uma exceção seria o SO da Microsoft, mas existe o acordo especial com a Nokia que oferece vantagens sobre outros competidores.

Larry Page disse, ainda durante a conferência: "Muitos parceiros de hardware contribuíram para o sucesso do Android. Esperamos continuar trabalhando com todos  da mesma maneira". Parece que o Google entende que para dominar o mercado de celulares, será preciso um ecossistema Android forte; e isto só será alcançado, obviamente com os vários parceiros contribuindo com o Android, e não migrando para outras plataformas. Resta ver se o Google conseguirá manter ou nao essas parcerias. Neste momento, o Android certamente está recebendo um incentivo e tanto com uma maior proteção através de patentes.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Guerra fria by Julio Faerman

Certamente ser fornecedor e consumidor ao mesmo tempo é um conflito de interesses dificil, mas não acredito que o google vai arriscar o android abusando disso.

"Don't be evil" afinal :)

Barganha by Eder Magalhaes

Não acredito que o Google queira comprar briga com outros fabricantes. A questão principal são as patentes e, pelo menos eu acredito, no poder de barganha (de patentes) em negociação com seus principais concorrentes (Apple + Nokia).

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

2 Dê sua opinião
Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
Marketing
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2016 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT

We notice you’re using an ad blocker

We understand why you use ad blockers. However to keep InfoQ free we need your support. InfoQ will not provide your data to third parties without individual opt-in consent. We only work with advertisers relevant to our readers. Please consider whitelisting us.