BT

Movimentos na web móvel: novos contextos para o desenvolvimento mobile

por Alex Blewitt , traduzido por Rodrigo Urubatan em 05 Set 2011 |

Muitas mudanças importantes aconteceram nas últimas semanas no ecossistema mobile. Primeiro, o Google comprou a Motorola Mobility, levando a questionamentos sobre se o Android continuará a ser um sistema aberto. Logo depois, a HP encerrou a producao do TouchPad, e depois decidiu produzir mais unidades. Para onde apontam estas notícias?

A compra da Motorola pelo Google pareceu, para muitos, estar muito mais relacionada com um conjunto de patentes do que com a habilidade de fabricação de hardware em si. A Motorola já foi líder na indústria de telecomunicações e criou muitos produtos inovadores (como o Motorola RAZR), além de comandar acordos importantes, como o que garantiu a habilidade do ROKR de sincronizar com o iTunes. Entretanto, o ritmo de inovação da empresa tem reduzido muito nos últimos anos.

Um dos maiores problemas, ocorrido em meados de 2000, foi a série de fracassos com o sistema operacional Symbian. Antes um dos destaques em celulares topo-de-linha, o Symbian sofreu mudanças constantes e divergentes, e houve diversas em volta do sistema entre Nokia, Sony Ericson e Motorola. 

No final, logo depois que o iPhone foi lançado, a Motorola abandonou o Symbian, cortando 3 mil postos de trabalho, para se focar mais no Android. Entretanto, a empresa nunca mais reconquistou a fatia de mercado perdida, e já se discutia a possibilidade de vender sua divisão de celulares. Mas isto foi três anos antes de o Google finalmente comprá-la.

O fiasco do tablet TouchPad do HP começou quando o dispositivo recebeu uma sequência de avaliações medíocres. Menos de dois meses depois do lançamento, a HP anunciou que não produziria mais o tablet e autorizou um desconto radical, de 499 para 99 dólares. Com o sucesso surpreendente de vendas na nova faixa de preço, a HP decidiu produzir um novo lote do produto e pode voltar a produzí-lo, mas o futuro do tablet continua, em grande parte, incerto.

Com a compra da Palm pela HP, muitos tinham a esperança de ver o renascimento da empresa que criou os famosos handhelds. A HP levou, na aquisição, a plataforma WebOS, mas juntamente com o anúncio de descontinuação do TouchPad, anunciou que não fabricaria mais telefones e tablets com esse sistema operacional. A empresa afirmou, no entanto, que vai continuar o desenvolvimento do sistema operacional e encoraja outros fabricantes a utilizá-lo embarcado em dispositivos domésticos.

A compra de empresas móveis pode ser muito arriscada. Assim que uma empresa pequena e inovadora é comprada por uma gigante de tecnologia, argumentam muitos especialistas, ela perde sua agilidade e sua cultura (e em alguns casos os seus principais desenvolvedores). A Microsoft comprou a Danger Sidekick, que já foi a "queridinha" do mundo mobile, mas caiu em desgraça quando perdeu dados de clientes, e hoje está esquecida. A HP comprou a Palm (e a Compaq) e acaba de deixar para trás o mercado de hardware móvel. A Nokia, que já foi uma figura paterna para o Symbian, tornou-se um "padrasto" e agora esta apostando no Windows Phone para os seus dispositivos.

Pode-se argumentar que apenas duas empresas que entraram no mercado móvel na última década tiveram sucesso. Uma delas é o Google, com o sistema operacional Android (a outra, é claro, é a Apple). A empresa não tinha um departamento para produção de hardware, e com isso pôde se manter neutra em relação a seus parceiros por bastante tempo.

No entanto, a compra da Motorola pode mudar a imagem de neutralidade do Google, ou mesmo comprometer o relacionamento com os parceiros que utilizam o Android.

E quanto à RIM? O BlackBerry continua vendendo muito bem para empresas, e recentemente, a empresa canadense lançou o PlayBook, relativamente bem recebido; mas ainda tem um longo caminho pela frente. A compra (e o uso) pela RIM de um sistema operacional móvel forte como o QNX não é garantia de sucesso, como bem sabem os licenciados do Symbian. Além disso, a RIM está à margem do eixo Android/iOS no momento e pode sofrer um "momento HP" no futuro.

Visto tudo isso, uma coisa é certa. Ser um desenvolvedor móvel se tornou muito mais fácil, dado o menor número de plataformas relevantes a serem suportadas. E agora que todos os dispositivos do mercado suportam HTML5 e o framework WebKit, criar aplicações web móveis se tornou ainda mais simples.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Dê sua opinião
Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
Marketing
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2016 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT

We notice you’re using an ad blocker

We understand why you use ad blockers. However to keep InfoQ free we need your support. InfoQ will not provide your data to third parties without individual opt-in consent. We only work with advertisers relevant to our readers. Please consider whitelisting us.