BT
x Por favor preencha a pesquisa do InfoQ !

A Guerra Cibernética seria a nova Guerra Fria? O Brasil está acordando para os riscos

por Alex Chiaranda em 02 Mar 2012 |

O Centro de Comunicações e Guerra Eletrônica do Exército (CCOMGEX) concluiu duas licitações no valor total de R$ 6 milhões, para a compra de software antivírus e um simulador de Guerra Cibernética, ambos com tecnologia nacional. A preferência pela indústria nacional, deve estimular a competição e o desenvolvimento do segmento de segurança no país, e abre oportunidades para empresas e profissionais de segurança locais.

O CCOMGEX, faz parte do Centro de Defesa Cibernética (CDCiber), que foi criado em 2010 para concentrar a administração de todas as ações de proteção virtual da organização. Uma das missões do órgão é criar e adquirir tecnologia de software e de hardware, além de treinar oficiais para que sejam capazes de responder a ameaças digitais presentes e futuras. O orçamento previsto para o CDCiber para o ano de 2012 é de aproximadamente R$ 83 milhões.

Além disso, as novas diretrizes da Estratégia Nacional de Defesa (END) não deixam de lado o ciberespaço. Durante o 2º Seminário de Estratégia Nacional de Defesa, realizado no dia 15 de fevereiro, a questão de Guerra Eletrônica foi um dos principais temas abordados.

Nas últimas décadas o mundo tem observado um aumento considerável na quantidade de ameaças, como vírus, trojans, botnets e ataques como invasões e DDoS - relacionados ou não a movimentos organizados ou hacktivismo. Esse cenário obrigou os governos a repensarem suas políticas de segurança digital alterando sua postura e investimentos no setor. Em 2011, o mundo foi apresentado a uma ameaça que saiu do ambiente virtual. Um malware sofisticado, o Stuxnet, tirou proveito de diversas brechas de segurança em sistemas de controle e foi capaz de desabilitar temporariamente uma usina de enriquecimento de urânio em Natanz no Iran.

As empresas Kaspersky Labs e Symantec informaram que o Stuxnet poderia ser apenas um de uma família que gerou cinco "armas cibernéticas", dentra elas o Duqu e outras três ainda não conhecidas.

Esse e outros ataques, indicam uma mudança no escopo nos alvos dos softwares nocivos, que em vez de simplesmente tirar sistemas do ar ou roubar informações confidenciais, buscam assumir o controle de infraestruturas básicas, como as de energia elétrica, comunicação e vigilância.

Os Estados Unidos mantêm uma divisão específica para Guerra Cibernética, não só focando em defesa, mas principalmente na realização de ataques a outros países. Entre outros governos com investimentos pesados em técnicas de batalhas cibernéticas estão China, Rússia e Iran.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Dê sua opinião
Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
Marketing
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2016 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT

Percebemos que você está utilizando um bloqueador de propagandas

Nós entendemos porquê utilizar um bloqueador de propagandas. No entanto, nós precisamos da sua ajuda para manter o InfoQ gratuito. O InfoQ não compartilhará seus dados com nenhum terceiro sem que você autorize. Procuramos trabalhar com anúncios de empresas e produtos que sejam relevantes para nossos leitores. Por favor, considere adicionar o InfoQ como uma exceção no seu bloqueador de propagandas.