BT

Jurados encontram apenas 9 linhas de código protegidos por direito autoral no caso Oracle vs Google

por Alex Blewitt , traduzido por Marcelo Costa em 17 Mai 2012 |

[Esta notícia foi expandida e incrementada pela equipe do InfoQ Brasil]

O processo entre o Google e a Oracle concluiu a fase de análise dos direitos autorais há duas semanas, com o júri debatendo questões sobre o mérito das alegações de violação de direitos autorais pelo Google, referente ao código fonte do Apache Harmony incorporado ao Android [mais especificamente, na Davik VM]. Até então o júri já havia decidido por unanimidade a resposta de três das quatro perguntas, mas precisou de um fim de semana a mais para decidir sobre a quarta pergunta.

O juiz Alsup criou um formulário de veredito especial, perguntando:

  • A Oracle provou que o Google violou a estrutura geral, a seqüência e a organização (SSO - Structure, Sequence and Organization) dos trabalhos protegidos por direito autoral?
  • Foi provada a violação sobre a documentação das 37 APIs Java, como um todo?
  • A Oracle provou que o Google infrigiu direito autoral ao fazer uso dos códigos (A) O rangeCheck na classe TimSort, (B) os sete arquivos Impl e o arquivo ACL ou (C) os comentários no CodeSourceTest e no CollectionCertStoreParametersTest?

[A primeira questão é relacionada com a definição de APIs do Java disponíveis no Android, enquanto que a terceira questão é relacionada com a implementação de algumas dessas APIs. A quarta questão seria se, no caso de infração pela Google, se a infração poderia ser considerada "uso razoável' e portanto não sujeita a punições.]

Os jurados concordaram que a implementação do TimSort infringiu direito autoral (mas as outras não) e que a estrutura, sequencia e organização do código foi violado. [O formulário de veredito especial preenchido pelo júri está disponível em formato PDF no site Groklaw, que é especializado em acompanhar processos litigiosos relacionados com TI.] O júri, no entanto, foi incapaz de chegar a um veredito unânime sobre se o Google fez "uso razoável" de propriedade intelectual da Oracle.

["Uso razoável" vem do inglês fair use, é um termo jurídico que expressa o conceito de que trabalhos protegidos por direito autoral pode ser copiado de forma limitada para citações, sátiras, comentário, educação e outros usos.]

O juiz ordenou aos jurados que assumissem que a estrutura, sequencia e organização do código estaria sob direito autoral, porém ele mesmo tomará a decisão sobre esta questão ao final do processo. Assim, a resposta afirmativa do júri para a primeira questão não foi nenhuma surpresa. No entanto, isso significa que a única vitória para a Oracle até agora está no método rangeCheck, ou seja, no código que o Google contribuiu para o OpenJDK e que desde então fora removido.

[O código em questão foi contribuído pela própria Google como parte do projeto OpenJDK, mas todas as contribuições ao projeto envolvem a transferência do direito autoral para a Oracle, que se torna a única detentora legal dos direitos sobre o código. Portanto, ironicamente, a Google acabou sendo considerada culpada de copiar código de sua própria autoria.]

Depois do início do processo da Oracle contra a Google, a União Europeia decidiu que a funcionalidade de um programa de computador e uma linguagem de programação não podem ser protegidos por direitos autorais, em um caso que é reconhecido como estando estreitamente relacionado com o caso atual [mas como é um caso europeu, não cria jurisprudência para o julgamento nos EUA]. No caso julgado pela União Européia, o Instituto SAS alegou possuir direitos autorais sobre uma linguagem de programação, tentando impedir que a World Programming Limited re-implemente a mesma linguagem em outro produto:

O tribunal relembra, em primeiro lugar, que a diretiva relativa à proteção jurídica de programas de computador estende a proteção dos direitos autorais expressos sob quaisquer forma de criação intelectual de um autor de um programa. No entanto, as ideias e princípios subjacentes a qualquer elemento de um programa de computador, incluindo os subjacentes às suas interfaces, não são protegidos por direitos autorais por força dessa diretiva. Assim, somente a expressão dessas ideias e princípios são protegidos por direitos autorais.

O processo judicial da Oracle contra a Google move-se agora para considerar as alegações de violação de patentes.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Dê sua opinião
Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
Marketing
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2016 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT

We notice you’re using an ad blocker

We understand why you use ad blockers. However to keep InfoQ free we need your support. InfoQ will not provide your data to third parties without individual opt-in consent. We only work with advertisers relevant to our readers. Please consider whitelisting us.