BT

Os 5 pilares da arquitetura corporativa, segundo o IASA

por Michael Stal , traduzido por Vitor Puente em 04 Set 2012 |

Em sua apresentação online, "Cinco pilares da arquitetura de TI", Jim WIlt, arquiteto da Microsoft, introduz a visão do IASA sobre os fundamentos da arquitetura corporativa. Wilt explica as origens e o desenvolvimento de cinco pilares, que incluem estratégia da tecnologia do negócio, ambiente de TI, atributos de qualidade, projeto/design e dinâmica interpessoal. Também comenta a lógica e os detalhes por trás desses pilares, assim como as habilidades necessárias em cada arquiteto para obter sucesso em seus projetos.

O IASA estabeleceu os seguinte pilares.

Estratégia de tecnologia do negócio: os arquitetos precisam ter um entendimento básico do negócio; do contrário não conseguirão dar suporte aos objetivos da organização ou aos objetivos dos clientes. Esses conhecimentos compreendem assuntos financeiros, estratégias de inovação de TI e técnicas de validação, assim como conceitos da indústria, tendências, padrões e compliance (aderência a padrões, regulamentos etc.).

Ambiente de TI: os arquitetos devem ter a "capacidade de verificar a solução e a maturidade organizacional em aspectos funcionais e de procedimentos da empresa". O ambiente de TI envolve a implementação de elementos relacionados ao processo de desenvolvimento, o gerenciamento de projetos, a utilização de plataformas e frameworks, as mudanças e ativos gerenciais, a governança, além dos testes e controle de qualidade. Por exemplo, arquitetos devem estar alinhados com as tendências de mercado, entender os benefícios e limitações de uma determinada tecnologia, e também conhecer metodologias e tecnologias usadas em um determinado ambiente.

Atributos de qualidade: o atributos de qualidade são mapeados pelo IASA em quatro categorias - qualidades que definem aspectos de usabilidade, aspectos de desenvolvimento como mudanças de requisitos, questões operacionais como performance, além de requisitos de segurança. Tais qualidades são tipicamente requisitos transversais, levando a escolhas importantes, baseadas em limitações de tempo, custo, requisitos e recursos. Wilt enfatiza que os atributos de qualidade devem ser medidos e monitorados constantemente. Devem também ser viáveis: um cliente pode estar interessado em "cinco noves" de disponibilidade, mas pode não querer pagar por tal nível.

Projeto: a capacidade de criar um bom projeto arquitetural é a "principal ferramenta de um arquiteto, ao entregar uma estratégia e um produto para o negócio". Como Wilt enfatiza, o design não se trata apenas da criação de uma arquitetura; inclui a revisão de todo o projeto. Não é só questão de "belos diagramas", mas sim de "justificações, razões e ponderações", quando for necessário tomar decisões. Habilidades necessárias nessa área incluem conhecimentos em técnicas e metodologias de design. E, é claro, arquitetos devem conhecer ferramentas e artefatos de design, como patterns, estilos e views. Para fazer as escolhas corretas sobre o design de um projeto, os arquitetos devem sempre alinhar suas decisões aos requisitos do negócio.

Dinâmica interpessoal: a dinâmcia entre pessoas inclui gerenciar e influenciar pessoas em um contexto de um projeto ou ambiente de TI. Wilt explica que há diversas habilidades necessárias nesse contexto. É necessário lidar com a cultura e com a relação com os clientes, além de lidar com os membros da equipe em um projeto. E embora a maioria dos arquitetos não detenha responsabilidades gerenciais, é necessário que possuam habilidades de liderança e gestão. Além disso, habilidades de negociação e colaboração são requisitos essenciais, assim como escrever e bem e ser capaz de realizar apresentações eficazes.


De acordo com Wilt, o IASA estabeleceu os pilares em três fases. Primeiro, especialistas do mercado elaboraram os cinco pilares, com base em uma análise qualitativa. Depois o IASA disponibilizou os pilares para uma avaliação quantitativa, para os 7 mil membros, os quais confirmaram e refinaram os pilares. Por fim, os organizadores desenvolveram treinamentos e certificações para que engenheiros interessados possam adquirir as habilidades necessárias.

A Matriz de Habilidades do IASA resume as principais habilidades recomendadas para arquitetos corporativos e indica cursos abordando os cinco pilares. Além disso, o IASA fornece uma programa de certificação e um treinamento para engenheiros de software.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

papel do arquiteto sendo moldado... by Fernando Franzini

O que estamos vendo na verdade é o papel de arquiteto sem moldado para assumir responsabilidades que possam lhe acrescentar na hora de fazer a arquitetura. Entendimento de negocio e gerenciamento de pessoas realmente hoje são fundamentais!

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

1 Dê sua opinião
Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
Marketing
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2016 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT

We notice you’re using an ad blocker

We understand why you use ad blockers. However to keep InfoQ free we need your support. InfoQ will not provide your data to third parties without individual opt-in consent. We only work with advertisers relevant to our readers. Please consider whitelisting us.