BT

A sua opinião é importante! Por favor preencha a pesquisa do InfoQ!

Mudando comportamentos através de mudanças no ambiente

| por Ben Linders Seguir 12 Seguidores , traduzido por João Talles Seguir 1 Seguidores em 16 jan 2013. Tempo estimado de leitura: 3 minutos |

A note to our readers: As per your request we have developed a set of features that allow you to reduce the noise, while not losing sight of anything that is important. Get email and web notifications by choosing the topics you are interested in.

O que fazer quando uma mudança de comportamento é necessária para os negócios? Bob Marshall, especialista em terapia organizacional, descreve no artigo "A mudança de paradoxo" um problema que vê na alteração de comportamentos:

Tentar mudar o comportamento das pessoas em si só piora as coisas. (...) Se você assustar, envergonhar, coagir, compelir ou manipular as pessoas com o objetivo de mudar seu comportamento, reagirão de maneira contrária, resistindo, ressentindo-se e talvez até se comportando "pior" que antes.

Marshall descreve a equação de Lewis, "B=f(P,E)", em que o comportamento (B) é uma função da pessoa (P) no ambiente (E) - de Environment. Utilizando essa equação, o autor sugere prestar mais atenção ao ambiente e ao que chama de "sistema":

Mude o ambiente e a mudança de comportamento será "gratuita" (...) De longe o maior potencial de mudança está dentro do "sistema" - na maneira como o trabalho funciona. Como John Seddon e outros já demonstraram, alterar a maneira que se trabalha faz com que o comportamento das pessoas também mude, gratuitamente.

Bob Marshall explica o motivo porque acha que as empresas não entendem a maneira que as pessoas trabalham, e sugere uma forma de mudar o ambiente:

 


Gerentes e executivos evitam abrir o baú de ossos das suposições a respeito de comportamento e performance, tudo no interesse de harmonia e manutenção de um consenso operacional. Que tal começar a falar dos tantos assuntos indiscutíveis na organização? E sobre os nossos medos conectados a essa transparência? É claro, não será uma experiência agradável mas talvez seja o que a empresa precisa para crescer, para se tornar um lugar mais humano em que se trabalhar - e para se tornar mais eficiente nos negócios também.

 

Jurgen Appelo menciona a teoria da janela quebrada, pela qual se deve resolver os pequenos problemas primeiro. Ele descreve como o comportamento é influenciado pelo de outras pessoas:

As pessoas tendem a adaptar seu comportamento de acordo com o ambiente em que vivem (...) Dado que as pessoas também copiam as normas e comportamento uma das outras (...), portanto o mau comportamento conduz a mais comportamento indequado (...). É fácil ver como esses conceitos combinados nos conduzem automaticamente à teoria das janelas quebradas.

Appelo conclui que, para mudar o comportamento, deve-se mudar o ambiente, tratando dos pequenos problemas:

O que se pode aprender disso? Em minha opinião, duas coisas:

  1. Grandes problemas começam como pequenos problemas que não foram cortados pela raiz quando ainda eram gerenciáveis;
  2. Se um problema é muito grande para ser tratado, ataque um problema menor que esteja relacionado.

Enfrente primeiro problemas pequenos; com isso, será necessário menos trabalho ao atacar os grandes problemas.

Peter Bergman dá vários exemplos da maneira mais fácil de mudar comportamentos e da forma como mudar o ambiente ajudou nesse processo:

Um de meus clientes queria que todos na empresa registrassem suas horas trabalhadas, e enfrentava problemas para que isso acontecesse. A abordagem da empresa era a de aderência a padrões. (...) No final perceberam que os funcionários não se importavam com a ideia de preencher a planilha e sim que estavam frustrados com a tecnologia utilizada para isso. (...) Uma vez que foi alterada a forma e a tecnologia usadas, todos começaram a registrar as horas da maneira esperada.

Um cliente estava reclamando para mim que sua recepcionista não era amigável com quem chegava à empresa. (...) Mas a ela se sentava atrás de uma janela de vidro, como um caixa de banco! Dessa forma, não precisa enviá-la para um treinamento de comunicação; apenas remova o vidro.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Dê sua opinião

Faça seu login para melhorar sua experiência com o InfoQ e ter acesso a funcionalidades exclusivas


Esqueci minha senha

Follow

Siga seus tópicos e editores favoritos

Acompanhe e seja notificados sobre as mais importantes novidades do mundo do desenvolvimento de software.

Like

Mais interação, mais personalização

Crie seu próprio feed de novidades escolhendo os tópicos e pessoas que você gostaria de acompanhar.

Notifications

Fique por dentro das novidades!

Configure as notificações e acompanhe as novidades relacionada a tópicos, conteúdos e pessoas de seu interesse

BT