BT

Ansible: uma nova opção para gerenciamento de configuração

por Marcelo Costa em 08 Abr 2013 |

Nos últimos anos, o Chef e o Puppet ganharam notoriedade no mundo de gerenciamento de configuração, mas ambos apresentam bastante complexidade para sua operacionalização. O Ansible se posiciona como a próxima geração em sistemas de gerenciamento de configuração. É independente de linguagem, usa o SSH como camada de comunicação, é fácil de instalar e capaz de se integrar com qualquer linguagem que tenha suporte a JSON.

No Ansible, os nós gerenciados não necessitam de instalações de software, ou seja, não há necessidade de instalar o Ansible em si, nem qualquer de suas dependências. Portanto, não existem daemons para gerenciar. A figura abaixo descreve a arquitetura da nova ferramenta.

Recentemente, Michael Dehaan, anunciou o lançamento da versão 1.1 do Ansible, que entre outras funcionalidades traz 21 novos módulos, incluindo módulos centrais para Ruby Gems, Mongo DB e Rapid MQ. Um dos recursos mais solicitados na lista de discussão era a existência de suporte ao "dry run", uma forma de simulação do funcionamento do módulo com a inclusão da flag "-check" nos playbooks. Também é possível agora verificar as diferenças nos arquivos de exemplo, que são alterados antes que sejam instalados em produção.

O Ansible faz uso de um arquivo de inventário, chamado "hosts", para determinar quais nós se deseja gerenciar. Trata-se de um arquivo texto simples que lista os nós individuais ou grupos de nós (por exemplo, servidores de DNS, servidores web etc), ou um programa executável que gera um inventário de hosts e variáveis.

O sistema de inventários agora suporta iventários híbridos múltiplos e simultâneos, possibilitando por exemplo um cenário com alguns nós instalados na OpenStack, alguns Amazon EC2, e alguns em um arquivo gerenciado manualmente. Com o novo tipo de arquivo de inventário pode-se gerenciar todos os nós simultaneamente e de forma simplificada.

O Ansible é focado em ambientes complexos e em nuvem, em que há necessidade de gerenciamento de grupos de nós. O projeto é open source, sendo mantido com a venda de treinamentos, consultorias para instalação e um programa de suporte. Os interessados ​​poderão ver o changelog no github para conferir as mudanças ou obter os códigos.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Dê sua opinião
Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
Marketing
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2016 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT

We notice you’re using an ad blocker

We understand why you use ad blockers. However to keep InfoQ free we need your support. InfoQ will not provide your data to third parties without individual opt-in consent. We only work with advertisers relevant to our readers. Please consider whitelisting us.