BT

Início Notícias O risco da mudança climática e o que a tecnologia pode fazer: perguntas e respostas no QCon Londres

O risco da mudança climática e o que a tecnologia pode fazer: perguntas e respostas no QCon Londres

Favoritos

Os datacenters criam mais emissões de gases do efeito estufa do que o setor de aviação, devido ao uso de energia e à disponibilidade 24x7, e o crescimento da computação em nuvem e da mineração de criptomoedas está aumentando o impacto que a tecnologia traz no nosso clima. Mover os servidores existentes para provedores que usam fontes de energia renovável ​​pode levar a melhorias climáticas em todo o planeta. Jason Box, climatologista e professor de glaciologia da Geologic Survey da Dinamarca e Groenlândia (GEUS), e Paul Johnston, CEO da roundaboutlabs, falarão sobre o risco da mudança climática e o que a tecnologia pode fazer no QCon Londres 2019.

Muitas pessoas da área de TI desconhecem o enorme impacto que a tecnologia tem sobre as Emissões de Gases de Efeito Estufa em todo o mundo, e até mesmo aqueles que são conscientes sentem-se imensamente incapacitados na área de mudança climática. No entanto, vários provedores principais de nuvem estão começando a agir. O Google compensa 100% de seu uso na nuvem com energia renovável, a Microsoft compra créditos de carbono para compensar 100% de seu uso na nuvem, e a AWS tem quatro regiões públicas que são alimentadas por 100% de energia renovável. Os usuários desses fornecedores de computação em nuvem agora podem começar a fazer uma escolha informada com relação ao impacto ambiental.

Box e Johnston argumentam que as pessoas que estão atualmente trabalhando com fornecedores que não oferecem tais programas de energia renovável ou de compensações de carbono devem começar a pedir que seus data centers e infraestrutura de nuvem sejam alimentados por energia renovável. Isso deve aumentar significativamente os requisitos de energia renovável, o que, por sua vez, deve aumentar a demanda em todo o setor. Os clientes também devem pedir maior transparência sobre o impacto ambiental e solicitar a divulgação pública de dados associados, como a pegada de carbono como um item de linha em cada conta.

Organizações individuais também podem contribuir para reduzir o impacto das emissões. Por exemplo, a equipe do QCon quer compensar o carbono dos voos para a cidade anfitriã da conferência e está comparando os fundos com os participantes que compensaram sua pegada de carbono, contribuindo para o programa de reflorestamento da Groenlândia.

Como parte do QCon Londres, que aconteceu no Centro de Conferências Queen Elizabeth II, de 4 a 8 de março, o InfoQ conversou com Jason Box e Paul Johnston sobre o que está causando a mudança climática e o que a tecnologia pode fazer para reduzi-la.

InfoQ: Why is our climate heating, and what is causing this?

InfoQ: Por que o clima está esquentando, e o que está causando isso?

Jason Box: Principalmente a combustão de combustíveis fósseis e secundariamente o desmatamento e a queima de biomassa aumentaram o CO2 atmosférico em 50% desde o ano de 1850. O efeito radiativo é equivalente a lâmpadas de 1,7W brilhando sobre cada metro quadrado da superfície da Terra. As mudanças orbitais da Terra tiveram o resfriamento do clima nos últimos 2000 anos até meados de 1850, quando um forte aquecimento começou e antecipou a próxima Era do Gelo, por uma larga margem.

Paul Johnston: Está bem claro para mim que pelas evidências que analisei o culpado pelas mudanças climáticas é a humanidade, e é em grande parte através da queima de combustíveis fósseis. 97% dos cientistas também concordam com isso, então não somos apenas nós que estamos dizendo isso.

InfoQ: O que pode ser feito para desacelerar o ritmo das mudanças climáticas?

Johnston: Precisamos fazer grandes mudanças e muito rapidamente. Para isso, precisamos de um amplo acordo e vontade política em todos os principais países do mundo para implementar o Acordo de Paris, embora mesmo isso seja provavelmente apenas o mínimo que precisamos fazer. No entanto, essa é uma grande resposta para uma grande questão. Talvez uma resposta melhor seja fazer com que nossas vozes sejam ouvidas nos fóruns e congressos certos e votarmos em partidos que melhor descrevam esses valores.

Box: Limitar as emissões diminuirá a intensidade da mudança climática. Porém, se não remover várias centenas de toneladas de carbono da atmosfera, não teremos um clima estável. Reduzir o carbono atmosférico exigirá uma resposta de múltiplas áreas, ou seja, uma única solução não pode resolver o problema. Um reflorestamento massivo não nos levará até lá. Acho que algumas respostas de estabilização virão da biotecnologia, ou seja, sequestro de CO2 baseado em plantas. A Nature desenvolveu uma solução de alta tecnologia que suga o carbono da atmosfera. Essa tecnologia é auto-replicadora e precisa apenas de luz solar e água para fazer a sua mágica E pasme, a tecnologia é chamada de fotossíntese ... é o sistema operacional das plantas.

InfoQ: Como a tecnologia pode ajudar a reduzir as mudanças climáticas?

Johnston: A maioria das pessoas que trabalham com tecnologia se sente extremamente desamparadas na área de mudança climática. A maioria também desconhece o enorme impacto que a tecnologia tem sobre as emissões de gases do efeito estufa no mundo. Os datacenters criam mais emissões do que a aviação devido ao uso de energia e à constante disponibilidade 24 horas por dia. O crescimento da nuvem também impulsiona o crescimento nessa área. As Criptomoedas e mineração delas também viram um enorme aumento no uso de energia nos datacenters nos últimos anos, com a mineração Bitcoin atualmente usando a mesma quantidade de eletricidade que Cingapura diariamente (e como o Bitcoin definitivamente não está incentivando energia verde como muitos acreditam). Então, há algo simples que o mundo da tecnologia pode fazer:

Mover seus servidores para datacenters e provedores de nuvem que usam fontes renováveis ​​de eletricidade.

Uma resposta rápida é olhar para o Google que compensou 100% do uso da nuvem com energia renovável, a Microsoft que compra créditos de carbono para compensar 100% do uso da nuvem e a AWS que tem quatro regiões públicas alimentadas por 100% de energia renovável: Irlanda, Frankfurt, Montreal e Oregon.

Box: As perspectivas são boas para o pequeno país da Groenlândia. O país tem um potencial hidrelétrico grande e inexplorado e um governo muito interessado em aumentar sua soberania econômica através de datacenters. A água é fria e o sistema político está disposto.

InfoQ: Qual pode ser o impacto se a maioria dos datacenters migrar para energia renovável?

Box: Temos mais uma chance de cumprir o acordo de Paris. Neste momento, limitar o aquecimento global a menos de 2ºC parece duvidoso. Os datacenters devem e já estão sendo renováveis.

Quando as geleiras começarem a passar mais nos jornais, quando o Ártico se abrir, veremos as questões do clima nas agendas geopolíticas.

Johnston: Se os clientes começarem a pedir que seus datacenters e servidores de nuvem sejam alimentados por energia renovável, isso deverá aumentar significativamente as demandas de datacenters por energias renováveis, o que, por sua vez, aumentará a demanda como um todo. Como o mercado de datacenter é um mercado crescente dentro do setor de energia, isso significa que ele deve aumentar o investimento em tecnologias renováveis, e isso apenas aumentaria as chances de melhores tecnologias atingirem o mercado mais amplo mais rapidamente.

Não é apenas uma vitória para o cliente, mas pode levar a melhorias em todo o planeta. Minha esperança é que as empresas de tecnologia mais ricas que executam os principais serviços em nuvem estejam na equação em termos de inovação e recursos.

InfoQ: Como as empresas podem saber com certeza que os provedores usarão fontes de energia renováveis para os servidores onde seus aplicativos estão sendo executados?

Johnston: Não podemos ter a certeza sem ter dados. No momento, dependemos das próprias empresas que compartilham seus próprios dados com os clientes. Infelizmente, os dados também são relativamente difíceis de entender, apesar de que dar porcentagens seja algo útil, e 100% é um bom número, a maioria das população não entende o que "100% de compensação" realmente significa. No entanto, isso seria significativamente melhor se os fornecedores mostrassem a pegada de carbono como um item de linha das despesas, pois isso permitiria que os clientes vissem o impacto de sua tecnologia e dessem a eles uma maneira de contornar este problema. Eu não tenho certeza se isso vai acontecer.

Alguns dos fornecedores, por exemplo Google e Microsoft, seriam capazes de afirmar que seus serviços em nuvem são 100% compensados e, portanto, a linha de pegada de carbono da conta seria zero, porém isso é meio controverso, pois depende de como é feita uma compensação e se realmente está sendo compensado o carbono é usado. É uma área que realmente precisa de trabalho.

Box: Rastrear elétrons requer criptomoeda?

InfoQ: Você pode nos contar sobre as árvores da Groenlândia? Quem são e qual é a missão delas?

Box: Desde 2015, venho ocupado com o plantio de árvores em S. Groenlândia, e as árvores estão prosperando. Na verdade, as pessoas plantaram 300 mil árvores desde a década de 1970. Várias árvores plantadas há mais de um século em 1892 permanecem vivas.

Imagine o clima de Oslo. É a mesma latitude. O clima no topo dos fiordes da Groenlândia é ensolarado.

Em parceria com o QCon, estabelecemos um serviço de redução e compensação de carbono, uma instituição de caridade com dupla instituição de caridade da UE e 501c3 status fiscal nos EUA. Vá para a GreenlandTrees.org para compensar suas viagens aéreas e observar nossas florestas crescerem. Estaremos informando sobre o progresso do crescimento por um futuro indefinido.

Estou muito familiarizado com a logística para obter mudas de viveiros islandeses para a Groenlândia a um custo de 3,5 euros por muda. Assim, pode-se compensar uma viagem de Londres a São Francisco por 40 euros com 10 mudas. Por favor pessoal, pegue seu telefone e defina seu legado. As árvores estarão lá depois a gente se for.

O InfoQ perguntou a Roxanne Beverstein, co-fundadora e vice-presidente de vendas da C4Media, sobre a colaboração entre o QCon e a Greenland Trees:

Roxanne Beverstein: Achamos que é nossa responsabilidade como empresa considerar nosso impacto no meio ambiente; É por isso que iniciamos o programa Carbon Offset para nossos eventos QCon. Sabemos que o maior componente individual de nossa pegada de carbono é daqueles que voam para participar da conferência. Por isso, escolhemos nos concentrar em compensar o carbono da aviação e contribuiremos para o programa de reflorestamento da Groenlândia chamado Greenlandtrees.org.

O QCon contribuirá com até US $ 5 mil em fundos correspondentes para os participantes que compensarem sua pegada de carbono contribuindo para o programa de reflorestamento da Groenlândia de Jason. Este é um programa de crowdfunding com uma meta de US $ 40 mil, que permitirá que Jason e sua equipe plantem 10 mil árvores ou compensem o carbono criado por mais de mil vôos de ida e volta de São Francisco para Londres. De acordo com Jason, "Este programa ajudará a reduzir o carbono atmosférico e também ajudará a diminuir a mudança climática". O financiamento atual para o programa é de US $ 5.159.

Há informações sobre este programa no site do QCon Londres com um link para o projeto de reflorestamento na seção "evento não oficial" do site.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

BT

Seu cadastro no InfoQ está atualizado? Poderia rever suas informações?

Nota: se você alterar seu email, receberá uma mensagem de confirmação

Nome da empresa:
Cargo/papel na empresa:
Tamanho da empresa:
País:
Estado:
Você vai receber um email para validação do novo endereço. Esta janela pop-up fechará em instantes.