BT

Início Notícias Lições aprendidas com a inovação no Google: enquadre o problema, use dados e defina o MVP

Lições aprendidas com a inovação no Google: enquadre o problema, use dados e defina o MVP

Favoritos

As boas idéias, que são inovadoras e úteis vêm principalmente de duas fontes, dos usuários-chave e das pessoas que trabalham na organização, não necessariamente dos "gerentes de produto", disse Yariv Adan no Agile Greece Summit 2019. Experimentar pode nos ajudar a materializar as ideias em produtos e tecnologias reais, mas antes de fazermos isso, precisamos decidir quais ideias tomaremos essa ação. Enquadrar o problema, usar dados e definir o produto mínimo viável (MVP) pode nos ajudar a aumentar as chances de sucesso na inovação.

Nosso papel é focar nos usuários e encontrar o problema. Não devemos ficar obcecados com a solução que encontramos. Em vez disso, devemos verificar constantemente se o problema foi resolvido para os usuários, da melhor maneira possível e, conforme confirmamos, novas idéias e necessidades irão se revelar. "Essas são idéias e necessidades que nunca poderíamos criar, sem sair de nossas salas, onde o brainstorming acontece", argumentou Adan.

Em relação às ideias vindas das pessoas da organização, muitas vezes não são colaboradores seniores ou mesmo gerentes de produto, normalmente serão as pessoas que estão próximas do problema, dos produtos, dos mecanismos e dos usuários. Muitas vezes, esses engenheiros são relativamente jovens e gerentes de suporte ao cliente ou gerente de contas.

Adan sugeriu que o papel dos gerentes é garantir que os dados e a comunicação fluam na organização, de modo que os funcionários tenham contexto estratégico suficiente para entender o que a empresa está tentando alcançar e que existem canais de comunicação eficazes para fornecer as ideias, independentemente do cargo, ou seja, sem serem filtradas e mal interpretadas pelas camadas mais altas da hierarquia.

Não há como ter certeza de quais ideias valem a pena serem experimentadas. Como Adan afirmou: "Ainda não encontrei uma bola de cristal confiável". Por fim, Adan mencionou algumas boas práticas que podem aumentar nossa chance de sucesso:

  1. Verificar se temos um enquadramento articulado do problema do usuário que estamos focando. Os empreendedores geralmente ficam muito entusiasmados e apegados à "frieza" da solução, a engenhosidade, inovação técnica ou apelo de design. No entanto, o valor real para os usuários é se resolvemos um problema, normalmente, aquele que é difícil de ser concluído. Portanto, podemos começar com um foco claro em um problema real, grande, crescente e não resolvido do usuário;
  2. Tornar os dados uma moeda de decisão. Os dados, não opiniões ou níveis de trabalho, devem ser usados ​​para decidir se vamos para uma direção ou não. Isso significa que nós definimos quais são as metas mensuráveis ​​que desejamos atingir (abrangendo qualidade, engajamento e satisfação do usuário), garantindo que tenhamos a infraestrutura técnica para medi-las em experimentos e otimiza o produto para maximizar essas métricas. Claramente, isso não substitui o senso comum saudável e o pensamento crítico;
  3. Ser mais crítico. Com base no exposto, definir o MVP. Sejamos implacáveis ao cortar recursos e interfaces do usuário que não sejam 100% críticas para o valor principal do usuário que estamos segmentando. Levemos essa versão para as mãos dos usuários o mais cedo possível e a partir daí, iniciamos a iteração.

Adan mencionou que, à medida que tentamos resolver um problema do usuário, muitas vezes descobrimos que o simplificamos demais e que a solução começa a tratar apenas de partes dele ou é bloqueada por outros problemas relacionados que nem sequer consideramos. "Não podemos nos desanimar. Esses problemas são nossos amigos, nossos requisitos, nossas oportunidades de valor agregado". Adan sugeriu não nos apegarmos muito a nenhuma solução específica, mas sim ficar obcecado com o problema.

Yariv Adan, líder de produto do Google Assistant, palestrou na Agile Greece Summit 2019 sobre Inovação em escala no Google. O InfoQ o entrevistou sobre a criação de problemas para os usuários.

InfoQ: Foi mencionado que é importante termos um enquadramento articulado do problema do usuário que estamos focando para decidir quais ideias valem a pena experimentar. Poderia nos dar um exemplo?

Yariv Adan: Um exemplo que gosto de citar é a pesquisa no Google, porque todo mundo está familiarizado. Quando Larry e Sergey lançaram o Google, a solução e a grande inovação foram uma nova maneira de classificar os resultados e, de fato, foi algo mágico. Mas descobriram rapidamente que isso não era o suficiente.

Os usuários ainda não conseguiam acessar o conteúdo que procuravam, e isso não tinha nada a ver com classificação. Quando analisaram as consultas de pesquisa dos usuários, descobriram que tinham erros de ortografia e isso os impedia de obter o conteúdo correto. Então lançaram a correção automática de ortografia, o "você quis dizer?". Ambos descobriram que alguns usuários simplesmente não sabem como formular as consultas e lançaram sugestões de pesquisa. Também perceberam que alguns dados simplesmente estavam faltando na internet e lançaram mapas, notícias, pesquisa de imagens, livros, etc.

Nenhuma dessas soluções estava no plano original e muito provavelmente ninguém as faria se não fosse a Google. Mas foram essas inovações e muitas outras que fizeram a empresa pesquisar o que é. Não poderia ter acontecido sem ter o problema e ouvir atentamente os usuários.

InfoQ: Como as idéias são incorporadas aos produtos e tecnologia atuais?

Adan: Idealmente, encontramos uma maneira rápida e leve de testar idéias e suposições, antes que entrem no produto. O princípio orientador é incorporar o feedback do usuário no processo de desenvolvimento o mais rápido possível (e verificar se temos uma maneira de medir e analisar), podendo ser:

  1. Estudos qualitativos dos usuários em pequena escala para validar suposições e obter feedback direto sobre necessidades, produtos e interface do usuário. Isso pode ser feito com protótipos simples;
  2. Versões pré-alfa do teste de sanidade do valor principal do usuário, dentro da equipe ou da empresa, permitindo que nos concentremos nos principais recursos, não precisamos nos preocupar com a escala, distribuição, pesquisa e até podemos ignorar problemas conhecidos e funcionalidades ausentes que não estejam bloqueando os recursos críticos;
  3. Executar experimentos quantitativos A/B na produção para um pequeno percentual de usuários, monitorando as métricas de sucesso e otimizando.

Frequentemente, passamos por dois ou três passos descritos acima, antes de iniciar completamente uma funcionalidade.

InfoQ: O que vocês aprenderam com a inovação no Google?

Adan: Algumas das coisas que aprendi são:

  1. A inovação não pode ser ordenada. No entanto, podemos criar um ambiente no qual evolua e floresça organicamente. Promover a inovação requer investimentos significativos e contínuos em toda a empresa, sendo os principais pilares:
    1. Contratar as pessoas certas e reconhecer a inovação;
    2. Termos uma missão que inspire inovação;
    3. Termos um ambiente empoderador, esse é o elemento mais importante e é sobre este tema que estamos falando.
  1. Grandes idéias vêm do:
    1. Envolvimento com os usuários durante o processo:
      1. Focar nos usuários e nos problemas;
      2. Colocar os produtos mais cedo nas mãos dos usuários e buscar o feedback.
    2. Envolvimento da organização ou empresa de maneira mais ampla no processo:
      1. Criar um ambiente aberto onde as ideias possam fluir livremente;
      2. Usar dados como moeda de decisão;
      3. Capacitar as pessoas a buscar ideias.
  1. A inovação é disruptiva por natureza, permita disrupções:
    1. Incentivando e apoiando a tomada de riscos e falhas;
    2. Permitindo a flexibilidade dos processos;
    3. Abraçando o atrito que vem com essas ações.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Conteúdo educacional

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

BT

Seu cadastro no InfoQ está atualizado? Poderia rever suas informações?

Nota: se você alterar seu email, receberá uma mensagem de confirmação

Nome da empresa:
Cargo/papel na empresa:
Tamanho da empresa:
País:
Estado:
Você vai receber um email para validação do novo endereço. Esta janela pop-up fechará em instantes.