BT

Início Artigos Relatório de tendências do Scrum Master para 2019

Relatório de tendências do Scrum Master para 2019

Favoritos

Pontos Principais

  • O papel do Scrum Master está crescendo em uso e importância;
  • Em muitas empresas, os Scrum Masters estão gerando mudanças em nível corporativo;
  • O Scrum está sendo usado com abordagens adicionais, como Kanban e XP;
  • Os salários para o Scrum Masters cresceram em 2018 com o amadurecimento do papel nas empresas;
  • A diferença de salários entre os gêneros está diminuindo, com mulheres Scrum Master ganhando, em média, mais do que os homens.

O relatório sobre as tendências do Scrum Master em 2019 publicado em conjunto pela Scrum.org e Age of Product, explora as tendências salariais, padrões de adoção agile e equidade de gêneros no papel de Scrum Master. Com base nas respostas de mais de 2100 participantes em 13 países diferentes, os pontos chave do relatório concluem que:

  • 81% dos entrevistados usam o Scrum com outras práticas agile, por exemplo Kanban, DevOps ou XP;
  • Os salários de profissionais do sexo feminino tendem a ser mais alto que masculino.
  • Scrum Masters com treinamento formal e certificação agile tem salários mais altos do que aqueles que não tem;
  • As tendências de adoção do agile mostram que 7% continuam utilizando a abordagem waterfall enquanto 11% estão maduros em seu processo de adoção, o restante dos participantes são early adopters (pessoas que experimentam a ferramenta ou solução sem que esta esteja finalizada) ou estão aumentando os níveis de adoção.

O questionário foi baseado no 2017 State of Scrum Master Salary Report, no qual as perguntas foram categorizadas em tópicos incluindo tendências de adoção, escalas do framework e práticas complementares ao Scrum.

O InfoQ conversou com Dave West, Chief Product Owner da Scrum.org e com Stephan Wolpers, agile coach, sobre o relatório sobre tendência do Scrum Master.

InfoQ: O que o relatório de tendências do Scrum Master aborda?

Dave West: A pesquisa contribuiu para o sucesso do Relatório Salarial do Scrum Master 2017 feito pela Age of Product, expandindo seu alcance (número de pessoas entrevistadas) e profundidade (número de perguntas feitas). Nos concentramos no papel do Scrum Master, descrito como fundamental nas transformações ágeis. Analisamos as ferramentas e os modelos de processos que estavam utilizando, assim como seu posicionamento na empresa. Também continuamos nossa análise sobre carreira e salário.

Stefan Wolpers: Embora o conjunto de dados da primeira pesquisa fosse aceitável, tínhamos a intenção de ampliar a base estatística com uma segunda pesquisa, além de melhorar sua precisão. A parceria com o Scrum.org quadruplicou o número de entrevistados. O que começou como um projeto paralelo em 2017, criado por curiosidade, agora tem o potencial de se tornar um padrão global para indústria.

InfoQ: Quais as principais tendências que o Scrum Master deveria conhecer?

West: Escrevi um pouco sobre o que penso no conceitos chave do artigo Thoughts on the 2019 Scrum Master Trends Report em Scrum.org. Resumindo, os pontos o que acho interessante são:

  • Impulsionar a transformação ágil - Falamos muito sobre a importância dos frameworks, modelos organizacionais e suporte executivo. Todas essas coisas são importantes, mas assim como qualquer transformação, tudo é baseado em pessoas. Essas "coisas" estão frequentemente muito distantes das equipes que entregam valor. Algo realmente interessante extraído dos dados foi que 45% dos Scrum Masters estão conduzindo mudanças e a transformação ágil em suas organizações. Isso é interessante e significa que o Scrum Master é muito mais do que eliminar ou substituir do papel de "Gerente de Projeto";
  • Escalar o agile. Não é surpresa que muitas empresas estão escalando sua abordagem agile. Mas a ideia de que existe somente um método para escalar a abordagem está mudando. Falaremos mais sobre isso a seguir;
  • O papel do Scrum Master está amadurecendo e considerando que o Scrum tem mais de 25 anos, isso não é uma surpresa. Significa que as empresas precisam pensar sobre caminhos de carreira e observar as habilidades do Scrum Master de uma forma mais ampla. Observamos tendências e isso nos encorajou a criar um novo treinamento chamado Professional Scrum Master II. Esse treinamento ilustra a maturidade do papel pois seu objetivo não é ensinar Scrum, a intenção é focar no impacto do Scrum nas empresas;
  • O treinamento não trata de um o mundo de Kanban contra Scrum, ao invés disso essas duas abordagens estão sendo utilizadas de forma eficiente quando trabalhadas juntas. É fantástica a forma como a maturidade de ideias se destaca quando as pessoas começam a entender que o Scrum se beneficia das ideias de fluxo, visualização e mensuração;
  • A certificação parece ser importante - uma parte fundamental no questionário são os dados que coletamos sobre os salários e como este é afetado por outras variáveis como certificação, educação e ambiente. O crescente movimento do papel do Scrum Master está obviamente ficando mais profissional e as pessoas estão fazendo mais treinamentos formais e se certificando.

Wolpers: Primeiramente, começar a ler o manual - mais conhecido como Scrum Guide. O mundo da transformação ágil ficou tão complexo que voltar nos primeiros princípios como: Valores do Scrum e Empirismo, prova ser muito útil para identificar a solução para um problema. (Há um efeito colateral agradável na crescente apreciação do papel do Scrum Master: ele também ajudará a reduzir a porcentagem de abordagens "Scrum But" e finalmente impulsionar a aplicação do Scrum conforme a intenção inicial.)

Em segundo lugar, parar de pensar em categorias de Scrum Masters e Agile coachs e, ou pior ainda, que este último é um plano de carreira para o primeiro. Acredito que o ambos tenham praticamente a mesma função. A ideia é impulsionar a mudança em todos os níveis: da liderança sênior para a equipe individual do Scrum. É este espectro de experiência prática que torna o papel do Scrum Master tão versátil. Se o Scrum for aplicado conforme planejado, não há necessidade do papel do coach agile. Somos todos coachs.

InfoQ: O relatório menciona que 49% das empresas que escalam o agile não estão utilizando um framework específico como SAFe, Nexus, LeSS, ou DAD. O que isso representa?

West: Isso mostra que as pessoas estão começando a olhar fora da "hype" de "uma solução para todos", e perceberam que um bom praticante de agile busca ideias que podem ajudar a partir de diversas fontes. Escalar o agile é realmente difícil e não existe uma formato adaptável a tudo. Não existe bala de prata. Aumentando o número de pessoas em um único empreendimento integrado, quebra-se muitas ideias necessárias para ser ágil, esses compromissos podem ser ou não necessários. É importante observar os frameworks e pegar suas ideias sobre quando fazer X ou tentar Y. Eles não resolvem todos problemas mas oferecem um ponto de vista diferente. Cada framework utilizado para escalar o agile vem com conjunto de assertivas e é importante dar um passo para trás e pensar como essas assertivas afetam os três fundamentos do agile como empirismo, auto-organização e melhoria contínua. Estou contente sobre o que as pessoas estão pensando em relação a escalar o agile, a partir de muitas perspectivas e quebras de paradigmas normalmente associados com alguns frameworks.

Wolpers: Espero que vejamos essa tendência aumentar com o tempo e que as empresas, particularmente aquelas no início da transformação, sejam menos propensas a acreditar no "pacote agile" - formato mais oferecido pelas consultorias - é uma maneira adequada de evoluir para uma organização ágil.

O ponto central é adaptar qualquer transformação para as particularidades de cada empresa. Contrariando a crença popular de que, "ninguém será demitido por escolher a IBM", que não se aplica ao SAFe®.

InfoQ: Existe uma grande variedade de papéis que as pessoas tiveram antes de serem um Scrum Master. Qual sua visão sobre isso?

West: A jornada para se tornar Scrum Master parece ser muito variada e acredito que isso pode ser bom. Ser uma pessoa de confiança para a equipe, mas ainda ser capaz de dar um passo para trás e fornecer diferentes pontos de vista são ingredientes importantes deste papel. Isso faz com que um simples plano de carreira seja difícil de prever. Por exemplo, se a equipe é profundamente técnica resolvendo problemas muito técnicos, para ter um algum nível de credibilidade o Scrum Master deve ter um background técnico. Ambientes com problemas diferentes requerem pessoas diferentes.

O desafio de misturar essa jornada é que não existe um simples conjunto de habilidades que todos os Scrum Masters possuam. Por exemplo, para muitos Scrum Masters o coaching é a habilidade principal, eles utilizam o tempo trabalhando com o time de desenvolvimento, product owner e coaching de liderança e então mostram como aplicar as ideias chave do Scrum. Outros Scrum Masters não acreditam que deveriam ser um coach focado nas abordagens de gerenciamento tradicional. A falta de uma descrição clara sobre o que o Scrum Master deveria ou não levar a Scrum.org a construir o digital learning paths. Esses caminhos de aprendizagem fornecem uma visão clara de quais habilidades os Scrum Master necessita. Com o papel do Scrum Master amadurecendo, um fundamento consistente sobre suas atribuições é crucial para o sucesso a longo prazo.

Wolpers: Por um lado, acredito que o nível de variedade resulta da diversidade de papéis necessários para construir novos produtos digitais. Concordo com Dave que isso é uma coisa boa, praticantes experientes estão adotando práticas ágeis.

Por outro lado, isso também demonstra que o Scrum e outras práticas ágeis ainda são desvalorizadas como assunto acadêmico. O mundo agile seria um lugar sombrio sem ofertas educacionais como as que Dave mencionou.

InfoQ: Muitas empresas ainda estão no processo de adoção ou no início da adoção do agile. Não é surpreendente, já que o manifesto ágil foi publicado em 2001?

West: Para citar a famosa economista Carlota Perez, estamos navegando da era da produção em massa para a era digital. Não é surpresa que o processo seja difícil e as coisas demorem. A realidade é que existem empresas que gerenciam essa transição e empresas nativas digitais, nas quais a agilidade é uma maneira natural de abordar o trabalho e agregar valor. E há muitos executivos e equipes que compreendem isso, mas o restante da empresa demora para mudar. No entanto, sou otimista em relação ao momento certo para mudança. Esse otimismo vem da minha experiência de ver quando funciona, ver o impacto que pode causar em termos de maior valor entregue, equipes felizes e pessoas que querem ajudar os outros a melhorar.

Wolpers: Não estou surpreso, velhos hábitos - aqueles convenientes e lucrativos - como abraçar o paradigma de gestão da era industrial são difíceis de morrer. Por que você voluntariamente confiaria sua habilidade de colocar seus filhos na faculdade e pagar sua hipoteca a um bando de nerds que prometem entregar algo valioso se você os deixassem se auto-organizar?

O problema com esse dogma é que estamos trabalhando o Modelo T cada vez menos, porém, temos que ir aonde ninguém jamais foi, inovando e sendo perseguidos pela competição. E, dada a velocidade e a complexidade cada vez maiores, até os executivos mais devotos estão percebendo agora que lançar mais orçamento no PMO não manterá o velho navio à tona.

Portanto, não me surpreende que a maioria das empresas ainda estejam em fase de adoção. Como Dave falou, também estou confiante que, dentro de alguns anos, até mesmo os retardatários de hoje adotarão a ideia de se tornar uma organização ágil e focada no aprendizado.

InfoQ: Em 2017, o primeiro relatório sobre os salários do Scrum Master foi publicado. Como os salários deste profissional têm evoluído?

Wolpers: Geralmente, podemos observar uma tendência positiva, refletindo o aumento da demanda por Scrum Masters qualificados. O que ainda me intriga, no entanto, é a compensação relativamente baixa que os Scrum Masters europeus recebem. ($76,889.00 por ano em 2018) Espero que esteja apenas indicando que o velho continente está atrasado em relação à tendência de agilidade nos negócios.

West: O que temos visto com os salários é um movimento estatístico crescente. Em 2017, aproximadamente 26% das pessoas tinham um salário anual entre U$50,000 e U$75,000. No estudo mais recente, esse número cai para 21%, enquanto o intervalo de U$75,000 a U$100,000 aumentou de 16% para 21% e U$100,000 até U$125,000 aumentou de 14% para 18%. Ao olhar para o gênero dos trabalhadores, as mulheres também estão progredindo. Em 2017, 28% das mulheres faturaram mais de U$100,000, enquanto na pesquisa mais recente esse percentual subiu para 36%. Já os homens aumentaram apenas 2% na mesma faixa.

InfoQ: O que você espera do futuro para o Scrum Master?

Wolpers: Será um futuro brilhante quando conseguirmos superar os equívocos que ainda parecem guiar empresas notavelmente maiores e que estão atrasadas para o 'Agile', ou seja, considerar o Scrum Master como sendo um papel tático, ajustando equipes e certificando-se de que o código seja entregue. Se apoiado da maneira correta, o papel do Scrum Master tem o potencial de ser um dos papéis centrais dentro de uma empresa, aspirando aprender como inovar mais rápido do que a concorrência.

West: Realmente acredito que estamos no início de uma mudança fundamental em como as pessoas ajudam as outras a entregar um trabalho complexo. O papel do Scrum Master sempre foi visto por Jeff e Ken como agente de mudança, uma pessoa que conduz as ideias de agilidade para a equipe, para os negócios e a para empresa. Diferente de um gerente, alguém que apóie a equipe e seja responsável por criar um ambiente para a agilidade prosperar. Atualmente, estamos em transição, mudando da ideia de trabalho gerenciado para autogerenciado, de especialistas para equipes e de trabalho alinhado ao processo para trabalhar alinhado ao cliente e ao resultado. O Scrum Master está no meio dessa transição. Se tiverem sucesso, as empresas irão prosperar e se falharem, as empresas terão dificuldade em se tornar mais ágeis. Com o tempo, acredito que o papel do Scrum Master terá menor tempo gasto dirigindo essa mudança e mais tempo focado na melhoria contínua e na adaptação. Eles estarão focados com a liderança ágil e ao invés de fazer com que o fluxo de trabalho e o valor sejam entregues. Eles serão os facilitadores da agilidade ao invés de serem os motivadores da agilidade .

Sobre os entrevistados

Dave West é o Product Owner e CEO da Scrum.org. Palestrante keynote, autor de diversos artigos e co-autor de dois livros, "The Nexus Framework For Scaling Scrum" e "Head First Object-Oriented Analysis and Design". Twitter @davidjwest

Stefan Wolpers trabalhou durante muitos anos como gerente de produto, Product Owner e Scrum Master. Ele fundou diversas empresas e liderou o desenvolvimento de software B2C e B2B para startups VC-backed, incluindo uma antiga subsidiária da Google. Ele é um colaborador regular da comunidade agile e organiza o Agile Camp Berlin. Twitter: @StefanW

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

BT

Seu cadastro no InfoQ está atualizado? Poderia rever suas informações?

Nota: se você alterar seu email, receberá uma mensagem de confirmação

Nome da empresa:
Cargo/papel na empresa:
Tamanho da empresa:
País:
Estado:
Você vai receber um email para validação do novo endereço. Esta janela pop-up fechará em instantes.