BT

H.264 torna-se gratuito para vídeos na internet

por Alex Blewitt , traduzido por Lucas Souza em 27 Ago 2010 |

A MPEG LA,que detém a patente do formato de vídeo MPEG H.264, recentemente havia ampliada a sua promessa de tornar livre o formato de vídeo para internet.

Em uma Press Release (pdf) ontem, eles confirmaram a confirmação da licença grátis, mas haviam prometido não cobrar até Dezembro de 2015.

MPEG LA anunciou hoje que sua patente AVC continuará a não cobrar royalties para vídeos da internet que são livres para usuários finais (conhecido como “Internet Broadcast AVC Video”) durante toda a vida desta licença. A MPEG LA anunciou previamente que não iria cobrar royalties de vídeo, até 31 de dezembro de 2015 (veja em  http://www.mpegla.com/Lists/MPEG%20LA%20News%20List/Attachments/226/n-10-02-02.pdf), e no anuncio de hoje tornou claro que os royalties continuarão a não ser cobrados para tais vídeos depois desta data. Produtos e serviços diferentes do Internet Video Broadcast AVC continuarão a render royalties.

O uso do H.264 para fins comerciais tem sido coberto por uma licença de uso comercial da tecnologia; sites como YouTube tem feito broadcasting de conteúdo com o H.264 gratuitamente em toda a web por algum tempo. Mas a sua inclusão em decoficaroes de hardware, tais como Blue Ray e Iphones, continuarão a ser considerados nos aspectos comerciais e nas licenças comerciais.

Esta afirmação tem sido precipitada em relação as discussões sobre os diferentes formatos para a tag de vídeo no HTML5. (Para entender melhor, veja Dive Into HTML5's look e a cobertura do InfoQ aqui e aqui.). O problema é que não existe um formato oficialmente definidos nos padrões do HTML5, como explicado por Ian Hixson na mailing list do WhatWG no ano passado:

  • Apple recusa-se a implementar o Ogg Theora por padrão no QuickTime (usado pelo Safari), citando a falta de suporte de hardware e uma incerteza quanto a patente.
  • Google implementou os padrões H.264 e Ogg Theora no Chrome, mas não pode fornecer a licença do codec H.264 para distribuidores terceirizados do Chromium, e deram uma opinião que a qualidade do Ogg Theora não é ainda adequado ao volume movimentado pelo Youtube.
  • Opera recusa-se a implementar o H.264, citando custo obsceno referente as licenças sobre a patente.
  • Mozilla recusa-se a implementar o H.264, eles não estão aptos a obter uma licença que cobre seus distribuidores downstream.
  • Microsoft ainda não comentou seus pensamentos em relação ao suporte a tag <video> até o momento.

Desde então, o Google adquiriu o On2, e liberou seu VP8 codec as WebM. (A Microsoft declarou-se posteriormente a favor do H.264)

Browsers que já haviam resolvido por padronizar o Theora irão também apoiar WebM; portanto, com o anúncio de hoje é improvável que a mudança da cenário favoreça o H.264. No momento, a licença somente valerá para vídeos encodados no H.264, para a web, e gratuitos; então para vídeos pagos (tais como a iTunes store) será pedido uma licença específica, assim como para desevolvimento e distribuição de programas que podem decodificar H.264. O Safari continuará a usar o H.264, e o Google continuará a usar ambos, o H.264 e o WebM; mas o Opera e o Mozilla Firefox continuarão a não suportar os vídeos encodados como o H.264.

Em uma análise profunda percebeu-se que o WebM tem uma especificação que é mal escrita e, até o momento, postulado que existiam semelhanças suficientes entre WebM e H.264 para anular qualquer benefício de ser (aparentemente) livre de patentes. Uma análise das áreas mais problemáticas destaca onde o WebM e o H.264 coincidem. Na construção de um decodificador mais rápido WebMr para ffmpeg, a implementação do WebM foi construída com apenas 1400 linhas de código em cima da aplicação H.264 já está presente.

O último confronto entre gato e rato não mudará o cenário na terra dos browsers; portanto, isso significará que não há nenhuma razão para parar de usar H.264 para distribuir vídeos livremente na internet após 2015. As patentes ainda permanecerão, e o licenciamente será obrigatório para softwares decodificaroes - assim os browsers continuarão com seus codecs de vídeo atuais. Mas o futuro do enconding de vídeos na internet ainda é uma questão em aberto.

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

LIVRE? by Rodrigo Silva

LIVRE? A tradução não seria GRATUITO? Quem é livre é o WebM.

Re: LIVRE? by Lucas Ap. Souza

Tem razão Rodrigo, alterei o título da notícia. Obrigado pela sugestão.

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

2 Dê sua opinião
Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
Marketing
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2016 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT

We notice you’re using an ad blocker

We understand why you use ad blockers. However to keep InfoQ free we need your support. InfoQ will not provide your data to third parties without individual opt-in consent. We only work with advertisers relevant to our readers. Please consider whitelisting us.