BT

Medindo valor na adoção do Agile

por Ben Linders , traduzido por Jonas Beto em 18 Jun 2014 |

Ao definir um caso de negócio para adoção do Agile, pode surgir a questão de como será medida o valor de negócio será entregue ao utilizar o desenvolvimento ágil de software.

Neste post sobre métricas ágeis: Michael Moore explica porque é importante usar um processo de mensuração de valor para medir o valor entregue através do agile:

(…) Agile não trata apenas da eficiência, mas também é focado na eficácia (entrega de valor). Afinal, não adianta em nada ter um processos e métodos que ajudam a entregar mais rápido com custo menor, mas que no final não entrega valor para os usuários finais! Dessa forma, o Agile oferece a promessa de que ambos podem diminuir os custos e aumentar a receita.

Assim, caso a sua ênfase na adoção do Agile seja apenas a eficiência, ótimo! Provavelmente aparecerá os resultados esperados e as entregas acontecerão mais rapidamente. Mas se isso excluir o foco no aumento de valor e de receita (ou seja, o resultado do produto), então na realidade, está apenas adiando o inevitável: a morte da sua organização. Nenhuma redução significativa de custo pode compensar a falta de produção de receitas.

Michael fala sobre a aplicação das chamadas "Métricas Piratas" para medir o valor do Agile: aquisição, ativação, retenção, encaminhamento e receita. Quando medimos valor, inicialmente o foco deve ser em métricas que fornecem informações sobre a aquisição do Agile. Quando a aquisição aumenta, o foco da medição deve mudar para a ativação:

Com este modelo tomado como exemplo, quando voltamos novamente para o lado operacional e processos da transformação do Agile, o que consideramos ser nossas métricas? Será que a receita é equivalente a velocidade (eu sei, não se comparam!)? Será que a aquisição é equivalente ao número de pessoas que passaram pelo treinamento?

No início, o InfoQ.com entrevistou Capers Jones sobre como medir valor na adoção ágil. Carpers mencionou algumas medidas básicas que podem ser usadas ao migrar de uma metodologia para a outra; essas métricas podem ser usadas ​​para medir o valor do Agile:

Para medir produtividade, os dois critérios mais amplamente utilizados no mundo são "pontos de função por pessoa/mês" e seu recíproco, "horas de trabalho por pontos de função". Para efeitos de julgamento de produtividade, as taxas acima de 10 pontos de função por pessoa/mês são consideradas boas; taxas abaixo de 7 pontos de função por pessoa/mês não são tão boas. Alguns projetos ágeis superam 15 pontos de função por pessoa/mês, e isso quase nunca acontece quando usamos Waterfall.

Para medir a qualidade, os critérios mais efetivos são "potenciais defeitos" normalizados com a utilização de pontos de função e "eficiência de remoção de defeitos". Potenciais defeitos são mensurados com a soma dos erros que serão encontrados em requisitos, projeto, código, documentos e correções ruins. Um potencial defeito de 5 por ponto de função é ruim; um defeito abaixo de 3 por ponto de função é bom.

Ken Schwaber escreveu um post sobre o valor do Agile no qual discute como medir o valor criado por um investimento em TI:

(...) o valor é definido como o benefício financeiro que uma organização recebe pelas despesas. Quando medido, o valor pode abranger toda a organização, ou ser limitado, como uma única divisão ou uma linha de produtos. Independentemente disso, ele deve abranger as áreas afetadas pela despesa.

O valor organizacional de investimentos pode ser medido com uma única métrica chamada de índice de agilidade, que é definido pelo Agility Path Framework. Esta métrica combina os resultados de várias métricas:

  • métricas operacionais, medindo a eficiência de uma organização. Estas métricas são fortemente inclinadas em direção à área de TI, tanto o desenvolvimento de software quanto a implantação do mesmo na organização. Eles incluem o fluxo, o tempo de ciclo (Cycle Time), de estabilização, de qualidade, taxa de utilização, e o tempo de ciclo para liberação (Release Cycle Time). A Eficiência da Operação dos Negócios não está incluída nessas medidas, mas serão abordadas em 2014 como parte do Programa Kotter Internacional Accelerate! de John Kotter;
  • métricas organizacionais, que medem o impacto da eficiência do investimento no mercado e o acúmulo do valor da organização. Essas métricas são o rendimento por funcionário, cliente e satisfação dos funcionários, e a relação de custo do produto versus sistema.

Ainda é possível medir o valor que é entregue no final de uma Sprint do Scrum, como Ken descreve:

Num projeto ágil, cada Sprint ou iteração é um projeto completo. Tem requisitos, orçamento e data de vencimento. No final, tem um conjunto completo de funcionalidades de software. Baseado no que é concluído, outro projeto pode ou não ser iniciado, adicionando mais funcionalidades para a funcionalidade que acabou de concluir. Cada Sprint é medida por conta própria.

O post do Blog do Cutter mostra que é muito fácil medir o valor do Agile de forma errada quando usamos os requisitos para realizar a medição. Tom Grantt fornece algumas orientações em como calcular e evitar as armadilhas:

  • "O valor dos métodos ágeis não é o mesmo que o valor do software que as equipes ágeis produzem": Estimar o valor de negócio das histórias não ajuda a justificar o investimento com a adoção do Agile na organização;
  • "Valor de negócio existe no nível das atividades empresariais": Não são as histórias que têm o valor do negócio, mas as atividades empresariais que utilizam o software entregue. Tom afirma que "o valor existe a nível de épicos e temas";
  • "O portfolio deve influenciar no cálculo do valor": O valor de negócio do software entregue também está, em parte, relacionado à funcionalidade que não está incluída;
  • "O valor é uma medida recíproca": A medição de valor deve incluir tanto os produtores quanto os consumidores de tecnologia;
  • "Ninguém acredita em medidas exatas, mas elas são úteis de qualquer maneira": Embora não seja possível calcular exatamente o valor, as pessoas ainda querem uma visão para discutir o assunto;
  • "Cálculos de ROI podem ser tão grandes que podem ser inacreditáveis": As pessoas podem ser céticas quando vêem valores elevados, mas eles podem estar corretos;
  • "O investimento em retorno pode ser mais importante do que o retorno do investimento": Não investir o suficiente no Agile poderia resultar na falha da adoção;
  • "Existem muitas outras medidas além do ROI": Outros valores podem ser úteis em um caso de negócio para adoção do Agile.

Como você mede o valor de negócio com a adoção do Agile?

Avalie esse artigo

Relevância
Estilo/Redação

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Dê sua opinião
Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
Marketing
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2016 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT

We notice you’re using an ad blocker

We understand why you use ad blockers. However to keep InfoQ free we need your support. InfoQ will not provide your data to third parties without individual opt-in consent. We only work with advertisers relevant to our readers. Please consider whitelisting us.