BT
x A sua opinião é importante! Por favor preencha a pesquisa do InfoQ sobre os seus hábitos de leitura!

Queime as estórias não as tarefas

por Chris Sims , traduzido por Douglas Masson em 27 Jan 2009 |

Desenvolvedores geralmente quebram a estória do usuário em tarefas para facilitar o trabalho de distribuição e implementação em torno da equipe e permitir um acompanhamento dos processos em um nível fino de granularidade. Infelizmente, a estória pode explodir em uma lista de tarefas não triviais tão grandes que a estória não é entregue no fim da iteração. Ron Jeffries sugere: fazer estórias como uma unidade, não quebrar em tarefas.

Para que isto funcione, as estórias precisam ser pequenas o suficiente para que a equipe possa entender e estimá-la bem. Uma abordagem para decomposição da estória é listar os critérios de aceitação, e então olhar para cada um deles e encontrar aqueles que podem ser suas próprias estorias. Se aquele critério de aceitação em particular acrescenta algum valor ao produto, é um visível para o usuário, é indepentende e é testável, então é um bom candidato para se tornar a sua própria estória.

Várias equipes tem os especialistas que focam em áreas especificas do produto ou das tecnologias subjacentes, tornando difícil dar uma estória completa para um indivíduo. Uma solução a longo prazo é cruzar os desenvolvedores de forma que possam trabalhar em várias partes do sistema e com todas as tecnologias necessárias. Isto cria uma equipe que é versátil e reduz a perda do risco organizacional 'a única pessoa' que é competente para trabalhar em uma determinada área do sistema. Uma forma de ter o trabalho feito agora, enquanto se move nesta direção, é utilizar a programação em par. A pessoa que 'possui' a implementação da estória em par com as pessoas que tem a competência necessária, a fim de entregar a estória completa.

Ron recomenda: "Queime as estórias, não as tarefas". Quando monitorando (queima) a nível de tarefas, os desenvolvedores podem 'fazer sua parte' finalizando muitas tarefas, sem qualquer funcionalidade do usuário ser entregue. Se a equipe apenas monitora o término das estórias, então os desenvolvedores apenas recebem o calor de finalizar algo quando a estória está completa. Isto encoraja uma noção mais valiosa do 'feito.'

Você concorda com a abordagem do Ron? Deixe um comentário e compartilhe a sua opinião.

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Queime as histórias, não as tarefas by Alexandre Odoni

Concordo em partes: Tudo depende do nível de conhecimento da equipe na hora de estimar as histórias. Se a equipe compreender a complexidade da história, pode sem nenhum problema quebrá-la em n tarefas que não haverá problema. Agora, se a equipe não tiver um bom conhecimento, tudo fica mais difícil.

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

1 Dê sua opinião

Conteúdo educacional

Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2014 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT