BT

Reutilização de Serviços está Super Utilizada?

por Mark Little , traduzido por Marcus Rehm em 28 Jul 2009 |

Se reutilização de serviços é tido como um aspecto importante de SOA, muitas pessoas citam esta característica como uma maneira de medir o sucesso da adoção dessa arquitetura. Por exemplo, Eric Roch:

Certamente se você quer medir o sucesso de SOA, e você deve fazer isso, então a maneira mais óbvia para isto é medir o reuso. Uma competição amigável entre as equipes de desenvolvimento para atingir o maior reuso possí¬vel seria uma ótima maneira de divulgar e encorajar a criação e reutilização de serviços.

Ou IBM:

Reuso é um conceito fundamental de SOA. É a parte da simplicidade de SOA e uma solução para problemas de interligação de processos B2B e outros processos em geral.

Como mencionado acima, quando se tenta medir o sucesso de SOA, a quantidade de reuso dos serviços são frequentemente utilizado como métrica.

Reutilização de serviços é tanto uma qualidade quanto um benefício da Arquitetura Orientada a Serviço.

No entanto, atingir esta visão não foi(é) simples e desde os primórdios de SOA, as pessoas não viam a reutilização como algo importante ou como uma meta importante na adoção da arquitetura. Como Dave Chappell colocou em 2006:

Criar serviços que podem ser reutilizados requer a habilidade de prever o futuro... como o criador de um serviço pode adivinhar quais aplicações ele irá necessitar? A abordagem "Construa e eles virão" é muito difícil de aceitar.

Agora Richard Watson criou um debate sugerindo que "reusabilidade foi sempre superestimada" e que desenvolvedores, usuários e tomadores de decisão não devem se fixar neste assunto. Como ele coloca em:

Um serviço pode nunca ser reutilizado, porém ainda assim pode agregar valor de outras formas: Sendo adaptável e menos custoso para manter, reduzindo redundância, aumentando segurança e aderência à políticas, isso apenas para citar algumas. O foco exclusivo no reuso pode nos cegar para estes outros aspectos.

Ele sugere que é possível quebrar o problema em uma equação para conseguir calcular o reuso e o tempo necessário para "re-desenvolvimento", levando em consideração características específicas do domínio de cada aplicação. De acordo com Richard, o que devemos levar em conta é o valor do serviço, e a reutilização é apenas uma pequena parte disso. Ele continua:

[...] o valor do serviço pode ser estimado de tempos em tempos, como por exemplo, quando mudanças para a adequação a novos requisitos demandam alterações num único lugar de maneira isolada e contida, ao invés de várias alterações em todo ambiente. Esta visão nos leva de volta ao valor do serviço "usado" e não "reutilizado".

A reutilização de objetos sempre foi vista como um dos maiores benefícios na orientação a objetos, porém o fato é que a realidade não se parece com a teoria. Eventualmente, algumas pessoas citam esse aspecto como algo negativo e buscam focar em benefícios tangíveis que a OO proporcionou (e continua proporcionando). Talvez o reuso de serviços está caminhando na mesma direção?

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão
Comentários da comunidade

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

Dê sua opinião

Conteúdo educacional

Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2014 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT