BT

Desacoplando sua aplicação do seu framework de injeção de dependências

por Mike Bria , traduzido por Lucas Souza em 27 Jan 2010 |

Injeção de dependências tornou-se nos últimos anos uma das abordagens mais usadas na Orientação a Objetos, graças a técnicas como TDD e Testes Automatizados e mais alguns fatores. Muitas vezes é comum utilizarmos alguns frameworks de injeção de dependências para nos auxiliar. O uso de injeção de dependências tornou-se tão comum que na nova versão Java EE 6, umas das novidades é a parte de Dependency Injection ou como é mais conhecida CDI (JSR 299).

Bob Martin mais conhecido como Uncle Bob nos passa algumas dicas em seu artigo escrito recentemente. Umas das dicas é:

...Eu não quero que o código do framework de injeção de dependências esteja espalhado por todo o código da minha aplicação. Eu quero manter o framework bem desacoplado e longe do corpo principal do meu código.

Para mostrar mais especificamente o que quis dizer, Uncle demonstrou isso utilizando como exemplo uma classe de BillingService que tem algumas dependências que são passadas atráves de seu construtor:

public class BillingService {
	...
	BillingService(CreditCardProcessor processor, TransactionLog transactionLog) {
		this.processor = processor;
		this.transactionLog = transactionLog;
	}
	...
}

Ele demonstra primeiro um pequeno código para criar uma instância da classe BillingService que utiliza o framework Guice(Framework de injeção de dependências do Google)

public static void main(String[] args) {
	Injector injector = Guice.createInjector(new BillingModule());
	BillingService billingService = injector.getInstance(BillingService.class);
	billingService.processCharge(2034, "Bob");
}

Depois de analizar o código, Uncle chegou a conclusão que agora sempre que precisamos de uma instância de BillingService, podemos obtê-las de forma extremamente simples atráves do Guice sem nos preocuparmos com as suas dependências. Porém agora teremos uma forte dependência com o Guice quando precisarmos de uma instância de BillingService.

Segundo Uncle acabamos com um problema, mas temos outro problema em mãos:

Injeção de Dependências é apenas uma forma especial de Inversão de Dependências. Eu penso que Inversão de Dependências é tão importante que eu quero inverter as dependências no Guice. Eu não quero um monte de dependências do Guice espalhadas pelo meu código.

Depois ele nos mostra atráves de uma simples Factory como podemos reduzir a dependência da nossa aplicação com os frameworks de DI:

public static void main(String[] args) {
	Injector injector = Guice.createInjector(new BillingModule());
	BillingService.factory = new BillingServiceFactory(injector);
}
...
// Deep in the bowels of my system.
BillingService billingService = BillingService.factory.make();
billingService.processCharge(2034, "Bob");

 Uncle explica com mais detalhes porque essa abordagem alternativa pode ser útil e como nos ajuda a diminuir o acoplamento com os frameworks de DI:

Eu gosto disso porque agora todo o Guice em um lugar bem definido. Eu não quero ter código do Guice por toda minha aplicação. Preferencialmente, eu tenho factories que tem o código do Guice. Guice Factories que mantém o código do Guice longe de toda minha aplicação. O que é melhor, se eu quiser substituir o Guice por algum outro framework de DI, eu sei exatamente quais classes teriam de ser mudadas, e como mudá-las. Portanto eu mantenho o Guice desacoplado da minha aplicação.

Um dos pontos interessantes da explicação do Uncle é que em todos os exemplos que ele mostra, é possível ver o uso de Injeção de Dependência, ou seja, o princípio e a idéia estão sempre sendo mantidos. Como as dependências da classe BillingService são resolvidas, estão sempre fora da própria classe, o que é de fato muito bom. Para ilustrar melhor isso, ele conclui o artigo mostrando um teste utilizando o Junit para a classe BillingService que utiliza simples"tests doubles" de TransactionLog e CreditCardProcessor. No teste ele constata que não importa qual mecanismo ele está utilizando para injetar as dependências, o teste sempre passará.

(Gary Bernhardt postou um artigo muito interessante destacando que o uso de "tests doubles" pode ser prudente quando utiliza-se Java ou outras linguagens estaticamente tipadas, mas não necessariamente em linguagens dinâmicas como Python)

E você, usa Injeção de Dependências? Usa algum framework para fazer isso? Se você usa ou não, o que você pensa disso?

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber menssagens dessa discussão

JSR-299 e padronização da DI by Alessandro Lazarotti

Acredito que em tempos de padronização da DI pelo JavaEE, tentar desacoplar o framework de injeção em novos projetos é algo desnecessário. No passado, mesmo não estando 100% de acordo com o texto (na maioria des vezes isso seria excesso de preciosismo), sua utilidade pode ser de alguma relevâcia. Em novos projetos, se deseja ter independência de implementação utilize o que é padrão de fato, no caso CDI.

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber menssagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber menssagens dessa discussão

1 Dê sua opinião

Conteúdo educacional

Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2013 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT