BT
x A sua opinião é importante! Por favor preencha a pesquisa do InfoQ sobre os seus hábitos de leitura!

Os 5 pilares da arquitetura corporativa, segundo o IASA

por Michael Stal , traduzido por Vitor Puente em 04 Set 2012 |

Em sua apresentação online, "Cinco pilares da arquitetura de TI", Jim WIlt, arquiteto da Microsoft, introduz a visão do IASA sobre os fundamentos da arquitetura corporativa. Wilt explica as origens e o desenvolvimento de cinco pilares, que incluem estratégia da tecnologia do negócio, ambiente de TI, atributos de qualidade, projeto/design e dinâmica interpessoal. Também comenta a lógica e os detalhes por trás desses pilares, assim como as habilidades necessárias em cada arquiteto para obter sucesso em seus projetos.

O IASA estabeleceu os seguinte pilares.

Estratégia de tecnologia do negócio: os arquitetos precisam ter um entendimento básico do negócio; do contrário não conseguirão dar suporte aos objetivos da organização ou aos objetivos dos clientes. Esses conhecimentos compreendem assuntos financeiros, estratégias de inovação de TI e técnicas de validação, assim como conceitos da indústria, tendências, padrões e compliance (aderência a padrões, regulamentos etc.).

Ambiente de TI: os arquitetos devem ter a "capacidade de verificar a solução e a maturidade organizacional em aspectos funcionais e de procedimentos da empresa". O ambiente de TI envolve a implementação de elementos relacionados ao processo de desenvolvimento, o gerenciamento de projetos, a utilização de plataformas e frameworks, as mudanças e ativos gerenciais, a governança, além dos testes e controle de qualidade. Por exemplo, arquitetos devem estar alinhados com as tendências de mercado, entender os benefícios e limitações de uma determinada tecnologia, e também conhecer metodologias e tecnologias usadas em um determinado ambiente.

Atributos de qualidade: o atributos de qualidade são mapeados pelo IASA em quatro categorias - qualidades que definem aspectos de usabilidade, aspectos de desenvolvimento como mudanças de requisitos, questões operacionais como performance, além de requisitos de segurança. Tais qualidades são tipicamente requisitos transversais, levando a escolhas importantes, baseadas em limitações de tempo, custo, requisitos e recursos. Wilt enfatiza que os atributos de qualidade devem ser medidos e monitorados constantemente. Devem também ser viáveis: um cliente pode estar interessado em "cinco noves" de disponibilidade, mas pode não querer pagar por tal nível.

Projeto: a capacidade de criar um bom projeto arquitetural é a "principal ferramenta de um arquiteto, ao entregar uma estratégia e um produto para o negócio". Como Wilt enfatiza, o design não se trata apenas da criação de uma arquitetura; inclui a revisão de todo o projeto. Não é só questão de "belos diagramas", mas sim de "justificações, razões e ponderações", quando for necessário tomar decisões. Habilidades necessárias nessa área incluem conhecimentos em técnicas e metodologias de design. E, é claro, arquitetos devem conhecer ferramentas e artefatos de design, como patterns, estilos e views. Para fazer as escolhas corretas sobre o design de um projeto, os arquitetos devem sempre alinhar suas decisões aos requisitos do negócio.

Dinâmica interpessoal: a dinâmcia entre pessoas inclui gerenciar e influenciar pessoas em um contexto de um projeto ou ambiente de TI. Wilt explica que há diversas habilidades necessárias nesse contexto. É necessário lidar com a cultura e com a relação com os clientes, além de lidar com os membros da equipe em um projeto. E embora a maioria dos arquitetos não detenha responsabilidades gerenciais, é necessário que possuam habilidades de liderança e gestão. Além disso, habilidades de negociação e colaboração são requisitos essenciais, assim como escrever e bem e ser capaz de realizar apresentações eficazes.


De acordo com Wilt, o IASA estabeleceu os pilares em três fases. Primeiro, especialistas do mercado elaboraram os cinco pilares, com base em uma análise qualitativa. Depois o IASA disponibilizou os pilares para uma avaliação quantitativa, para os 7 mil membros, os quais confirmaram e refinaram os pilares. Por fim, os organizadores desenvolveram treinamentos e certificações para que engenheiros interessados possam adquirir as habilidades necessárias.

A Matriz de Habilidades do IASA resume as principais habilidades recomendadas para arquitetos corporativos e indica cursos abordando os cinco pilares. Além disso, o IASA fornece uma programa de certificação e um treinamento para engenheiros de software.

Olá visitante

Você precisa cadastrar-se no InfoQ Brasil ou para enviar comentários. Há muitas vantagens em se cadastrar.

Obtenha o máximo da experiência do InfoQ Brasil.

Dê sua opinião

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

papel do arquiteto sendo moldado... by Fernando Franzini

O que estamos vendo na verdade é o papel de arquiteto sem moldado para assumir responsabilidades que possam lhe acrescentar na hora de fazer a arquitetura. Entendimento de negocio e gerenciamento de pessoas realmente hoje são fundamentais!

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

HTML é permitido: a,b,br,blockquote,i,li,pre,u,ul,p

Receber mensagens dessa discussão

1 Dê sua opinião

Conteúdo educacional

Feedback geral
Bugs
Publicidade
Editorial
InfoQ Brasil e todo o seu conteúdo: todos os direitos reservados. © 2006-2014 C4Media Inc.
Política de privacidade
BT